Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Cuba

Cuba
República de Cuba



Brasão de Armas


Bandeira




















Localização:
América, América Central, América Latina, Caraíbas


Origem / Pequeno resumo histórico:
Etimologia - Não existe consenso quanto à origem do nome cuba. Entre as diferentes versões, há duas que se destacam; A primeira diz que a palavra deriva dos termos taínos cubao, que significa “onde a terra fértil abunda”, ou coabana, que se traduziria como “lugar amplo”. Outra versão diz que deriva da contracção de duas palavras aruaques: coa (lugar, terra, terreno) e bana (grande). Circula ainda a teoria de que Cristóvão Colombo possa ter nascido em Cuba, uma vila portuguesa no Alentejo, e esta ser a origem do nome da ilha.

História - Cuba, a maior ilha das Caraíbas, era povoada por indígenas, os quais chamavam a ilha de Bohío, quando foi visitada por Cristóvão Colombo na sua primeira viagem, em 24 de Outubro de 1492. Colombo pensava que aquela terra era parte do continente asiático e pertencente aos domínios do Grande Khan (o rei da Ásia, descendente de Genghis Khan). Colombo deu àquele território o nome de La Juana, em homenagem à filha dos Reis Católicos. Apenas em 1509, Sebastião de Ocampo provou que Cuba era uma ilha, quando começou a sua colonização.
     A cidade de Havana foi fundada por Diego Velázquez de Cuéllar, primeiro governador da colónia, em 1514.
     Durante quatro séculos, Cuba foi uma colónia explorada por Espanha. A exploração de metais preciosos ficou esgotada em meados do Século XVI. A partir do Século XVIII, a produção de açúcar tornou-se a base da sua economia, nos moldes de uma monocultura extensiva, baseada na mão-de-obra do escravo africano. No Século XIX, os Estados Unidos já era o maior importador de açúcar cubano.

     Em 1762 Havana foi ocupada brevemente pelo Reino da Grã-Bretanha, regressando à posse de Espanha depois de uma troca pelo território da Flórida, um dos actuais Estados dos Estados Unidos.
     Uma série de rebeliões, durante o Século XIX, não lograram colocar um fim ao domínio espanhol. No entanto, as tensões entre a Espanha e os Estados Unidos provocaram a Guerra Hispano-Americana que, no final, resultou na retirada dos espanhóis e na ocupação da ilha pelos Estados Unidos, entre 1898 e 1902, quando Cuba conquistou, formalmente, a sua independência.
     Durante as primeiras décadas do Século XX, os interesses norte-americanos predominaram em Cuba, e os Estados Unidos exerceram grande influência sobre a ilha. Esta influência terminou em 1959, quando o ditador Fulgencio Batista foi deposto pelos revolucionários liderados por Fidel Castro.
     Foi então promulgada a nova constituição, a chamada Lei Fundamental, em 7 de Fevereiro de 1959, na qual ainda não estava expressa a opção pelo Socialismo. A rápida deterioração das relações com os Estados Unidos levou à aliança da ilha com a União Soviética e à transformação de Cuba numa república socialista. No entanto, formalmente, a definição de Cuba como um "Estado socialista de trabalhadores" só aparecerá na Constituição de 1976.

Che Guevara e Fidel Castro fotografados
por Alberto Korda em 1961.
     O guerrilheiro Che Guevara ajudou Fidel Castro na formação de um movimento revolucionário chamado Movimento 26 de Julho, composto de jovens estudantes que iniciaram uma luta contra Batista, que durou 25 meses.
     Em 7 de Novembro de 1958, Che Guevara ou El Ché, como também era mais conhecido, começou a sua marcha para Havana. No dia 1 de Janeiro de 1959 Batista põe-se em fuga, acompanhado por todos os dignitários da sua ditadura.
     Fidel Castro não era comunista, aliás, os comunistas apoiavam Batista e não confiavam em Fidel. Fidel Castro mobiliza a juventude cubana e consegue eliminar o analfabetismo - que era de 40 % - em apenas um ano, utilizando cerca de cem mil jovens nessa empreitada. Fidel Castro realizou a reforma agrária, desapropriando propriedades dos americanos, indemnizados pelo valor que declararam no Imposto de Renda do exercício anterior, muito abaixo do valor real, provocando descontentamento entre os proprietários mais ricos, o que levou os Estados Unidos a considerarem o líder cubano um inimigo, tentando derrubá-lo através do treino de ex-militares de Batista, a fim de invadir Cuba.
     Cortaram também a compra do Açúcar Cubano. Isso obrigou Fidel a aproximar-se da União Soviética e, dois anos mais tarde, a instaurar um regime de orientação marxista e de partido único.
     Fidel Castro ocupou o poder desde 1959, inicialmente como primeiro-ministro e, depois de 1976, como presidente, cargo que exerceu até 2006, quando delegou seus poderes ao seu irmão mais novo, Raul Castro. Fidel Castro retirou-se oficialmente da vida política do seu país em 19 de Abril de 2011.


Cultura:
     A cultura de Cuba é marcada pela influência vinda de África. Existem outras fortes ligações com a cultura europeia e com a dos indígenas, além de um pouco vindo da América do Norte.
     Apesar do extermínio dos ameríndios pelos espanhóis, alguns de seus elementos culturais resistiram, estando presentes até hoje na cultura de Cuba. Técnicas avançadas de cultivo de tabaco e fabricação de charutos, assim como o gosto apurado por eles são uma grande herança dos ameríndios de Cuba. Em todo o país é possível notar casas e algumas construções, bem como cidadãos que ainda mantém a tradição dos seus antepassados.
     Da Espanha, a cultura de Cuba herdou a língua espanhola e a religião católica, enquanto a santeria, religião baseada no culto aos orixás, foi uma herança dos africanos. E foi através da mistura dessas duas principais culturas que surgiu a tradicional música cubana, onde as letras e melodias espanholas fizeram a junção perfeita com os ritmos e estilo musical peculiar dos africanos, gerando os famosos estilos musicais danças da cultura de Cuba: rumba, mambo, salsa, son e punto.
     A vida cultural cubana foi profundamente transformada, pois o governo considerou esse aspecto um dos mais importantes da revolução. No passado, quase todas as manifestações artísticas estavam limitadas ao que as elites realizassem em Havana. A partir da revolução, o governo empenhou-se em difundir a cultura nas províncias, assim como em dotá-la de uma personalidade nacionalista, usando-a muitas vezes como veículo de propaganda da revolução, tanto no país como no exterior.

Literatura - O primeiro autor cubano foi Silvestre de Balboa, que escreveu “Espejo de Paciência” no início do Século XVII. Em 1764 surgiu o primeiro jornal, “Gaceta de la Habana”, que exerceu grande influência sobre a colónia e contribuiu para forjar o carácter nacionalista da população. O romantismo teve como precursor no país José María Heredia, poeta comprometido com o movimento revolucionário da década de 1820. Domingo del Monte, de origem venezuelana, além de poeta romântico, realizou intensos estudos sobre o folclore e as tradições da ilha.
     O modernismo teve o seu início com José Martí e Julián del Casal, desenvolvendo-se com Dulce María Borrero, Juan Guerra Núñez e Alfonso Hernández-Catá. José Martí firmou-se como figura maior da nacionalidade, tanto pela sua participação política na independência, como pela sua obra em poesia e prosa.
     No Século XX, o romancista Luis Felipe Rodríguez destacou-se pelo estilo dos seus pequenos artigos e pela complexa trama psicológica de seus romances. Autores de grande projecção internacional foram os poetas Nicolás Guillén, José Lezama Lima e Alejo Carpentier, que em 1977 recebeu o Prémio Miguel de Cervantes.
     Depois da revolução, toda publicação literária ficou centralizada no Instituto do Livro, organização que chegou a editar dezenas de milhões de volumes por ano. Cerca de setenta por cento desses livros são obras de consulta ou de carácter técnico e científico, muitas delas distribuídas com fins educativos.
     A imprensa está nas mãos do governo, sendo as suas principais publicações o “Granma” (nome do barco de que desembarcou Fidel Castro para chefiar a revolução), jornal oficial do Partido Comunista de Cuba, e “Juventud Rebelde”, órgão oficial da União de Jovens Comunistas.
     Nas últimas décadas, novas gerações de escritores, em geral jovens, que criaram uma literatura de qualidade e politicamente comprometida. No outro lado, também foi produzida uma literatura cubana no exílio, como a de Guillermo Cabrera Infante, e inclusive nas prisões, como é o caso do poeta Armando Valladares.

Arquitectura - O primeiro estilo da época colonial foi o hispano-mudéjar, do Século XVII, cujos expoentes máximos são os palácios da praça das Armas, a Casa do Governo e a Intendência, assim como as ruínas do convento de São Francisco de Paula, todos em Havana.
     A Catedral de Havana corresponde ao barroco do Século XVIII. No Século XIX desenvolveu-se o neoclassicismo, impulsionado pelo Bispo Juan José Díaz Espada y Landa, que tomou a polémica decisão de substituir os altares da catedral, de estilo barroco. Muitas fábricas de fumo, grandes armazéns de açúcar, assim como teatros e outros edifícios públicos, foram construídos segundo os cânones do neoclassicismo.
     As grandes construções da última época colonial e início da republicana são sumptuosos palácios e edifícios bancários cujo estilo arquitectónico foi influenciado pelos movimentos europeus e, sobretudo, pelos americanos.


Principais recursos naturais:
Níquel, crómio, magnetita, manganés e cobre.


Datas comemorativas:
Triunfo da Revolução Cubana - 1 de Janeiro - Celebra a data da fuga do antigo ditador, Fulgêncio Baptista (na noite de 31 de Dezembro de 1958 para 1 de Janeiro de 1959), marcando a vitória da Revolução, liderada por Fidel Castro;



Dia da Independência - 10 de Outubro - Foi neste dia, em 1868, que Carlos Manuel de Céspedes, "Pai da Pátria", libertou os seus escravos e iniciou a guerra de independência contra o poder colonial espanhol.



Símbolos nacionais:
Bandeira Nacional;
Brasão de Armas;
Hino Nacional - "La Bayamesa";
Insígnia da Força Aérea Cubana.


Insígnia da Força Aérea Cubana


Lema:
Patria o Muerte” - ("Pátria ou Morte")


Vista parcial de Havana, capital da República de Cuba



Capital:                                                                                   Língua oficial:
Havana                                                                                   Espanhol


Moeda oficial:                                                                         Tipo de Governo:
Peso                                                                                       Estado comunista


Imagens de Havana


Data de admissão como membro da ONU (Organização das Nações Unidas):
24 de Outubro de 1945


Organizações / Relações internacionais:
  • ONU - Organização das Nações Unidas;
  • AEC - Associação dos Estados das Caraíbas;
  • ALADI - Associação Latino-Americana de Desenvolvimento e Intercâmbio;
  • ALBA - Aliança Boliviana para as Américas;
  • AOSIS - Aliança dos Pequenos Estados Insulares;
  • CELAC - Comunidade dos Estados Latino-Americanos e das Caraíbas;
  • CI-A - Conferência Ibero-Americana;
  • ICDO - Organização Internacional de Protecção Civil;
  • CLAD- Centro Latino-Americano de Administração para o Desenvolvimento;
  • COI - Comité Olímpico Internacional;
  • CRNM - Mecanismo Regional de Negociações das Caraíbas;
  • FPIA - Fórum Parlamentar Ibero Americano;
  • G-20 (países em desenvolvimento);
  • Grupo dos 77 - Nações em desenvolvimento;
  • ICO - Organização Internacional do Café;
  • IHO - Organização Hidrográfica Internacional;
  • INTERPOL - Organização Internacional de Polícia Criminal;
  • IPU - União Inter-Parlamentar;
  • IUCN - União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais;
  • MNA - Movimento dos Países Não-Alinhados;
  • OEA - Organização dos Estados Americanos;
  • OIM - Organização Internacional para as Migrações (observador);
  • OLADE - Organização Latino-Americana de Energia;
  • OMC - Organização Mundial do Comércio;
  • OPCW - Organização para a Proibição de Armas Químicas;
  • PCA - Tribunal Permanente de Arbitragem;
  • UL - União Latina;
  • WCO - Organização Mundial das Alfândegas;
  • GR - Grupo do Rio;
  • OEI - Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura;
  • PETROCARIBE - União do Petróleo do Caribe;
  • RAMSAR - Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional;
  • UNIDROIT - Instituto Internacional para a Unificação do Direito Privado;
  • WIPO - Organização Mundial da Propriedade Intelectual.


Património Mundial (UNESCO):
  • Cidade Antiga de Havana e sua Fortificações (1982);
  • Trinidad e Vale de los Ingenios (1988);
  • Castelo de San Pedro de la Roca, Santiago de Cuba (1997);
  • Parque Nacional Desembarco del Granma (1999);
  • Vale de Viñales (1999);
  • Paisagem Arqueológica das Primeiras Plantações de Café do Sudeste de Cuba (2000);
  • Parque Nacional Alejandro de Humboldt (2001);
  • Centro Histórico Urbano de Cienfuegos (2005);
  • Centro Histórico de Camagüey (2008).

Castelo de San Pedro de la Roca, Santiago de Cuba (UNESCO)


Palácio de Valle, Centro Histórico Urbano de Cienfuegos (UNESCO)


Património Oral e Imaterial da Humanidade (UNESCO):
  • A Tumba Francesa (2008) - O estilo de dança, canto e percussão conhecido como Tumba Francesa chegou a Cuba através dos escravos haitianos que chegaram à parte oriental do país após os distúrbios no Haiti em 1790. A primeira evidência escrita desta tradição data do início do Século XIX. Esta dança incorpora uma das tradições mais antigas e mais visíveis com o património afro-haitiano da província cubana de Oriente. É o resultado da fusão, no Século XVIII, da música do Daomé (África Ocidental), com as danças tradicionais francesas. A tumba francesa tem um cantor líder (composé), e acompanhamento musical por catá e tambores tumba e coros femininos. As danças tradicionais masón e yubá, associadas à tumba francesa, são lideradas pelo Mayor de Plaza.

Fonte:
Wikipedia, a enciclopédia livre

Sem comentários :

Enviar um comentário