Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Croácia

Republika Hrvatska

República da Croácia


Brasão de Armas
Bandeira

















Localização:
Europa, Europa Meridional, Europa de Leste, Península Balcânica.


Origem / Pequeno resumo histórico:
Etimologia - O topónimo "Croácia" entrou na língua portuguesa por intermédio do francês croate ("croata"). Este, por sua vez, parece advir do eslavónio horvat, "montanheses". O gentílico para o país é "croata" e é registrado em português a partir de 1538.

História - O território conhecido hoje como Croácia é habitado desde a Pré-História. No Paleolítico Médio, havia Neandertais em Krapina. No início do Neolítico, as culturas Starčevo, Vinča, Sopot, Vučedol e Hvar espalhavam-se pela região. A Idade do Ferro deixou traços da cultura Hallstatt (proto-ilírios) e da cultura La Tène (proto-celtas). já no período histórico, a área foi habitada pelos ilírios e, desde o Século IV a.C., também colonizada pelos celtas e pelos gregos.
     A Ilíria era um Estado soberano até à conquista pelos romanos, em 168 a.C. Após a queda do Império Romano do Ocidente, as províncias da Panônia (Pannonia em latim) e da Dalmácia (Dalmatia) passariam às mãos dos hunos, depois dos ostrogodos e do Império Bizantino. Os antepassados da actual população eslava da Croácia instalaram-se na região no Século VII.
     Tribos eslavas, entre elas os croatas, chegaram ao que são hoje a Croácia e a Bósnia e Herzegovina no Século VII. Os croatas organizaram-se em dois ducados: o Ducado Panônio, no norte, e o Ducado Dálmata, ao sul. A evangelização dos croatas foi concluída no Século IX.
     O primeiro governante croata a ser reconhecido pelo Papa foi o Duque Branimir, a quem o Papa João VIII atribuiu o título de Duque da Croácia (dux chroatorum) em 879.
     O primeiro Rei da Croácia, Tomislau, da Dinastia Tripimirovic, foi coroado em 925. Tomislau, Rei da Croácia (rex chroatorum), uniu os ducados panônio e dálmata, estabeleceu um Estado de proporções consideráveis, o Reino da Croácia, e derrotou o tsar búlgaro Simão I numa grande batalha na fronteira dos dois reinos, na região da Bósnia. O Reino da Croácia atingiu o seu auge durante o reinado do Rei Pedro Cresimiro IV (1058-1074).
     Com a invasão otomana aos Balcãs, as terras croatas passaram a ser a fronteira entre o mundo muçulmano e o cristão (estando o Norte nas mãos dos croatas e o Sul nas mãos dos otomanos).
     Após a invasão pela Alemanha nazi em 6 de Abril de 1941, a Jugoslávia foi desmembrada e o fascista Ante Pavelić tornou-se o líder do Estado independente da Croácia. Sob sua tutela, centenas de milhares sérvios, judeus, ciganos e croatas não-alinhados ao regime foram exterminados em campos de concentração, facto que gerou o aumento do ódio histórico de sérvios (cristão ortodoxos) massacrados pelos croatas nazistas (cristão católicos). Até hoje os croatas são acusados de nazistas por grande parte das populações da ex-Jugoslávia.
     Ao final da Segunda Guerra Mundial, Josip Broz Tito não somente havia derrotado os invasores nazis e seus cúmplices, como também havia unificado todas as repúblicas jugoslavas em torno de um Estado comunista. O ódio secular entre sérvios e croatas era reprimido pelas autoridades jugoslavas.
     Com a morte de Tito, em 1980, iniciou-se um processo de fragilização da união das repúblicas jugoslavas. Tal quadro agravou-se ainda mais com a crise económica decorrente do desmoronamento dos regimes comunistas do Leste Europeu e das dificuldades de adaptação à economia de mercado.
     A Croácia, detentora da maior e mais desenvolvida economia das repúblicas da Jugoslávia, não escapou a volúpia nacionalista comum a todas as repúblicas jugoslavas. Em 25 de Junho de 1991, após plebiscitos que deram vitória esmagadora aos separatistas, os croatas anunciaram sua separação da Jugoslávia. Logo em seguida, o território croata foi invadido pelo Exército federal, então sob domínio sérvio, que interveio em favor das minorias sérvias residentes na Croácia (cerca de 10% da população).
     Diante dos violentos conflitos entre croatas e sérvios e da ocupação do território croata por milícias sérvias, as Nações Unidas intervieram militarmente para assegurar a paz. Em 1992, o país foi reconhecido como independente. Em 1995, numa operação militar com êxito, a Croácia recupera, sem nenhuma ajuda externa, praticamente todos os seus territórios ocupados pelos sérvios, no que foi a primeira derrota do até então temível e invencível exército jugoslavo. Em 1998, sob forte pressão internacional, a Jugoslávia devolve o último território croata ocupado, a Eslavônia oriental.
     O governo de Franjo Tudjman, primeiro presidente eleito, foi responsável por levar o país à sua independência, recuperar os territórios ocupados (sem ajuda estrangeira) e ajudar os bósnios e os bósnio-croatas na luta pela independência da Bósnia e Herzegovina. Sua administração encerrou com a sua morte, em 1999. Desde então, apesar de enfrentar problemas similares aos de outros países do Leste Europeu, a Croácia experimenta um vigoroso crescimento económico, um processo consistente de modernização da sua infraestrutura e uma grande transformação no sistema jurídico, permitindo, deste modo, fazer parte integrante da União Europeia.


Cultura:
     A cultura da Croácia tem raízes bem antigas: os croatas vêm habitando a região há treze séculos, mas há reminiscências de períodos ainda mais antigos bem preservadas no país.
Algumas destas reminiscências antigas são:
- Ossos de 100 mil anos de idade de um homem de Neandertal achados próximos a Krapina (localidade de Krapina-Zagorje)
- Escavações do Neolítico na localidade de Ščitarjevo, próxima à capital do país, Zagreb, e também em Sopot (próximo a Vinkovci), Vučedol (próxima a Vukovar), em Nakovanj (situada na península Pelješac) e outros lugares
- Marcas de habitação na ilha de Vis deixadas pelos gregos antigos (a rainha Teuta de Issa)
- Várias construções e ruínas do Império Romano, incluindo muitas cidades romanas na costa da Dalmácia, destacando-se o aqueduto de Salona, o palácio do imperador Diocleciano em Split, ou a Basílica de Eufrásio, em Poreč
- Igreja de São Marcos: Há brasões no telhado dessa igreja que são, respectivamente, da Croácia (à esquerda) e o de Zagreb (a direita) e foram feitos no século XIX. O brasão da Croácia é composto por três partes que simbolizam as três províncias históricas: Croácia (topo esquerda), Dalmácia (topo direita) e Slavónia (área inferior). A colorida Igreja de São Marcos é um dos edifícios mais antigos de Zagreb e um dos seus símbolos. É mencionada pela primeira vez na lista das igrejas paroquiais no Estatuto do Kaptol de 1334. Foi construída no Século XIII, inicialmente no estilo românico, da qual, apenas uma janela na parede sul e a fundação torre sineira se encontram preservadas. Os arcos góticos e o santuário foram construídos na segunda metade do Século XIV, altura em que a igreja adquiriu a sua parte mais valiosa, o luxuoso portal gótico do lado sul. Em termos das figuras que ele contém, é dos portais góticos mais bonitos da Croácia.


Principais recursos naturais:
Petróleo, carvão, bauxite, gipsita.


Datas comemorativas:
Dia Nacional da Croácia - 25 de Junho - Celebra o Dia Statehood, dia em que o Parlamento da Croácia declarou a independência, da Jugoslávia, em 1991;


Dia da Independência - 8 de Outubro - Celebra o dia em que os laços com a Jugoslávia foram formalmente rompidos, através do Acordo de Brijuni, em 1991.



Símbolos nacionais:
Bandeira Nacional;
Brasão de Armas;
Hino Nacional - "Lijepa naša domovino" (em português: "A nossa bela Pátria")
Insígnia da Força Aérea da Croácia (FAC).


Insígnia da Força Aérea da Croácia
Insígnia de baixa visibilidade da FAC


















Capital:                                                                                   Língua oficial:
Zagreb                                                                                    Croata


Imagens de Zagreb, capital da Croácia



Moeda oficial:                                                                         Tipo de Governo:
Kuna croata                                                                            República parlamentarista



Data de admissão como membro da ONU (Organização das Nações Unidas):
22 de Maio de 1992


Data de entrada como membro da UE (União Europeia):
1 de Julho de 2013


Organizações / Relações internacionais:
  • ONU - Organização das Nações Unidas;
  • UE - União Europeia;
  • NATO / OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte;
  • OSCE - Organização para a Segurança e Cooperação na Europa;
  • APCE - Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa;
  • BERD - Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento;
  • AG - Grupo Austrália;
  • COI - Comité Olímpico Internacional;
  • GFN - Grupo de Fornecedores Nucleares;
  • ICO - Organização Internacional do Café;
  • IHO - Organização Hidrográfica Internacional;
  • INTERPOL - Organização Internacional de Polícia Criminal;
  • IPU - União Inter-Parlamentar;
  • IRU - União Internacional de Transportes Rodoviários;
  • IUCN - União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais;
  • MIGA - Agência Multilateral de Garantia de Investimentos;
  • MNA - Movimento dos Países Não-Alinhados (observador);
  • OCEMN - Organização de Cooperação Económica do Mar Negro (observador);
  • OIM - Organização Internacional para as Migrações;
  • OIV - Organização Internacional da Vinha e do Vinho;
  • OMC - Organização Mundial do Comércio;
  • OPCW - Organização para a Proibição de Armas Químicas;
  • PCA - Tribunal Permanente de Arbitragem;
  • PSIWMD - Iniciativa de Segurança contra a Proliferação de Armas de Destruição Maciça;
  • TEDH - Tribunal Europeu dos Direitos Humanos;
  • TPI - Tribunal Penal Internacional;
  • UIC - União Internacional dos Caminhos-de-Ferro;
  • WCO - Organização Mundial das Alfândegas;
  • RAMSAR - Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional;
  • UNIDROIT - Instituto Internacional para a Unificação do Direito Privado;
  • WIPO - Organização Mundial da Propriedade Intelectual.


Património Mundial (UNESCO):
  • Núcleo Histórico de Split, com o Palácio Diocleciano (1979);
  • Parque Nacional Plitvice (1979, 2000);
  • Cidade Antiga de Dubrovnik (1979, 1994);
  • Conjunto Episcopal da Basílica Eufrasiana, no Centro Histórico de Porec (1997);
  • Cidade Histórica de Trogir (1997);
  • Catedral de São Tiago de Šibenik (2000);
  • Planície de Stari Grad (2008).

Pormenor do Palácio Diocleciano (UNESCO)
Cidade Antiga de Dubrovnik (UNESCO)















Catedral de São Tiago de Šibenik  (UNESCO)


Património Oral e Imaterial da Humanidade (UNESCO):
  • A música e o canto a duas vozes da Escala de Ístria (2009) - Na península de Ístria, na Croácia ocidental, diversas variedades de canto e música a duas vozes na escala de Ístria são preservados pelas comunidades croata, istro-romenos e italianos. O estilo é caracterizado por cantar vigoroso, em parte nasal;
  • O fabrico de rendas na Croácia (2009) - Actualmente, a Croácia possui três técnicas diferentes, pelo menos, de executar rendas. Este tipo de artesanato está concentrado nas cidades de Pag, na costa do Adriático, em Lepoglava, no norte do país, e em Hvar, na ilha dálmata com mesmo nome;
  • O fabrico tradicional de brinquedos de madeira em Hrvatsko Zagorje (2009) - Os habitantes das cidades espalhadas ao longo da rota de peregrinação ao santuário de Nossa Senhora das Neves, em Marija Bistrica, na região de Hrvatsko Zagorje, no norte da Croácia, desenvolveram uma técnica de fabrico tradicional de brinquedos de madeira para crianças, que se tem transmitido de geração em geração;
  • A Festa de São Brás, patrono de Dubrovnik (2009);
  • Marcha dos tocadores de sinos da região de Kastav, durante o Carnaval anual (2009) - Formado por grupos de tocadores de sinos durante o Carnaval de Janeiro, espalhado pelas aldeias da região, localizadas a noroeste de Kastav, na Croácia. Vestidos com peles de carneiro e chapéus decorados com característicos galhos verdes, os grupos marcham e exprimem uma coreografia própria, a fim de fazerem tocar os sinos pendurados à volta da cintura. Os grupos são compostos por tocadores de dois a trinta anos, seguindo os passos de um guia, portador de uma árvore perene. Animam a marcha, movendo ritmicamente a cintura uns contra os outros e saltando no ar;
  • A procissão da primavera das Ljelje / Kraljice (rainhas) de Gorjani (2009) - A Procissão das Rainhas é executada todos os anos na Primavera. Nela participam todas as jovens da povoação de Gorjani, situada na região da Eslavonia, no nordeste da Croácia;
  • Procissão Za Krizen (Via Dolorosa), na ilha de Hvar (2009);
  • A canção Ojkanje (2010) - Ojkanje, cantada em duas vozes, cuja prática é comum nas regiões do interior da região da Dalmácia da República da Croácia, é interpretada por dois ou mais cantores (masculino ou feminino) com uma vibração peculiar da voz, produzida pela garganta. A canção dura tanto tempo quanto o vocalista pode aguentar sem respirar;
  • A preparação de pão de gengibre, no norte da Croácia (2010) - A tradição de fazer o pão de especiarias surgiu em alguns mosteiros europeus na época medieval e se espalhou para a Croácia, onde se tornou um ofício. Os artesãos que produzem este pão instalaram-se no norte do país, onde também estão envolvidos no fabrico de velas e mel.
  • O torneio de cavalaria Sinjska Alka Sinj (2010) - O Sinjska Alka é um torneio de cavalaria realizada todos os anos, desde o Século XVIII, na cidade de Sinj, localizada na região de Krajina Cetinska;
  • O Nijemo Kolo, a dança silenciosa do interior da Dalmácia (2011) - O Nijemo Kolo é uma dança executada pelas comunidades do interior da Dalmácia, no sul da Croácia. É dançada em círculo, em que os homens levam as mulheres para executar uma série de passos espontâneos  e enérgicos;
  • A prática de canto e música Bećarac, no leste Croácia (2011) - A música Bećarac é uma forma de arte popular no leste da Croácia, profundamente enraizada nas culturas de Eslavônia, Baranja e Sírmia;
  • Klapa, o canto a várias vozes da Dalmácia, Croácia meridional (2012) - Klapa é uma música vocal tradicional de várias vozes, praticada na região da Dalmácia (sul da Croácia). Caracteriza-se, principalmente, por ser homo-fónica, interpretada à capela, e consiste em canções simples, transmitidos pela tradição oral;
  • Dieta mediterrânica (2013) - Partilhado com Chipre, Espanha, Grécia, Itália, Marrocos e Portugal.

Fonte:
Wikipedia, a enciclopédia livre

Sem comentários :

Enviar um comentário