Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sud-Aviation SA-330 Puma (terceira parte)

Ver  Sud-Aviation SA-330 Puma (primeira parte)



(continuação)


Imagem 14


Percurso em Portugal (continuação):

       Outro papel com algum relevo com o qual a frota SA-330 Puma esteve identificada foi com o transporte de altas individualidades, desde logo as entidades nacionais, Presidentes da República e membros do Governo, mas também algumas estrangeiras, uma delas em particular, S.S. o Papa João Paulo II, o qual transportou nas diferentes visitas que este efectuou a Portugal, a Fátima e a diversas outras localidades do país.
     Em anos mais recentes, a Esquadra 751 foi a precursora da criação da missão CSAR (“Combat Search and Rescue” – Busca e Salvamento de Combate), para a qual se manteve qualificada. Esta missão embora prevista na tipologia de missões e especificidade de capacidades de alguns dos EH-101 recebidos, tem vindo a ser adiada, fruto das dificuldades existentes na operacionalidade dos meios, aliás à semelhança do que sucede com as missões relacionadas com o SIFICAP (Sistema Integrado de Fiscalização e Controle de Actividades de Pesca), entre outras.

Imagem 15

     O  SA-330H Puma foi retirado oficialmente do serviço, no território continental de Portugal a 3 de Fevereiro de 2006, no mesmo dia em que as primeiras unidades do seu sucessor (Agusta -Westland EH-101 Merlin) entraram ao serviço em missões de Busca e Salvamento, ao serviço da Esquadra 751 da BA6.
     Até final de Novembro de 2006 alguns dos Puma continuaram ao serviço na BA4,  Lajes, altura a partir da qual os EH-101 Merlin os substituíram em missões operacionais.
     É, portanto, o ano de 2006 aquele em que se conclui o processo de “phase-out” da frota SA-330 Puma, que termina a 30 de Novembro, com a cerimónia de “passagem de testemunho” e fim de operação da frota SA-330 Puma, na BA4, nas Lajes.
     Durante 30 anos de operação nos Açores, até 30 de Novembro de 2006, os Puma não registaram qualquer acidente ou perdas de vida, registando-se 369 pessoas resgatadas e, entre 1993 e 2006, 18 nascimentos a bordo.

     Operação Fénix, o renascer das cinzas: - Dois anos após a retirada de serviço da frota SA-330 Puma, alguns destes aparelhos voltaram ao serviço efectivo, em resultado da baixa operacionalidade da frota EH-101 Merlin, motivada pela falta de sobressalentes e pela ausência de contrato de manutenção.
     Sendo assim, durante seis meses, entre Março e Agosto de 2008, foram recuperados quatro helicópteros SA-330 Puma que já estavam retirados de serviço e armazenados na Base Aérea Nº 11 (BA11), Beja. Os helicópteros seleccionados foram os números 19503, 19504, 19505 e 19509. Um quinto helicóptero (nº 19502), armazenado na BA4 desde o “phase-out”, foi incluído no conjunto, mas a sua recuperação só teve início por volta de Março de 2009, destinando-se a  substituir o aparelho com menos tempo de vida útil (nº 19505), o que ainda aconteceu até ao final de 2009.

Imagem 16: Emblema akusivo
à Operação Fénix
     As quatro aeronaves voaram em conjunto para as Lajes, num voo com algumas escalas, entre 10 e 11 de Setembro de 2008. Numa primeira escala entre Beja e Porto Santo, passando pela Ponta de Sagres e, no dia seguinte, entre Porto Santo e as Lajes, passando por Santa Maria, de onde foram escoltadas por um EH-101 Merlin.
     Alguns dias depois do seu regresso, a Esquadra 752 é reactivada, a 24 de Setembro de 2008, altura em que se concluiu a Operação Fénix e em que o SA-330 Puma entra oficialmente ao serviço. Com este renascer das cinzas, justamente designado por Operação Fénix, a FAP pretendeu solucionar a necessidade operacional de um meio aéreo para as missões de Busca e Salvamento e também para reforçar a capacidade da frota EH-101 Merlin, operada pelo Destacamento Aéreo dos Açores, na BA4 pela Esquadra 751.
     A reactivação da Esquadra 752 e a reintrodução do SA-330 Puma, desde Setembro até Dezembro de 2008, registou 21 missões, totalizando 56 horas de voo e 23 doentes evacuados. De salientar que, para esta reactivação, houve a respectiva requalificação de tripulantes.

     No dia 5 de Abril de 2011 às 10 horas da manhã, terminou o último Alerta SAR de um Puma, com a rendição a cargo do EH-101 Merlin da Esquadra 751, do Destacamento Aéreo dos Açores, na Base Aérea Nº 4, nas Lajes.
     No dia 14 de Abril de 2011, naquela que foi a derradeira missão da Esquadra 752, e também da frota SA-330 Puma ao serviço da Força Aérea Portuguesa, concluiu-se a viagem de regresso dos últimos três aparelhos, da BA4 para a Base Aérea Nº 11 (BA11), Beja, efectuada por etapas.
     Os três últimos Pumas a efectuar esta viagem foram os números 19502 (o SA-330 Puma de produção mais antiga ainda a voar no Mundo!) tripulado pelos Capitão Pedro Pinho (Comandante), Tenente Miguel Gaspar (Co-piloto), Sargento-Ajudante Paulo Figueiras (Mecânico de Voo) e Sargento-Ajudante Fernando Ramos (Recuperador-Salvador); 19503, tripulado pelos Tenente João Martinho (Comandante), Tenente Acácio Ferreira (Co-piloto), Sargento-Ajudante Pedro Carmo (Mecânico de Voo) e Sargento-Ajudante Silva (Operador de Guincho); e 19504, tripulado pelos Tenente André Araújo (Comandante), Tenente Rodolfo Gouveia (Co-piloto), Primeiro-Sargento Ângelo Diez (Mecânico de Voo) e Sargento-Ajudante Nuno Castanheira (Operador de Guincho).
     Durante as etapas da missão foram apoiados de perto por dois C-295M da Esquadra 502, um a partir do Porto Santo e outro desde o Montijo.
     De destacar, neste regresso ao Continente, a homenagem prestada pela Câmara Municipal de Vila do Porto, em Santa Maria, em reconhecimento do trabalho feito em prol da população dos Açores. O último voo no céu dos Açores foi realizado a partir do Aeroporto de Santa Maria onde as aeronaves realizaram uma escala técnica antes do voo de ligação para a Base Aérea de Beja. Note-se que este foi também o ponto de chegada destas aeronaves aquando do seu envio para o Arquipélago, naquela que recebeu então o nome de “Operação Atlântida”.

Pinturas comemorativas: Já perto do final do “phase out” da frota Puma, em 2006, foi aplicado à aeronave nº.19513, o esquema alusivo ao final da operação da frota e à sua operação pelas Esquadras 752 e 711. Esta aeronave veio para o Continente, sendo armazenada na BA11 em Beja, onde ainda se encontra, já que não foi englobada no conjunto de aeronaves que integraram a Operação Fénix.

     Em Setembro de 2009, atingida a marca dos 40 Anos / 70.000 Horas de voo da frota, aplicou-se à aeronave nº.19504 um esquema alusivo à marca atingida, destacando o regresso ao activo após a Operação Fénix .
     O SA-330 Puma, operado pela FAP desde 1969, contabiliza na sua história, e de acordo com números oficiais, 4.280 vidas salvas, 2.482 das quais no Arquipélago dos Açores

     O desempenho dos Puma - e respectivas tripulações - particularmente nas missões de apoio humanitário às populações e nas missões de salvamento marítimo na vasta região de responsabilidade de Busca e Salvamento atribuída a Portugal, coincidente com a FIR (Flight Information Region) de Lisboa e Santa Maria, representando a maior área de responsabilidade da Europa, tem sido reconhecido através de  muitas e muitas citações, louvores e condecorações atribuídas às Esquadras e respectivo pessoal interveniente.
     O SA-330 Puma19512 encontra-se em exposição estática no Museu do Ar, na Base Aérea Nº 1 (BA1), desde 2006.


Fontes (terceira parte):
  • Imagens 14 e 15: © Carlos Pedro Blog Altimagem;
  • Imagem 16: Cortesia de Estado-Maior da Força Aérea www.emfa.pt;
  • Texto: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.
  • Extractos de texto: Cortesia de  Blog Walkarounds-ccadf - Texto de Rui Ferreira e Luís Neves.

Sem comentários :

Enviar um comentário