Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Chipre

Κυπριακή Δημοκρατία (grego)
Kypriakí Dimokratía
Kıbrıs Cumhuriyeti (turco)
República de Chipre



Bandeira

Brasão de Armas





















Localização:
Ásia, Sudoeste AsiáticoMédio Oriente, EuropaMar Mediterrâneo, Nação transcontinental.


Origem / Pequeno resumo histórico:
Etimologia - O nome da ilha e do país deriva da palavra grega para Cobre, kýpros. Por este motivo, alguns autores especulam que a melhor tradução do nome em português seria Cipro, em vez do galicismo Chipre.

História - Os primeiros habitantes conhecidos da Ilha de Chipre datam do período Neolítico (8.200 a 3.800 a.C.). Os primeiros sinais de ocupação permanente da época seguinte, o Calcolítico, foram descobertos junto de minas de cobre onde este era extraído em pequenas quantidades.
Várias escavações têm demonstrado que durante o Neolítico e a Calcolítico os cipriotas tinham uma cultura avançada e uma sociedade estruturada, e a mais antiga cerâmica é datada do quinto milénio a.C.
     Depois de sucessivamente ocupado por fenícios, egípcios, assírios, persas, gregos e romanos durante a antiguidade, o Chipre foi dominado pela República de Veneza desde 1489 até à invasão dos turcos otomanos em 1570. Pelo Congresso de Berlim, a ilha passou à administração britânica a 12 de Julho de 1878, sendo convertida oficialmente em colónia em 1914, com o início da Primeira Guerra Mundial.
     Em 1930 começam as primeiras revoltas a favor da enosis (união de Chipre com a Grécia). No fim da Segunda Guerra Mundial os greco-cipriotas aumentam a pressão para o fim do domínio britânico. O arcebispo Makarios lidera a campanha pela enosis e é deportado para as Seicheles em 1956, depois de uma série de atentados na ilha.
     Em 1960, o Chipre, a Grécia e o Reino Unido assinam um tratado que declara a independência da ilha, ficando os britânicos com a soberania das bases de Acrotíri e Deceleia. Makarios assume a presidência, mas a constituição indicava que os turco-cipriotas ficariam com a vice-presidência, com poder de veto, o que dificultou o funcionamento do estado e as relações entre greco-cipriotas e turco-cipriotas, desembocando em explosões de violência inter-comunitária em 1963 e 1967.
     A 15 de Julho de 1974 um golpe pró-helênico depôs o governo legítimo, o que provocou a reacção da Turquia que, utilizando-se da suposta defesa dos interesses dos turco-cipriotas, invadiu e ocupou militarmente, até hoje, a parte norte da ilha - ocupação esta que já fora declarada ilegal pelo Conselho de Segurança da ONU, cujas resoluções ordenavam a retirada imediata das tropas turcas.
     Esta foi a origem da República Turca de Chipre do Norte, um estado de facto que só é reconhecido pela Turquia e pela Organização da Conferência Islâmica. Deste então, o Estado turco vem tentando modificar a etnia da ilha, trazendo centenas de milhares de turcos (os quais não têm origem cipriota) e habitam as casas dos greco-cipriotas refugiados de guerra que fugiram da morte sem nada levar.
     A República de Chipre é aceite como membro da União Europeia em 2004, ao mesmo tempo que se aplica um plano para a reunificação apoiado pelas Nações Unidas, apesar de um referendo em que 76% dos greco-cipriotas votaram contra.


Cultura:
     Apesar do facto de a história do Chipre ser marcada por ocupações e invasões, a cultura contemporânea é de carácter grego puro, uma cultura que nunca mudou durante os últimos 3.500 anos.
     Na verdade, Chipre possui uma grande movimentação de turistas durante o período de verão, quando o calor e sol são fortíssimos. A noite também é bastante agitada com vários bares, com ares típicos de pubs. As suas praias são lindíssimas, como é comum nas ilhas gregas.
     Existem muitos passeios de barco pelo Mediterrâneo. Aliás, como país mediterrâneo que é, não poderia deixar de ter um bom vinho, sem esquecer os maravilhosos azeites.
     A culinária é bastante saudável, pois costumam comer basicamente saladas acompanhadas de grelhados variados de frango, carneiro e porco, todos temperados com diferentes e exóticas ervas.
     Ao passear pelas antigas vilas incrustadas no centro da Ilha e que parecem parados no tempo, é comum encontrar grupos de homens (nunca mulheres) em "botecos", engatando conversas ao velho estilo grego de ser. Sem esquecer as igrejas brancas, de origem ortodoxa, incrustadas nas pedras, nas margens do Mediterrâneo.
     A cultura do Chipre está dividida entre as duas culturas distintas de cipriotas gregos e turcos. Cada comunidade mantém a sua própria cultura, ligadas às culturas da Grécia e da Turquia, existindo pouco intercâmbio cultural entre os dois grupos. A cultura grega está presente na ilha desde a antiguidade. A cultura turca chegou com a invasão do Império Otomano em 1570, e foi sob esta regra que a divisão entre as duas comunidades se tornou proeminente, incentivada pelas políticas governamentais. Os britânicos não fizeram nada para mudar esta situação, deixando a ilha dividida, com nenhuma cultura unificada.

Arte - A história da arte de Chipre pode -se dizer que remontam até 10.000 anos, após a descoberta de uma série de período Calcolítico figuras esculpidas nas aldeias de Khoirokoitia e Lempa . A ilha é o lar de inúmeros exemplos de estilos religiosos de alta qualidade, pintura ícone da Idade Média , assim como muitas igrejas pintadas. Arquitectura cipriota foi fortemente influenciado pelo gótico francês e renascentista italiano, introduzido na ilha durante a era da dominação Latina ( 1191-1571 ) .

     Nos tempos modernos, a história da arte cipriota começa com o pintor Vassilis Vryonides (1883-1958), que estudou na Academia de Belas Artes de Veneza.
     Provavelmente, os dois fundadores da arte moderna cipriota foram Adamantios Diamantis ( 1900-1994 ), que estudou no Royal College of Art, e Christopheros Savva (1924-1968) que também estudou em Londres, na Escola de Arte de Saint Martin, em Londres. A maioria dos artistas cipriotas ainda cursam em Inglaterra, enquanto outros treinam em escolas de arte na Grécia e em instituições de arte locais, tais como o Colégio de Arte de Chipre, da Universidade de Nicosia, e o Instituto de Tecnologia de Frederick .
    Galerias de arte municipais existem em todas as principais cidades e existe uma atmosfera de arte comercial grande e animada. Chipre foi a sede do Festival Internacional de Arte Manifesta em 2006, mas este foi cancelado no último minuto, depois de uma disputa entre os organizadores holandeses da Manifesta e do Ministério da Educação e Cultura do Chipre, sobre a localização de alguns dos eventos no sector turco da capital, Nicósia.
     Outros artistas cipriotas notáveis incluem Rhea Bailey, Mihail Kkasialos, Ioannis Kissonergis, Theodoulos Gregoriou, Helene Preto, George Skoteinos, família Kalopedis, Panayiotis Kalorkoti, Nicos Nicolaides, Stass Paraskos, Arestis Stasi, Telêmaco Kanthos, Konstantia Sofokleous e Chris Achilleos.

Música - A música popular tradicional do Chipre tem vários elementos comuns com música grega, turca e árabe, incluindo danças greco-turcas, como a Sousta, Syrtos, zeibekikos, tatsia e karsilamas, bem como a tsifteteli e arapies, inspiração do Oriente Médio.
     Existe também uma forma de poesia musical conhecida como chattista, que é muitas vezes realizada em festas e celebrações tradicionais.
     Os instrumentos geralmente associados com a música popular do Chipre são o bouzouki, oud ("outi"), violino ("fkiolin"), alaúde ("laouto"), acordeão, flauta do Chipre ("pithkiavlin") e percussão (incluindo o "toumperleki").
     A música popular é geralmente influenciada pela cena do grego Laïka; artistas que tocam neste género incluem a estrela de platina internacional Anna Vissi, Evridiki e Sarbel
     Hip Hop, R&B e reggae foram apoiados pelo surgimento de rap cipriota e da cena musical urbana em Ayia Napa. Música rock cipriota é frequentemente associada a artistas como Michalis Hatzigiannis e Alkinoos Ioannidis.

Literatura - Produção literária da antiguidade inclui o Cypria, um poema épico, provavelmente composto no final do Século 7 a.C. e atribuído a Stasinus. O Cypria é um dos primeiros exemplares de poesia grega e europeia. O cipriota Zenão de Citium foi o fundador da escola estóica de Filosofia.
     A poesia épica, nomeadamente as "canções acrítica" "acritic songs", floresceu durante Idade Média. Duas crónicas, uma escrita por Leôncio Machairas e outra por Georgios Voustronios, cobrem toda a Idade Média até ao fim do domínio franco (4º século-1489). Poèmes d'amour foi escrito em data cipriota grego medieval, por volta do Século 16.
     Alguns deles são traduções reais de poemas escritos por Petrarca, Bembo, Ariosto e G. Sannazzaro. Muitos estudiosos cipriotas fugiram de Chipre em tempos conturbados, como Ioannis Kigalas (c. 1622-1687), que migrou do Chipre para a Itália no Século 17. Vários dos seus trabalhos sobreviveram em livros de outros estudiosos.
     Figuras literárias modernas de Chipre incluem o poeta e escritor Kostas Montis, os poetas Kyriakos Charalambides Michalis Pasiardis, os escritores Nicos Nicolaides, Stylianos Atteshlis, Altheides, Loukis Akritas e Demetris Th. Gotsis, Dimitris Lipertis, Vasilis Michaelides e Pavlos Liasides são poetas populares que escreveram poemas principalmente no dialecto cipriota-grego.
     Lawrence Durrell viveu no Chipre do Norte a partir de 1952 até 26 de Agosto de 1956 e escreveu o livro Bitter Lemons, a respeito do tempo que lá passou. Ganhou o segundo prémio Duff Cooper, em 1957. A maior parte do jogo Othello, de William Shakespeare, está situado na ilha do Chipre.
     Chipre também figura na literatura religiosa, como os Actos dos Apóstolos, segundo o qual os apóstolos Barnabé e Paulo pregaram na ilha.

Cinema - O director cipriota mais famoso por ter trabalhado no exterior é Michael Cacoyannis. Em 1994 a produção cinematográfica recebeu um impulso com a criação do Comité Consultivo do Cinema.      A partir do ano 2000, além de subsídios do governo, co-produções cipriotas são elegíveis para financiamento do Conselho de Fundo Eurimages da Europa, que financia co-produções cinematográficas europeias. Até o momento, quatro filmes de longa-metragem em que um cipriota foi produtor executivo receberam financiamento do Eurimages. O primeiro foi Sphagi tou Kokora (1992), Hellados (1995), e O Dromos, de Costas Demetriou Ithaki (The Road to Ithaka, 1997), que estreou em Março de 2000.

Gastronomia - Queijo Halloumi originário do Chipre, foi inicialmente feito durante o período bizantino medieval. O Halloumi (hellim) é geralmente servido em fatias, fresco ou grelhado, como um aperitivo.
     Frutos do mar e pratos de peixe incluem lula, polvo, salmonete, e robalo. Pepino e tomate são amplamente utilizados em saladas. Preparações vegetais comuns incluem batatas em azeite e salsa, couve-flor e beterraba em conserva, espargos e taro.
     Outras iguarias tradicionais de carne são marinados em sementes de coentros secos e vinho. Eventualmente, pode ser seco e fumado, como o lountza (lombo defumado de porco), souvlaki (carne de porco e frango cozido sobre carvão vegetal), e sheftalia (carne picada envolta no mesentério). Pourgouri (bulgur, trigo rachado) é a tradicional fonte de hidratos de carbono (sem ser o pão), e é usado para fazer as Koubes.
     Hortaliças e frutas são ingredientes comuns. Legumes utilizados frequentemente incluem courgettes, pimentão verde, quiabos, feijão verde, alcachofras, cenouras, tomates, pepinos, alface e uva folhas, e leguminosas como feijão, favas, ervilhas, feijão-frade, grão-de-bico e lentilhas. As frutas mais comuns são as nozes, pêras, maçãs, uvas, laranjas, tangerinas, nectarinas, nêspera, amora, cereja, morango, figo, melancia, melão, abacate, limão, pistácio, amêndoa, castanha, noz, e avelã.
     Chipre é também conhecido pelas suas sobremesas, incluindo lokum (também conhecido como Turkish Delight ) e Soutzoukos. Esta ilha tem indicação geográfica protegida (IGP ) para a sua lokum, produzido na aldeia de Geroskipou.

Desporto - Órgãos sociais do desporto incluem a Associação de Futebol do Chipre, a Federação de Basquetebol, a Federação de Voleibol, a Automobile Association, a Federação de Badminton, o Cricket Association e o Rugby Federation.
     Na temporada 2008-09, Anorthosis Famagusta FC foi a primeira equipa cipriota a qualificar-se para a fase da UEFA Champions League Group.
     O tenista Marcos Baghdatis ficou em oitavo no mundo, foi finalista no Open da Austrália, e chegou à semi- final de Wimbledon , todos em 2006. O saltador Kyriakos Ioannou conseguiu um salto de 2,35 m no 11 º Campeonato Mundial de Atletismo em Osaka, Japão, em 2007, ganhando a medalha de bronze. Nos desportos motorizados, Tio Ellinas é um motorista de carros de corrida de sucesso, actualmente competindo na Série GP3 para Marussia Manor Motorsport.
    A primeira medalha olímpica do país, uma medalha de prata, foi ganha pelo velejador Pavlos Kontides, nos Jogos Olímpicos de Verão de 2012 na classe Laser masculinos.


Principais recursos naturais:
Cobre, pirites, asbesto, gipsita, madeira, sal, mármore, pigmento de argila.


Datas comemorativas:
Dia da Independência - 1 de Outubro - Celebra o dia da independência, do Reino Unido, em 1960 (proclamada em 16 de Agosto do mesmo ano).



Símbolos nacionais:
Bandeira Nacional;
Brasão de Armas;
Hino Nacional -  μνος ες τν λευθερίαν" (Ymnos is tin Eleftherian) ("Hino à Liberdade").



Vários aspectos de Nicósia, capital do Chipre



Capital:                                                                        Línguas oficiais:
Nicósia                                                                        Grego, turco


Moeda oficial:                                                               Tipo de Governo:
Euro (desde 2008)                                                        República Presidencialista


Data de admissão como membro da ONU (Organização das Nações Unidas):
20 de Setembro de 1960


Data de admissão como membro da União Europeia:
1 de Maio de 2004



Organizações / Relações internacionais:
  • ONU - Organização das Nações Unidas;
  • UE - União Europeia;
  • UME - União Monetária Europeia;
  • AALCO - Associação Jurídica Consultiva Afro-Asiática;
  • AOSIS - Aliança dos Pequenos Estados Insulares;
  • APCE - Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa;
  • AG - Grupo Austrália;
  • COI - Comité Olímpico Internacional;
  • Commonwealth of Nations - Comunidade de Nações;
  • GFN - Grupo de Fornecedores Nucleares;
  • IHO - Organização Hidrográfica Internacional;
  • INTERPOL - Organização Internacional de Polícia Criminal;
  • IPU - União Inter-Parlamentar;
  • ICO - Organização Internacional do Café;
  • IRU - União Internacional de Transportes Rodoviários;
  • MIGA - Agência Multilateral de Garantia de Investimentos;
  • MNA - Movimento dos Países Não-Alinhados;
  • OIM - Organização Internacional para as Migrações;
  • ICDO - Organização Internacional de Protecção Civil;
  • OIV - Organização Internacional da Vinha e do Vinho;
  • OMC - Organização Mundial do Comércio;
  • OPCW - Organização para a Proibição de Armas Químicas;
  • OSCE - Organização para a Segurança e Cooperação na Europa;
  • PCA - Tribunal Permanente de Arbitragem;
  • UPM - União para o Mediterrâneo;
  • WCO - Organização Mundial das Alfândegas;
  • PSIWMD - Iniciativa de Segurança contra a Proliferação de Armas de Destruição Maciça;
  • IRENA - Agência Internacional para as Energias Renováveis;
  • IUCN - União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais;
  • TEDH - Tribunal Europeu dos Direitos Humanos;
  • UIHJ - União Internacional dos Oficiais de Justiça;
  • RAMSAR - Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional;
  • UNIDROIT - Instituto Internacional para a Unificação do Direito Privado;
  • WIPO - Organização Mundial da Propriedade Intelectual.


Património Mundial (UNESCO):
  • Cidade de Pafos (1980);
  • Igrejas pintadas da região de Troodos (10 igrejas), (1985, 2001);
  • Sítio Neolítico de Choirokoitia (1998).

A Rocha de Afrodite, o local do mítico nascimento da
deusa grega, na cidade de Pafos (UNESCO)



Património Oral e Imaterial da Humanidade (UNESCO):
  • Tradição das rendas de Lefkara ou Lefkaritika (2009);
  • A improvisasão poética oral do duelo poético Tsiattista (2011);
  • A dieta mediterrânica (2013) (partilhado com Croácia, Espanha, Grécia, Itália, Marrocos e Portugal).

Fonte:
Wikipedia, a enciclopédia livre