Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

De Havilland DH-85 Leopard-Moth



DE HAVILLAND DH-85 LEOPARD-MOTH

Quantidade: 1
Utilizador: Aeronáutica Militar
Entrada ao serviço: 1934
Data de abate: Desconhecida

Dados Técnicos:

a.      Tipo de Aeronave

                Avião monomotor terrestre, de trem de aterragem convencional fixo, com patim de cauda, monoplano de asa alta, revestido a tela, cabina integrada na fuselagem, destinado a turismo e transporte ligeiro. Tripulação: 1 (piloto).

b.      Construtor

        De Havilland Aircraft Co. / Grã-Bretanha.

c.       Motopropulsor

        Motor: 1 motor De Havilland Gipsy Major, de 4 cilindros em linha, arrefecidos por ar, de 130 hp.
        Hélice: Em madeira, de duas pás, de passo fixo.

d.      Dimensões

        Envergadura …………. ..11,43 m
        Comprimento …..…….…..7,47 m
        Altura………….……....……2,67 m
        Área alar ……….……..… 19,14 m²

e.      Pesos

        Peso vazio……………........……. ..637 kg
        Peso máximo à descolagem…...1009 kg

f.        Performances

        Velocidade máxima ……….…..220 Km/h
        Velocidade de cruzeiro …….…192 Km/h
        Tecto de serviço …………..…6.555 m
        Raio de acção …………….….1.151 Km

g.      Armamento

        Sem armamento.

h.      Capacidade de transporte

        3 passageiros.




Imagem 2

Resumo histórico:
     A fábrica De Havilland, tradicionalmente conhecida por produzir aviões clássicos, entrou a partir dos anos trinta, no que poderia chamar-se a Era dos Moth e Dragons, produzindo em conceitos de voo, máquinas inovadoras e pioneiras.
     A partir do original DH-60 Moth, produziram-se muitos modelos que se tornaram célebres em todo o mundo. Tomando por base o bem sucedido DH-80A Puss-Moth, foi desenvolvido o DH-85 Leopard-Moth, com mais espaço para acomodação de passageiros e motor de maior potência. Começou a voar em 1934, tornando-se relativamente popular, sendo um dos preferidos para transporte de executivos e particulares. Foram construídos 133 exemplares.


Percurso em Portugal:
     Em 1934 realizou-se em Portugal uma subscrição pública para aquisição de um avião, tendo em vista a realização de um voo Lisboa-Timor-Macau-Índia-Lisboa, que dois militares da Aeronáutica Militar (A.M.), Capitão Humberto da Cruz (piloto) e 1º Sargento António Lobato (mecânico), se propunham realizar.
     Foi adquirido um De Havilland DH-85 Leopard-Moth, que descolou de Heston, Grã-Bretanha, no dia 12 de Setembro de 1934 e, depois de efectuar escalas em Paris, Tours, Biarritz (França) e Espinho, chegou ao destino, o Campo de Aviação da Amadora, no dia 14 desse mês. Foi matriculado na A.M. com o número 30.

     A viagem a Timor, Macau e Índia, que se iniciou na Amadora em 25 de Outubro de 1934 e terminou também na Amadora em 21 de Dezembro desse ano, foi um enorme sucesso.
Foi em Timor que recebeu, solenemente, o baptismo de «Dilly».




    Depois desta viagem continuou a voar integrado no Grupo Independente de Aviação de Bombardeamento (GIAB), em Alverca.
     Mais tarde, em data não especificada, o «Dilly» foi oferecido ao governo da Guiné, recebendo a matrícula civil CR-GAA, o que leva a deduzir que foi a primeira matrícula civil atribuída naquele território ultramarino.
Acabou destruído num acidente no aeródromo de Bolama, ardendo completamente.

    Quanto á pintura, alguns quadros de artistas orientais representam o “Dilly”, na viagem a Timor, com a fuselagem em vermelho e as asas e o conjunto estabilizador da cauda em branco, com o número ”30” pintado a branco na fuselagem, não se podendo garantir a fidelidade da reprodução artística. 
     Quando ao serviço no GIAB, encontrava-se totalmente pintado de branco, com o distintivo da Unidade pintado na porta, o nome «Dilly» nos lados das coberturas do motor e o número de matrícula nos lados da fuselagem.
    Depois de ser entregue ao Governo da Guiné manteve a pintura anterior, substituindo o número de matrícula pelas letras da matrícula civil, que se sobrepunham a uma diagonal com as cores nacionais.


Fontes:
Imagem 1: FAP / AHFA - Força Aérea Portuguesa / Arquivo Histórico da Força Aérea;
Imagem 2: Cortesia de Richard Ferriere - 3 vues;
Texto: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.

Sem comentários :

Enviar um comentário