Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Abney, William de Wiveleslie – Advanced Photo System

Enciclopédia Altimagem de Fotografia


Enciclopédia Altimagem de Fotografia, Altimagem, Carlos Pedro

(continuação)

Nota: quando os símbolos se encontram ao centro, dois ou mais dos termos seguintes possuem a mesma simbologia.





ABNEY, WILLIAM DE WIVELESLIE  – (1843-1920) – Astrónomo, químico e fotógrafo inglês, pioneiro de vários desenvolvimentos técnicos na fotografia. Investigou sobre o escurecimento do negativo e a luz incidente. Contribuiu para o desenvolvimento da teoria das cores e a sua visualização, bem como a fotografia e fotometria astronómicas. Em 1874 desenvolveu uma emulsão fotográfica seca que substituiu as emulsões húmidas. Em 1978-1979 desenvolveu emulsões para fotografia instantânea e infravermelha. Em 1880 descobriu a hidroquinona, um dos mais importantes químicos para a revelação de fotografias. Criou também vários tipos de papel fotográfico, incluindo uma fórmula de papel com gelatina e cloreto de prata, em 1882. Foi eleito membro da Royal Society em 1876, que o agraciou com a Medalha Rumford em 1882. (imagem 1).

Imagem 1: William de Wiveleslie Abney






ABÓBADA – dome photo studio – Em fotografia é o nome dado a um fundo liso e curvo, sem bordos, cantos ou dobras e que dá a sensação de espaço infinito. É geralmente utilizada em fotografia de estúdio. Se para ela forem projectadas sombras ou luz colorida, poderá servir para criar um fundo abstracto, conhecido pelos fotógrafos como Ciclorama Parabólico (imagem 2). Ver CICLORAMA PARABÓLICO.


Imagem 2: Exemplo de um Ciclorama em Estúdio




ABRIR O DIAFRAGMA – open the diaphragm – Aumentar o tamanho da abertura do diafragma, com o propósito de aumentar a intensidade de luz. Para tanto, devemos diminuir o número f/ utilizado. Exemplo: de f/11 para f/8. A operação inversa é fechar o diafragma. (imagens 3 e 4).


Altimagem, diafragma fotográfico
Imagem 3: Animação de um diafragma de 9 lâminas de uma câmara fotográfica






ABSORÇÃO – absorption – Diz-se da luz que, ao incidir numa superfície, é por esta parcial ou quase completamente absorvida. A luz absorvida transforma-se em calor e a luz não absorvida é transmitida (por superfícies transparentes ou translúcidas) ou reflectida (por superfícies opacas). Termo utilizado em relação às lentes das objectivas, aparelhos ópticos, microscópios, oftalmologia, etc.


ABSTRACTA, FOTOGRAFIA  Ver ARTE ABSTRACTAFOTOGRAFIA ABSTRACTA.


ABSTRACTA, IMAGEM  Ver ARTE ABSTRACTA e FOTOGRAFIA ABSTRACTA.







ABRIR – open – Aumentar o tamanho da abertura do diafragma, com o propósito de aumentar a intensidade de luz. Para tanto, devemos diminuir o n. f/ utilizado. Exemplo: de f/11 para f/8. A operação inversa é Fechar o diafragma. (imagens 3 e 4).


Imagem 4: Os números f e a correspondente abertura do diafragma



ACÇÃO – Ver FOTOGRAFIA DE ACÇÃO.


ACCESSORIE SHOE  – Ver SAPATA DE FLASH.




ACELERADOR – accelerator – Composto do revelador que acelera a acção do agente redutor da solução. Estes produtos são geralmente alcalinos. Ver “Agente Acelerador”.





ACENTUAÇÃO – accentuation – Sistema de controlo local de luz que permite dar mais exposição a determinadas zonas de um positivo ou negativo, isto é, papel ou película.




ACETONA – acetone – CH3(CO)CH3 – Líquido incolor, inflamável e cheiroso. Dissolve-se fácilmente em álcool e água. É utilizado na recuperação de filmes de celulóide. Como regra de segurança, deve ser guardado longe do calor e em garrafas bem tapadas, a fim de impedir a sua evaporação. Evitar inalar os seus vapores.




ACESSÓRIOS – accessories – Em fotografia, acessório é todo o equipamento que, não intervindo directamente com o acto de fotografar, é acoplado ou interligado com a câmara fotográfica de modo a obter melhores imagens, melhor desempenho, efeitos especiais, etc.





   

ACETATO DE POLIVINIL – polyvinyl acetate – Adesivo resistente, flexível, de secagem rápida, não reversível, difícil de remover, usado em reparações de embalagens, álbuns e estojos de fotografias. Não deve ser usado para efectuar reparações em provas fotográficas por ser irreversível. Adicionado a cola de amido ou metilcelulose produz uma mistura mais facilmente reversível.


ACETOBUTIRATO DE CELULOSE – (butyrate PULP) – Plástico, utilizado como suporte de película rígida, filme de artes gráficas, filme para fotografia aérea e filme de raio-X. Foi introduzido no mercado em 1935. Apresenta boa estabilidade dimensional. Tem a vantagem de ser solúvel em solventes não tóxicos, sendo por isso usado em artes gráficas, onde é frequente dissolver-se o suporte para montar a emulsão sobre outras imagens.


ACETOPROPIONATO DE CELULOSE – acetopropionate PULP – Plástico usado como suporte de película de cinema amador. Foi introduzido no mercado em 1931.



ACHATAMENTO DE PLANOS – flattening plans – Nome dado à alteração na perspectiva, causada pelo uso de teleobjectiva a grande distância em relação a todas as partes da cena. Os objectos aparecem mais próximos entre si do que realmente estão. Também é chamado de Compressão de Planos ou Efeito Telefoto.




 

ÁCIDO – acid – Substância que provoca a descida do pH de uma solução aquosa. Consoante a influência que têm na variação do pH, os ácidos podem ser fortes (ácido clorídrico, ácido sulfúrico), médios (ácido acético, ácido oxálico) ou fracos (bissulfitos de sódio ou de potássio, metabissulfitos de sódio ou de potássio, alúmens de potássio ou de crómio).Estes produtos químicos são usados no processamento de película e papel em laboratório de fotografia a preto e branco.


ÁCIDO ACÉTICO – acetic acid – C2H4O2 – Também conhecido como ácido etanoico, é um ácido fraco com acentuado cheiro a vinagre, solúvel em água em todas as proporções. Quando concentrado solidifica por volta dos 16º C, razão por que é conhecido como ácido acético glacial. Para fins fotográficos deve ter uma concentração de 28 %. É um acidulante de uso geral que se utiliza, principalmente,  na preparação dos banhos de interrupção, na concentração de 2 %. Pode, também, integrar algumas fórmulas de inversão, de fixadores endurecedores, de branqueadores e de soluções de viragem. É um produto corrosivo e deve ser manipulado com cuidado sob pena de graves irritações na pele, nos olhos ou nas vias respiratórias. Os seus vapores são inflamáveis, pelo que os frascos devem ser mantidos afastados de fontes de calor.


ÁCIDO BÓRICO – boric acid – H3BO– Ácido muito fraco utilizado em algumas fórmulas de reveladores de grão fino, nos banhos de interrupção e em fixadores endurecedores.


ÁCIDO CLORÍDRICO – hydrochloric acid – HCI – Também conhecido como cloreto de hidrogénio (em gás) ou ácido muriático (quando impuro). Facilmente solúvel, é utilizado em diversos banhos branqueadores e, especialmente, em platinotipia. Emprega-se também nos processos que requeiram soluções muito ácidas tais como viragens e intensificações. É um ácido forte, altamente corrosivo, que liberta vapores irritantes. Requer cuidados especiais de manipulação, pois pode causar queimaduras graves quando em contacto com a pele e olhos, ou quando inalado. Como regra de segurança, deve guardar-se em recipientes de vidro e em pequenas quantidades, a fim de minimizar acidentes. Deve ser manipulado numa área bem ventilada.


ÁCIDO NÍTRICO – nitric acid – HNO3 – Utilizado no fabrico de emulsões, em tonalizadores e branqueadores. É muito corrosivo.


ÁCIDO OXÁLICO – oxalic acid – HO2CCO2H – Produto químico de aspecto cristalino branco, bastante solúvel na água à temperatura ambiente. Moderadamente solúvel em água. Venenoso. Utiliza-se em algumas fórmulas de banhos de viragens, como conservante de reveladores e em platinotipia. Decompõe-se lentamente sob a acção da luz, devendo ser guardado em frascos escuros.


ÁCIDO SULFÚRICO – sulfuric acid – H2SO4 – Ácido muito forte, extremamente corrosivo e que ataca rapidamente as substâncias orgânicas (em presença de um oxidante, como o permanganato de potássio, pode dar origem a combustões espontâneas de substâncias orgânicas, tais como papéis ou tecidos).  Utiliza-se em solução diluída como acidulante de fixadores, nos processos de inversão e de viragem, assim como em redutores. Ver AGENTE REDUTOR.




ACONTECIMENTOS JORNALÍSTICOS – journalistic events – Eventos ou acontecimentos que são passíveis de ser notícia para os meios de comunicação social, incluindo a fotografia de reportagem.




ACOPLADOR DE COR – coupler color – Substância que gera um corante por reacção química com outra substância. Os acopladores de cor são usados nos processos fotográficos cromogénios. Podem ser incorporados na emulsão ou nos banhos de revelação. São invisíveis e reagem com os produtos químicos resultantes da revelação dos sais de prata, formando cor na proporção da quantidade de prata revelada. Exemplos de filmes que usam acopladores de cor na emulsão: Ektachrome, Fujichrome, Agfachrome, Kodacolor, Fujicolor, Agfacolor; exemplo de filme que usa acopladores de cor nos banhos de revelação: Kodachrome.





ACRÍLICAS, LENTES –  acrylic lens) – As lentes das objectivas mais antigas eram fabricadas a partir de cristal ou vidro óptico. Nas câmaras tipo "High Tech" - Profissionais, com "Auto Focus", este material foi substituído pelo acrílico por ser mais leve, para permitir a livre tracção do motor e minimizar seu custo final.



ACKERMAN, MICHAEL – (n. 1967) – Fotógrafo norte-americano nascido em Israel. É um autodidacta da Agência VU. Expõe em permanência em numerosas galerias e as suas fotos estão incluídas na Casa Europeia da Fotografia, em Paris. Ver CASA EUROPEIA DA FOTOGRAFIA; Ver AGÊNCIA VU.



ACROBAT – Aplicativo desenvolvido pela Adobe que gera arquivos PDF (Portable Document Format). Podem ser visualizados pelo Acrobat Reader em qualquer computador, independentemente da plataforma, sistema operacional ou tipos de fonte. (imagem 5).

Imagem 5: Logotipo da empresa Adobe Acrobat



ACROMÁTICA – achromatic – Objectiva corrigida para a aberração cromática, embora nas objectivas antigas, ditas «acromáticas», a aberração cromática ainda apareça nas aberturas máximas.




  
ACTÍNICO – actinic  Capacidade da luz em provocar alterações químicas ou físicas em qualquer substância. Durante a exposição, o poder actínico da luz transforma a estrutura dos cristais sensíveis de uma emulsão fotográfica, dando assim origem à prata negra que irá formar a imagem. Ver EFEITO SABBATIER; Ver MATERIAL SENSÍVEL.








ACTINÓMETRO –  actinometer – (1) Do grego aktís, -ĩnos, «raio» + métron, «medida».Tipo de fotómetro antigo. Expunha-se à luz um material sensível até ele escurecer, comparando-o depois com um tom normalizado. O tempo necessário para ficar com esse tom constituía a base do cálculo para a exposição.
(2) Em meteorologia, é um instrumento que serve para medir a intensidade da radiação solar.






ACUIDADE – Ver SHARPNESS.


ACUIDADE VISUAL – eyesight – A acuidade visual é uma característica do olho humano de reconhecer dois pontos muito próximos, ou seja, de definir os limites entre os elementos.


ACUTÂNCIA – acutance – Padrão de medida para aferir a qualidade, quanto a sua nitidez, alteração de tons, cores e contornos da imagem.



ADAMS, ANSEL  – (1902-1984)  Ansel Easton Adams foi um fotógrafo norte americano. Filho de Charles Hitchcook Adams, homem de negócios, e Olive Bray. Aos doze anos mostra um grande talento musical, aprendendo sozinho a tocar piano. Em 1916 realiza fotografias no Parque Nacional de Yosemite, numa viagem com a família, usando uma Kodak Nº 1 Box Brownie que ganhou de presente dos pais. Adams voltaria todos os anos ao mesmo Parque até ao final de sua vida. As suas fotografias mais conhecidas são as desse parque, principalmente as do grande monólito (imagens 6 e 7).


Imagem 6: Ansel Adams (c. 1950)


Imagem 7: "The tetons and the Snake River",
de Ansel Adams, 1952.







ADAMSON, ROBERT – (1821-1848) – Fotógrafo escocês da época Victoriana. Pioneiro da fotografia na Escócia, iniciou-se na fotografia como assistente de William Fox Talbolt, de quem a prendeu a técnica do Calótipo. Embora tenha falecido aos 26 anos, ficou na História da Fotografia por ter executado calótipos para  David Octavius Hill, tendo produzido excelentes retratos e fotografias de grupo, principalmente dos membros fundadores da Igreja da Escócia, entre 1843 e 1848, além de outros tipos de retratos de rua e de paisagens (imagem 8).


Imagem 8: Robert Adamson





ADAPTADOR PARA PELÍCULA EM ROLO – adapter for film on roll – Acessório especial para as máquinas, que permite utilizar película em rolo em máquinas concebidas para usar película em folha ou em cassete.


ADAPTER RING  –  Ver ANEL ADAPTADOR.




ADELMAN, MARTYN – (n. 1947) – Martyn J. Adelman ou Martin, também conhecido como Max Adelman, é um fotógrafo britânico e ex-baterista (nascido em 1947).
Adelman assumiu a fotografia tardiamente, recebendo cedo uma atribuição que incluiu imagens para o projecto "Yes'Close", do álbum Edge. Durante a década de 1980 fez trabalhos de retrato a  preto-e-branco para a capa e revista Blitz.


ADEREÇOS – props – Objectos usados em estúdio fotográfico para ajudar compor, a iluminar, a enquadrar ou a embelezar o motivo fotografado (pessoas ou objectos). São considerados adereços desde os projectores para iluminação, fundos para fotografia, até cadeiras, vasos com flores, móveis ou adereços de moda para fotografia.(imagem 9). Ver ESTÚDIO FOTOGRÁFICO; Ver SEIDEL, JOSEF.


Imagem 9: Foto-estúdio  e museu Josef Seidel, em Krumlov, na República Checa,
com vários adereços.



ADITIVOS – additions – Em fotografia, dá-se o nome de aditivos (ou aglutinantes) ao conjunto de materiais foto-sensíveis, como gelatinas, emulsões fotográficas, halogenetos de prata, etc., destinados a melhorar o rendimento das propriedades de um determinado produto. Não confundir com aditivos alimentares ou outros aditivos químicos (lubrificantes, etc).



ADOBE PHOTOSHOP  –  Ver PHOTOSHOP.




ADOX – Em fotografia, ADOX é uma marca com uma longa história. Originalmente, era um nome de marca utilizado pela empresa alemã Fotowerke Dr. C. Schleussner GmbH de Frankfurt am Main, primeiro fabricante do mundo materiais fotográficos.
O fundador da empresa, Dr. Carl Schleussner, fez um trabalho pioneiro sobre o processo fotográfico do colódio durante os primeiros anos de fotografia, formando a sua fábrica em 1860. Trabalhando com o físico Wilhelm Röntgen, descobridor dos raios X, o Dr. Schleussner inventou igualmente a primeira placa de raio-X. A empresa começou a comercializar câmaras Schleussner, sob a marca ADOX, no primeiro terço do século 20.
Reconhecendo a crescente importância da marca, a empresa foi renomeada para "Adox Fotowerke Dr. C. Schleussner GmbH". Em 1952, eles introduziram uma linha de filmes muito finos de 35 mm sob a marca ADOX. Em 1962, a família Schleussner vendeu as suas participações fotográficas para a DuPont, uma empresa norte americana líder do mercado na área da fotografia. A DuPont tornou-se proprietária da marca, registando-a nos Estados Unidos.
A DuPont licenciou a tecnologia de filme Adox, mas não a marca, a Fotokemika. As receitas e as patentes para a produção de filmes e papéis foram vendidos na década de 1960 para a empresa jugoslava Efke em Zagreb (Croácia desde 1991).
A DuPont manteve a marca Adox, transferindo-a para uma subsidiária, a Sterling Diagnostic Imaging, para a utilizar nos seus filmes de raios-X. A marca ADOX ainda é aplicada num produto químico industrial, o cloreto de sódio.

Em 1999, a Sterling  Diagnostic Imaging foi comprada pela empresa alemã Agfa, sendo absorvida pela unidade de Ciências da Saúde da Agfa. Desta forma, a marca fotográfica ADOX voltou a ser alemã. A Agfa não utilizou a marca ADOX, e a marca foi removida do registo de marcas alemãs no Escritório de Patentes em Março de 2003. A marca ADOX foi quase imediatamente aproveitada por empresas no Canadá e nos Estados Unidos, e pela FOTOIMPEX na Alemanha. No entanto, nenhum está relacionado com a empresa C. Schleussner GmbH original.
     Entre as câmaras fabricadas pela ADOX, o projector de diapositivos ADOX 300-M foi a primeira câmara a utilizar objectivas intercambiáveis em todo o mundo.
Actualmente a marca possui continuação, através da ADOX  Foto Werke GmbH, com sede em Bad Saarow, na Alemanha. (imagens 10 a 14).



Imagem 10: Logotipo original da empresa ADOX


Imagem 11: Câmara ADOX 66, de 1950
Imagem 12: Câmara ADOX Golf
6x6 cm, 1953














Imagem 13: Câmara ADOX Polo
(1960-1963)

Imagem 14: Projector de slides
ADOX 300-M
















ADOX  FOTO WERKE GmbH – Ver ADOX.





 
ADVANCED PHOTO SYSTEM – O Advanced Photo System, conhecido pela sigla APS, é um sistema resultante de uma join-venture das empresas Canon, Fujifilm, Kodak, Minolta e Nikon que decidiram juntar esforços no sentido de informatizar o processo fotográfico, estabelecendo um novo padrão para a fotografia e, ao mesmo tempo, consolidando os avanços técnicos e tecnológicos alcançados no decorrer do empreendimento. O APS foi apresentado ao público oficialmente em 22 de Abril de 1996 e incluiu um novo tipo de rolo específico com um novo conjunto de características. Foi criado e vocacionado especialmente para fotógrafos amadores. (imagens 15 e 16). Ver APS.


Imagem 15: Rolo APS
Imagem 16: Indicadores de um rolo APS















(continua)