Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Chade

République du Tchad
جمهوريّة تشاد
(Jumhūriyyat Tshād)
República do Chade



Bandeira


Brasão de Armas






















Localização:
África, África Central, África Subsariana.


Origem / Pequeno resumo histórico:
     As pinturas rupestres encontradas indicam que a região era habitada por populações de caçadores e colectores do Neolítico e da Idade do Ferro. Os primeiros vestígios de vida humana encontrados no Chade são do período do Neolítico e pertencem a cavernas de povos negros que habitavam as regiões de Borku, Ennedi e Tibesti. No entanto, a progressiva seca do mar interior do Chade provocou o despovoamento dessa área a partir de 7.000 a. C.
     A posição do Lago Chade, na convergência de estradas vindas de Tripoli, Khartum e do Sudão ocidental, contribuiu para as migrações de outros povos desde o início da Era Cristã.
     No Século VIII surgiu no oeste do actual Chade, o Reino de Kanem, rapidamente convertido ao Islão e submetendo os demais reinos, especialmente o de Baguirmi, que surgiu no Século XVI.  Após um primeiro apogeu, no Século XII, os seus soberanos foram vencidos pelos saôs e bulalas. O reino renasceu no Século XVI, tendo Bornu como centro.

     A partir do Século XI os árabes estabeleceram-se na região e imprimiram a doutrina do Islão nos Estados do Kanem e Bornu, mas estenderam sua influência a todas as regiões à volta do Lago Chade no Século XVI, além de contribuírem para a intensificação do tráfico de escravos durante vários séculos.
     Entre o Século XVIII e XIX, grande parte do Chade estava sob controlo dos conquistadores negros árabes Rabeh e Zubayr. No Século XIX o Lago Chade tornou-se ponto de convergência dos exploradores europeus, entre os quais se destacou Eduard Vogel, que iniciaram a colonização com o apoio dos sultões locais, que sofriam constantes ameaças dos árabes negros, em especial o conquistador sudanês Rabah. Expedições francesas avançaram na região, tendo o pretexto do combate ao tráfico negreiro facilitado a submissão da região à França..

     Em 1898, um acordo franco-britânico firmado em 22 de Abril de 1900, incorporou o Chade na zona de colonização francesa, apesar do controlo total só ter sido obtido em 1912.
     Em 1922, o Chade passou a fazer parte da África Equatorial Francesa, sob a administração do comissário Émile Gentil, iniciando-se a exploração de seus depósitos minerais. Os franceses introduziram a influência ocidental nas estruturas tribais tradicionais, de início pela via militar e depois pela via económica e comercial.
     Em 1940, com o governador Félix Éboué, foi a primeira colónia a aderir à França Livre. Em 1958 tornou-se em República autónoma dentro da Comunidade Francesa e uma república completamente independente em 1960, tendo como Presidente da República o líder do Partido Progressista Chadiano, François Tombalbaye, também conhecido como N’Garta Tombalbaye. Desde então o país luta para manter a unidade entre os povos muçulmanos de língua arábica do norte, e os bantos do sul e do oeste, mais desenvolvidos economicamente.
     Em 1990, H. Habré foi deposto por um golpe de Estado. Idriss Deby, seu antigo comandante militar, foi instalado no poder, com apoio pela Líbia. Decidiu-se estabelecer o processo democrático, mas a Assembleia Constituinte de Maio de 1992 foi adiada e houve tensões na capital, N’Djamena, sem soluções para os problemas económicos e sociais. Uma Carta Constitucional, promulgada em 1992, criou um Conselho Ministerial e um Conselho Consultivo da República, assim como aboliu o Conselho de Estado, criado após o golpe. Em Outubro de 1993, uma tentativa de golpe de Estado foi sufocada e seu líder foi morto.
     Ante o acirramento dos conflitos políticos, uma conferência nacional foi instalada em 1993 para dar continuidade ao processo de democratização do país. Em 1994, a Líbia devolveu ao Chade a faixa ocupada desde 1973. Em 1995, a acção dos sindicatos e das associações de defesa dos direitos humanos conseguiu devolver a paz ao país. Em 1996, I. Déby venceu a eleição presidencial (reeleito em 2001). Actualmente o país vive um regime político transitório em que o primeiro-ministro governa com uma assembleia legislativa. O poder central continua em confronto com importantes movimentos rebeldes.
     Recentemente, o conflito do Darfur, no Sudão, atravessou a fronteira e gerou o conflito entre Chade e Sudão, com centenas de milhares de refugiados vivendo em acampamentos no leste do país.
     Enquanto existem vários partidos políticos activos no país, o poder recai firmemente nas mãos do presidente Déby e do seu partido, o Movimento Patriótico de Salvação.
     No Chade ainda ocorre violência política e frequentes golpes de Estado. Actualmente, o Chade é um dos países mais pobres e com maior índice de corrupção no mundo. A maioria da sua população vive abaixo da linha de pobreza. Desde 2009, o petróleo passou a ser a maior fonte de exportações no país, ultrapassando a tradicional indústria de algodão.


Cultura:
     Devido à sua grande variedade de idiomas e povos, o Chade possui um rico património cultural. O governo do Chade tem promovido activamente sua cultura e tradições orais, abrindo o Museu Nacional do Chade e o Centro Cultural do Chade. Ao longo dos anos os chadianos celebram seis festas nacionais e duas festas móveis que incluem a festividade cristã da Segunda-feira de Páscoa e as festividades muçulmanas de Eid-ul-Fitr, Eid al-Adha e Eid Milad Nnabi.

Música - Os chadianos tocam instrumentos como o kinde, um tipo de harpa de arco; o kakaki, instrumento largo feito de estanho; o hu hu, instrumento feito de cordas que usam cabaças de alta-voz. Outros instrumentos e combinações estão vinculados a grupos étnicos específicos: os Sara preferem assobios, harpas, tambores kodjo; enquanto os Kanembu combinam sons de tambores com instrumentos de sopro.
     Em 1964, foi formado o grupo musical Chari Jazz, que se tornou palco da música moderna no Chade. Mais trade, grupos com mais reputação, como African Melody e International Challal tentaram unir a modernidade e a tradução em suas músicas. Grupos populares, como o "Tibesti", têm-se expandido com maior rapidez à sua herança cultural ao interpretar a música Sai, estilo tradicional do sul do Chade.

Gastronomia - O millet é o principal prato típico do Chade. É usado para fazer bolos de massa que submergem em diversas salsas. No norte, este prato é conhecido como alsyh e, no sul, como biya.
     Os pratos de peixe também são muito populares. São geralmente preparados e vendidos como salanga (Hydrocynus e Alestes secados ao sol e ligeiramente defumados) ou como banda (maiores e defumados).
     O carcagem é uma bebida doce muito popular no país, extraída a partir de folhas do hibisco. As bebidas alcoólicas, ausentes na região norte, são muito populares no sul, onde se bebe cerveja feita com espécies de milho, conhecida como billi-billi, feita a partir do milho vermelho. Quando é feita a partir do milho branco toma o nome de coshate.
     
Literatura - Os autores chadianos foram obrigados a escrever no exílio, contribuindo com obras muito ligadas a certos temas, como a opressão política e o discurso histórico.
     Desde 1962, vinte autores chadianos escreveram mais de sessenta obras de ficção científica. Entre os escritores mais reconhecidos internacionalmente encontram-se Joseph Brahim Seïd, Baba Moustapha, Antoine Bangui, Koulsy Lamko.
     Em 2003, o único grupo crítico literário, Ahmat Taboye, publicou o seu livro “Anthologie de la littérature tchadienne”, para mostrar um maior conhecimento da literatura do Chade a nível mundial e entre os jovens.

Cinema - O desenvolvimento da indústria cinematográfica no Chade sofreu diversos efeitos com a guerra civil e a falta de cinemas em todo país. A primeira longa-metragem criada no Chade foi “Bye Bye África”, realizada em 1999 por Mahamat Saleh Haroun. A sua obra, “Daratt”, ganhou um prémio especial do júri no Festival de Cinema de Veneza, em 2006. Issa Serge Coelo dirigiu outros filmes no Chade: “Daresalam” e “DP75: cidade de Tartina”.

Desporto - O desporto mais popular no Chade é o futebol. A Selecção de Futebol do Chade participa em competições internacionais, incluindo alguns futebolistas da equipa francesa.
     O basquetebol e a luta-livre são outros dos desportos mais praticados no país.


Principais recursos naturais:
Petróleo, algodão, urânio, sódio, ouro, calcário, sal, areia e cascalho.


Datas comemorativas:
Dia da Independência - 11 de Agosto - Celebra a data da independência, da França, em 1960.



Símbolos nacionais:
Bandeira Nacional;
Brasão de Armas;
Hino Nacional: "La Tchadienne" ("A Chadiana");
Medalhão do Chade.

Medalhão do Chade


Lema:
"Unité, Travail, Progrès" ("Unidade, Trabalho, Progresso")


Capital:                                                                       Línguas oficiais:
N’Djamena                                                                 Francês e Árabe


Moeda oficial:                                                             Tipo de Governo:
Franco CFA                                                                 República Presidencialista


Data de admissão como membro da ONU (Organização das Nações Unidas):
20 de Setembro de 1960


Organizações / Relações internacionais:
  • ONU - Organização das Nações Unidas;
  • CEEAC - Comunidade Económica dos Estados da África Central;
  • CEMAC - Comunidade Económica e Monetária da África Central;
  • CEN-SAD - Comunidade dos Estados Sahelo-Saharianos;
  • COI - Comité Olímpico Internacional;
  • Grupo dos 77 - Nações em desenvolvimento;
  • ANWFZ - Tratado Africano para a Formação de uma Zona Livre de Armas Nucleares;
  • INTERPOL - Organização Internacional de Polícia Criminal;
  • IPU - União Inter-Parlamentar;
  • MNA - Movimento dos Países Não-Alinhados;
  • OCI - Organização da Conferência Islâmica;
  • OIF - Organização Internacional da Francofonia;
  • UA - União Africana;
  • MIGA - Agência Multilateral de Garantia de Investimentos;
  • OIM - Organização Internacional para as Migrações;
  • OMC - Organização Mundial do Comércio;
  • OPCW - Organização para a Proibição de Armas Químicas;
  • WCO - Organização Mundial das Alfândegas;
  • TPI - Tribunal Penal Internacional;
  • UIHJ - União Internacional dos Oficiais de Justiça;
  • ICDO - Organização Internacional de Protecção Civil;
  • IRENA - Agência Internacional para as Energias Renováveis;
  • RAMSAR - Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional;
  • BAD - Banco Africano de Desenvolvimento;
  • WIPO - Organização Mundial da Propriedade Intelectual.


Património Mundial (UNESCO):
  • Lagos de Ounianga (2012).

Fonte:
Wikipedia, a enciclopédia livre

Sem comentários :

Enviar um comentário