Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sud-Aviation SE-3160 Alouette III (primeira parte)

Imagem 1

SUD-AVIATION SE-3160 ALOUETTE III

Quantidade:  142
Utilizador:  Força Aérea
Entrada ao serviço:  Abril de  1963
Data de abate:  Em serviço


Dados técnicos:

a.       Tipo de Aeronave
Helicóptero mono-turbina terrestre, de trem de aterragem triciclo fixo, podendo usar flutuadores, revestimento metálico, cabina integrada na fuselagem, concebido para missões de transporte militar. Tripulação: 1 (piloto).
b.       Construtor
Sud-Aviation / Aerospatiale / França.
Sob licença:          HAL / Índia;
                             Empresa de Construções Aeronáuticas (ICA) / Roménia.
c.       Motopropulsor
Motor: 1 motor de turbina Turbomeca Artouste III-B, de 880 hp.
Rotores principal e de cauda: de três pás.
d.       Dimensões
Diâmetro do rotor principal.....11,02 m
Comprimento…........................12,84 m
Altura………….…........................2,97 m
Área do círculo rotórico ….......95,03 m²
e.       Pesos
Peso vazio…………….......….1.243 Kg
Peso máximo..........................2.100 Kg
Peso máximo de carga............750 Kg
f.        Performances
Velocidade máxima ……..…...209 Km/h
Velocidade de cruzeiro............167 Km/h
Tecto de serviço …………....3.200 m
Tecto máximo .......................6.500 m
Raio de acção……………......460 Km
Autonomia..............................2H30
g.       Armamento
1 canhão MG151, calibre 20 mm, no interior da fuselagem, disparando através da abertura da porta traseira do lado esquerdo;
 No exterior: 2 lança-foguetes com capacidade para 12 foguetes de 2,75”.
h.       Capacidade de transporte
6 passageiros ou 5 militares equipados;
ou 5 para-quedistas;
ou 2 macas e 2 passageiros;
ou 800 Kg de carga interna;
ou 750 Kg de carga suspensa. 



Imagem 2

Resumo histórico:

     O helicóptero SE-3160 Alouette III foi a evolução natural do Alouette II, com uma cabina maior, fuso da cauda e secção central da fuselagem com revestimento metálico, rotor principal de maior diâmetro, rotor de cauda de três pás, trem de aterragem triciclo fixo, turbo-reactor Artouste III de 550 hp e alguma capacidade para instalação de armamento.
O primeiro voo do protótipo teve lugar no dia 28 de Fevereiro de 1959.

     Em Junho de 1960 um Alouette III realizou a proeza, sem precedentes, de aterrar e descolar com sete pessoas a bordo no cume do Monte Branco, nos Alpes franceses, a 4.810 metros de altitude.
     Em Novembro do mesmo ano realizou uma proeza semelhante no Deo Tibas, no Himalaia, desta vez a 6.004 metros de altitude, com dois pilotos e 550 Kg de carga a bordo.

     Os resultados dos primeiros testes chamaram a atenção dos militares franceses, que necessitavam de um helicóptero rápido e bem armado para enfrentar os guerrilheiros argelinos. Contudo, o conflito terminou antes de os Alouette III estarem aptos para operações de combate.
     As primeiras exportações tiveram lugar em 1961. As aquisições mais expressivas foram feitas pela África do Sul, Rodésia, Peru e Dinamarca. Em breve, Portugal juntou-se ao número dos utilizadores mais importantes, para além de ser o primeiro a usá-los em combate.

     Em 1970 é extinta a Sud-Aviation e criada a Aerospatiale. Nesse ano surgiu a versão SA-316B Alouette III, equipada com um turbo-reactor Artouste III-B, de 880 hp, e com a transmissão do rotor principal reforçada.
     Em 1972 surgiu a versão SA-316C, equipado com um turbo-reactor Artouste III-D de 870 hp e a versão SA-319C, com o turbo-reactor Astazou XIV, de igual potência mas 25% mais económico.

     A versão naval do Alouette III Astazou foi equipada para combater pequenos navios de superfície e luta anti-submarino (ASW) e ainda para salvamentos no mar.
     A Aerospatiale deixou de fabricar os Alouette III em Maio de 1985, depois de ter produzido 1.455 unidades para exportação, utilizados por 74 países a nível civil e militar.

     A Roménia também encerrou a produção dos SA-316B, depois de construir 230 exemplares, que designou por IAR-316.
     A Índia continuou a sua produção por mais alguns anos, designando o seu produto por Chetak.

(continua)





Fontes (primeira parte):
Imagem 1: FAP / AHFA - Força Aérea Portuguesa / Arquivo Histórico da Força Aérea;
Imagem 2: Cortesia de  Richard Ferriere - 3 vues;
Texto: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.

Sem comentários :

Enviar um comentário