Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sud-Aviation SA-330 Puma (primeira parte)

Imagem 1

SUD-AVIATION SA-330C PUMA
SUD-AVIATION SA-330H PUMA
AEROSPATIALE SA-330S-1 PUMA

Quantidade: 13
Utilizador: Força Aérea
Entrada ao serviço: 2 de Agosto de 1969
                 Data de abate: 3 de Fevereiro de 2006 (Continente);
                                                                        30 de Novembro de 2006 (Arquipélago dos Açores).
Reentrada ao serviço: 24 de Setembro de 2008 (Arquipélago dos Açores)
                                Saída de serviço:  14 de Abril de 2011 (Arquipélago dos Açores)



Dados técnicos:
a.       Tipo de Aeronave
Helicóptero bi-turbina terrestre, de trem de aterragem triciclo de rodas duplas, retráctil, podendo usar flutuadores insufláveis, revestimento metálico, concebido para missões de transporte táctico.
Tripulação: 3 (2 pilotos e mecânico); 4 (versão SAR:  2 pilotos, 1 mecânico / operador de guincho, 1 recuperador-salvador).
b.       Construtor
Sud-Aviation / Aerospatiale / França.
Sob licença:          Westland Helicopters / Grã-Bretanha;
                              Empresa de Construções Aeronáuticas (ICA) / Roménia;
                              Nurtanio (IPTN) / Indonésia.
c.       Motopropulsor
Motores: 2 motores Turbina Turboméca Makila A1A, de 1.990 hp.
Rotor principal: De quatro pás.
Rotor de cauda: De cinco pás.
d.       Dimensões
Diâmetro do rotor principal..........15,00 m
Comprimento…..........................18,15 m
Altura (inclui rotor de cauda)……...5,14 m
Área do círculo rotórico.............177,00 m²
e.       Pesos
Peso vazio……………....3.615 Kg
               Carga útil...........................1.560 Kg
Peso máximo...................7.400 Kg
f.        Performances
Velocidade máxima ……...273 Km/h
Velocidade de cruzeiro......258 Km/h
Tecto de serviço ………..6.000 m
Altitude máxima para descolagem…..4.800 m
Raio de acção....................580 Km
Alcance máximo …….........980 Km (com depósitos suplementares de combustível)
Autonomia……………....……..5 horas
g.       Armamento
Sem armamento.
h.       Combustível
2.250 litros.
i.        Capacidade de transporte
16 passageiros em bancos;
            ou 8 passageiros em configuração VIP; 
ou 20 militares equipados; 
            ou 6 macas e 4 passageiros; 
            ou 2.300 Kg de carga interior; 
            ou 2.500 Kg de carga suspensa.



Imagem 2
Resumo histórico:
     O projecto do helicóptero Sud-Aviation SA-330 Puma iniciou-se no início da década de 1960, quando o Exército Francês requisitou o estudo de um helicóptero para missões tácticas, capaz de operar de dia e de noite e em quaisquer condições meteorológicas e climáticas.
     Inicialmente projectado para usar um motor de turbina de 1.900 hp, acabou por utilizar duas turbinas. Em 1963, a Sud-Aviation (Aérospatiale a partir de 1970) recebeu um contrato para a construção de oito protótipos. O primeiro voou, pela primeira vez, em 13 de Abril de 1965. A falta de radar e a pouca potência dos motores obstaram a que preenchesse cabalmente todos os requisitos, o que foi remediado nos protótipos seguintes.
     O último protótipo voou em 30 de Julho de 1968 e satisfez todos os requisitos. A produção em série iniciou-se em Setembro de 1969.
     Ainda em 1967, a Real Força Aérea Britânica (RAF) seleccionou os Sud-Aviation SA-330 Puma para o seu Programa de Transporte Aéreo Táctico. Com base num acordo franco-britânico estabelecido em Abril de 1968, a fábrica britânica Westland Aircraft (mais tarde Westland Helicopters) passou a participar na produção e montagem de helicópteros Gazelle e Puma, o mesmo sucedendo aos franceses em relação aos helicópteros britânicos Westland LynxA Westland Helicopters ficou a produzir 23% dos componentes dos SA-330 Puma.
     O fabrico dos motores também foi repartido entre a Turbómeca e a Rolls-Royce. Os motores de turbina inicialmente utilizados, os Turbómeca Turmo IIIC, desenvolviam, cada um, 1.320 hp. Montados lado-a-lado, por cima da cabina, as duas turbinas permitiam que a versão inicial dos SA-330 Puma descolasse com o peso máximo de 6.400 Kg e que atingisse a velocidade máxima de 280 Km/h.
     Foi este o padrão das primeiras variantes, os SA-330B para o Exército de França, os SA-330C em versão militar para exportação, os SA-330E para a RAF e os SA-330F para operação civil.
     Entretanto, a Aerospatiale foi recolhendo e analisando os dados obtidos pela actuação dos Puma em combate, especialmente os que operaram sob a bandeira portuguesa em Angola e Moçambique, a partir de 1969 / 1970.
     Assim, em 1974 apresentou as variantes civil SA-330G e militar SA-330H, com turbinas Turmo IVC mais potentes, de 1.575 hp, o que permitiu aumentar uma tonelada ao peso máximo para descolagem, que passou para 7.400 Kg, assim como a velocidade máxima aumentou para 294 Km/h.
     Estas novas variantes tornaram-se mais interessantes para os compradores, fazendo crescer espectacularmente as encomendas.
     Explorando este sucesso, e num esforço para aumentar a lista de compradores, a Aerospatiale começou em 1974 a estudar a modernização do SA-330. Na sequência, o protótipo do Aerospatiale SA-332 Super Puma efectuou o primeiro voo em 13 de Setembro de 1978.

     Semelhantes aos Puma originais, os Aerospatiale SA-332 Super Puma utilizavam dois motores de turbina Makila IA, que desenvolviam 1.780 hp cada, e que, para além de mais potentes, eram 18% mais económicos que os anteriores. As pás do rotor principal passaram a ser construídas com longarinas de fibra de vidro, com recheio de moltoprene e revestimento entelado, com o bordo de ataque em titânio, o que, no caso de serem atingidas por projécteis de calibre 12,7 mm, permitia-lhes trabalhar em segurança durante 40 horas.
     Os helicópteros das versões SA-332B (militar) e SA-332C (civil) começaram a ser entregues em 1981, e os das versões SA-332L e SA-332M, alongados em 79 cm, no ano seguinte.
     Ainda que com fraca capacidade para transporte de armas, os Puma podem ser usados com “helicanhão”, como apoio próximo, com dois ninhos de foguetes ou quatro metralhadoras fixas, na luta anti-navio a média distância, com dois mísseis Exocet, ou para curtas distâncias, com seis mísseis AS 15TT.
     Sendo por excelência um helicóptero de transporte táctico, a sua versatilidade permite que seja equipado e utilizado com êxito em variadas missões, tais como busca e salvamento, evacuação sanitária, luta anti-submarino, guerra electrónica e posto de controlo aéreo avançado, entre outras.

Imagem 3: Aerospatiale Puma HC-1 da Royal Air Force (RAF) com a pintura "tigre",
participante no "Royal International Air Tattoo" de 2005, em Fairford, Grã-Bretanha.


     A produção do Puma atingiu um total de 697 unidades até 1987, altura em que a produção francesa terminou. Neste valor estão incluídos os 5 dos 11 aparelhos construídos na IPTN / Nurtanio, na Indonésia, assim como os 48 aparelhos construídos pela Westland no Reino Unido. A produção continuou na Roménia, onde se estima que tenham sido construídos 165 aparelhos.

     Os Puma e os Super Puma foram distribuídos por todo o mundo, na sua maioria em utilizações militares. A lista de operadores é longa: Abu Dhabi, África do Sul, Argélia, Argentina, Bélgica, Brasil, Camarões, Chade, Chile, China, Costa do Marfim, Equador, Espanha, França, Gabão, Grã-Bretanha, Guiné, Indonésia, Iraque, Kwait, Líbano, Malawi, Marrocos, México, Nepal, Nigéria, Omã, Paquistão, Portugal, Qatar, Quénia, República Democrática do Congo, Roménia, Senegal, Singapura, Togo e, provavelmente, mais alguns.
     Estiveram presentes nos conflitos armados de Angola, Moçambique, Namíbia, Malvinas, Gâmbia, Senegal, Chade e Saara Ocidental.
     Para além da França e da Grã-Bretanha, foram (ou são) também construídos na Indonésia e na Roménia.
Os SA-330 Puma são conhecidos como Sud-Aviation, mas foram desenvolvidos pela Aerospatiale a partir dos anos de 1970.

     Actualmente são desenvolvidos pela Airbus Helicopters, pertencente ao Grupo Airbus, o principal fabricante de helicópteros civis do mundo.  A Airbus Helicopters foi fundada em 1992 com o nome de Eurocopter, a partir da fusão das divisões de helicópteros da empresa francesa Aérospatiale Matra e da alemã Daimler Chrysler Aerospace AG (DASA).
     Em Janeiro de 2014, a Airbus passou por uma reestruturação organizacional. O Grupo EADS (que controlava a Airbus, a Airbus Military e a Eurocopter) foi extinto e a Eurocopter passou a designar-se Airbus Helicopters.
     Alguns operadores têm modernizado os seus SA-330 Puma das versões iniciais, modificando-os para versões mais actualizadas, aplicando kits fornecidos pelo fabricante.

(continua)


Fontes: (primeira parte)

Sem comentários :

Enviar um comentário