Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Butão

Dru Gäkhap
Brug rGyal-Khab (Wylie)
Reino do Butão



Bandeira
Brasão de Armas






















Localização:
Ásia, Ásia Meridional, Subcontinente Indiano.


Origem / Pequeno resumo histórico:
     A tradição situa o início da história do Butão no Século VII, quando o rei tibetano Songtsen Gampo construiu os primeiros templos budistas nos vales de Paro e de Bumthang. 
     No Século VIII, é introduzido o budismo tântrico pelo Guru Rimpoche, "O Mestre Precioso", considerado o segundo Buda na hierarquia tibetana e butanesa. Os Séculos IX e X são de grande turbulência política no Tibete e muitos aristocratas vieram instalar-se nos vales do Butão, onde estabeleceram o seu poder feudal.
     Nos séculos seguintes, a actividade religiosa começa a adquirir grande vulto e são fundadas várias seitas religiosas, dotadas de poder temporal por serem protegidas por facções da aristocracia. No Butão estabeleceram-se dois ramos, embora antagónicos, da seita Kagyupa
     A sua coexistência será interrompida pelo príncipe tibetano Ngawang Namgyel que, fugido do Tibet no Século XVII, unifica o Butão com o apoio da seita Drukpa, tornando-se no primeiro Shabdrung do Butão, "aquele a cujos pés todos se prostram". Ele mandaria construir as mais importantes fortalezas do País que tinham como função suster as múltiplas invasões mongóis e tibetanas.
     O relato da época foi feito pelo missionário jesuíta português Estêvão Cacella, o primeiro europeu a entrar no Butão. Este missionário viajou através dos Himalaias em 1626, encontrou-se com o Shabdrung Ngawang Namgyel e no fim de uma estadia de quase oito meses, escreveu uma longa carta do Mosteiro Chagri relatando as suas viagens. Este é o único relato que resta,deste Shabdrung.
     A partir do seu reinado estabeleceu-se um sistema político e religioso que vigoraria até 1907, em que o poder é administrado por duas entidades, uma temporal e outra religiosa, sob a supervisão do Shabdrung.
     Desde sempre que o Butão só mantinha relações com os seus vizinhos na esfera cultural do Tibet (Tibet, Ladakn e Sikkim) e com o reino de Cooch Behar, na fronteira sul.
     No Século XIX, com a presença dos ingleses na Índia, e após alguns conflitos relacionados com direitos de comércio, dá-se a Guerra de Duar, em que o Butão perdeu uma faixa de terra fértil ao longo da sua fronteira sul. Ao mesmo tempo, o sistema político vigente enfraquecia devido à influência dos governadores regionais, que se tornava cada vez mais poderosa. O país corria o risco de se dividir novamente em feudos.
     Um desses governadores, o "Penlop" de Tongsa, Ugyen Wangchuck, que já controlava o Butão central e oriental, conseguiria dominar os seus opositores de Thimbu, e assim implantar a sua influência sobre todo o país.
     Em 1907 foi coroado Rei do Butão, após consultas ao clero, à aristocracia e ao povo, e com a aliança dos ingleses. Foi assim criada a monarquia hereditária que hoje vigora.
     Em 2008, o Butão fez a transição da Monarquia Absoluta para a Monarquia Constitucional e realizou a sua primeira eleição geral. O Butão é um dos únicos reinos budistas do mundo, juntamente com a Tailândia.


Mosteiro Taktshang (Ninho do tigre)


Cultura:
     A cultura do Butão já foi definida como sendo, simultaneamente, patriarcal e matriarcal: o membro que detém a maior estima é considerado o chefe da família.
     O Butão também já foi descrito como tendo um regime feudal, caracterizado pela ausência de uma forte estratificação social.
     Em 2004 tornou-se o primeiro país do mundo a banir o fumo e a venda de tabaco.

Religião - Estima-se que entre dois terços e três quartos da população do Butão sigam o Budismo Vajrayana, que também é a religião de Estado.
    Cerca de um quarto a um terço são seguidores do hinduísmo. Outras religiões correspondem a menos de 1% da população.
     O actual quadro legal, em princípio, garante a liberdade de religião. Entretanto, o proselitismo é proibido por uma decisão do governo real e pela interpretação judicial da Constituição. 


Principais recursos naturais:
Madeira, hidrografia e gesso.


Datas comemorativas:
Dia Nacional do Butão – 17 de Dezembro – Celebra a data da coroação do Rei Ugyen Wangchuck, em 1907, criador da Monarquia Hereditária que vigora no país.



Símbolos nacionais:
Bandeira Nacional;
Brasão de Armas;
Hino Nacional: Druk tsendhen ("Reino do Dragão do Trovão") 


Vista geral de Thimbu, capital do Butão


Capital:                                                                              Língua oficial:
Thimbu                                                                              Butanês (Dzonga)


Moedas oficiais:                                                                 Tipo de Governo:
Ngultrum;                                                                             Monarquia Constitucional
Rupia indiana.


Data de admissão como membro da ONU (Organização das Nações Unidas):
21 de Setembro de 1971.


Organizações / Relações internacionais:
  • ONU - Organização das Nações Unidas;
  • SAFTA - Acordo de Livre Comércio do Sul da Ásia;
  • SAARC - Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional;
  • MNA - Movimento dos Países Não-Alinhados;
  • COI - Comité Olímpico Internacional;
  • Grupo dos 77 - Nações em desenvolvimento;
  • INTERPOL - Organização Internacional de Polícia Criminal;
  • OIM - Organização Internacional para as Migrações (membro observador);
  • OMC - Organização Mundial do Comércio (membro observador);
  • OPCW - Organização para a Proibição de Armas Químicas;
  • WCO - Organização Mundial das Alfândegas;
  • IPU - União Inter-Parlamentar;
  • IUCN - União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais;
  • WIPO - Organização Mundial da Propriedade Intelectual.


Património Cultural e Imaterial da Humanidade (UNESCO):
  • Dança de Máscaras dos Tambores de Drametse (2008) - A Ngacham (“dança da máscara”) de Drametse é uma dança religiosa e cultural executada em honra do guru budista Padmasambhava durante o Festival de Drametse. Tem lugar duas vezes no ano, nos meses quinto e décimo do calendário butanês, no Mosteiro Ogyen Tegchok Namdroel Choeling (distrito de Mongar, Butão Oriental). A dança, executada há séculos neste lugar, é composta por dezasseis dançarinos em traje monástico e máscaras de madeira imitando animais reais e míticos, acompanhados por uma orquestra de dez músicos dirigidos por um tocador de címbalos. A dança tem uma parte calma e contemplativa, que representa os deuses pacíficos, e uma parte rápida e atlética, em que os dançarinos simbolizam deuses irados. Com o tempo, a Ngacham passou de um evento local para uma representação da identidade de toda a nação butanesa.


Fontes:
Wikipedia, a enciclopédia livre;