Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Junkers Ju-86

Imagem 1
JUNKERS Ju-86 K-7

Quantidade: 10
Utilizador: Aeronáutica Militar
Entrada ao serviço: 25 de Agosto de 1938
Data de abate: 1945


Dados técnicos: (versão Ju-86 K-7)

a.      Tipo de Aeronave

                Avião bimotor terrestre, de trem de aterragem convencional retráctil, mono-plano de asa baixa, com revestimento metálico, estabilizador vertical duplo, cabina integrada na fuselagem, destinado a missões militares de bombardeamento e a missões civis de transporte. Tripulação: 5 (2 pilotos, navegador-bombardeiro-metralhador, rádio-operador-metralhador e mecânico-metralhador).

b.      Construtor

        Junkers Flugzeug und Motorenwerke AG / Alemanha;
        Sob licença: SAAB - Svenska Aeroplan Aktiebolaget / Suécia.

c.       Motopropulsor

        Motores: 2 motores BMW 123D, de 9 cilindros radiais arrefecidos por ar, de 810 hp cada.
        Hélices: Metálicos, de três pás, de passo variável.

d.      Dimensões

        Envergadura …………....22,50 m
        Comprimento…..….…….17,86 m
        Altura………….……...……4,78 m
        Área alar ……….…….….81,14 m²

e.      Pesos

        Peso vazio……………...…5.800 kg
        Peso máximo……………..8.200 kg

f.        Performances

        Velocidade máxima …………..350 Km/h
        Velocidade de cruzeiro ……….275 Km/h
        Tecto de serviço …………..…7.500 m
        Raio de acção …………….….1.400 Km

g.      Armamento

        Defensivo: 3 metralhadoras MG 17 (ou Lewis) de calibre 7,9 mm, instaladas no nariz, no dorso e na barriga do avião;
        Ofensivo: 800 Kg de bombas, transportadas no interior da fuselagem.

h.      Capacidade de transporte

        800 Kg de carga.


Imagem 2


Resumo histórico:
          Em 1933, o Governo Alemão encomendou à Junkers o estudo de um moderno e rápido avião bimotor de transporte comercial para ser utilizado pela Deutsche Lufthansa, com características para facilmente ser transformado em bombardeiro médio.

      A Junkers designou o projecto de Junkers Ju-86. Pela primeira vez, abandonou os tradicionais revestimentos corrugados, assim como os robustos trens de aterragem fixos, instalando um trem de aterragem principal retráctil, com patim de cauda fixo. Contudo, manteve o tradicional desenho das enormes asas baixas, com lemes e flaps destacados. Tinha estabilizador vertical duplo.
       O primeiro protótipo foi construído em cinco meses. Designado Ju-86ab1, realizou o primeiro voo em 4 de Novembro de 1934, com motores Siemens SAM22, de 9 cilindros radiais arrefecidos por ar e, incrivelmente, com hélices de madeira, de duas pás e passo fixo.
          O segundo protótipo, designado Ju-86cb, foi o primeiro da versão de bombardeiro, com um posto de metralhadora dorsal e outro ventral, retráctil. Iniciou os voos de teste em Janeiro de 1935, com motores radiais SAM22 e hélices metálicos de três pás. A partir de Março começou a utilizar os motores Jumo 205C Diesel. O Ju-86ba1 foi o primeiro protótipo da versão de transporte comercial. Tinha acomodação para dez passageiros, bem como janelas ao longo da fuselagem.
     Entretanto, foi adoptada a nova designação de Ju-86 V1 (ex-Ju-86ab1), Ju-86 V2 (ex-Ju-86ba1) e Ju-86 V3 (ex-Ju-86cb).

Entre 1935 e 1942 fabricaram-se várias versões do Ju-86, a saber:
  1. Maio de 1935: Ju-86 V4, versão de transporte. (As versões de transporte passaram depois a designar-se por JU-86B);
  2. Agosto de 1935: JU-86 V5, versão de bombardeamento (As versões de bombardeamento passaram depois a designar-se por JU-86A);
  3. Fins de 1935: Ju-86A-0, bombardeiro;
  4. Início de 1936: Ju-86A-1, bombardeiro, com motores Junkers Jumo 205C-4 Diesel, de 600 hp;
  5. 1935: Ju-86B-0, transporte comercial, motores Jumo 205C Diesel;
  6. 1936: Ju-86C-1, transporte comercial, motores Jumo 205C Diesel;
  7. 1936: Ju-86K-1, versão bombardeiro fabricada na Alemanha com a colaboração da Suécia, motores Pratt & Witney Hornet S1E-G, de 9 cilindros radiais arrefecidos por ar , de 875 hp cada;
  8. Outubro de 1936: Ju-86D-1, bombardeiro, versão melhorada da anterior, com novo conjunto estabilizador de cauda e aumento da capacidade dos depósitos de combustível;
  9. 1937: Ju-86K-4, bombardeiro, com motores Bristol Pegasus III, de 9 cilindros radiais arrefecidos por ar, de 820 hp cada;
  10. 1937: Ju-86K-5, idem, para os aviões remanescentes da versão Ju-86K-1 equipados com motores Bristol Pegasus;
  11. 1937: Ju-86E-1, bombardeiro, igual à anterior, mas com motores radiais BMW 132F, de 9 cilindros arrefecidos por ar, de 810 hp;
  12. Início de 1938: JU-86 V10, (era um Ju-86E-1 com a parte da frente da fuselagem modificada). A versão de produção recebeu a designação de Ju-86G-1. Utilizava motores BMW 132N, de 9 cilindros radiais arrefecidos por ar, de 865 hp cada;
  13. 1938: Ju-86K-13, bombardeiro fabricado pela SAAB (Suécia), motores Bristol Pegasus XXIV, de 980 hp;
  14. Fevereiro de 1940: Ju-86P V1, protótipo, bombardeiro, versão para alta altitude, motores Jumo 207 Diesel, de 950 hp cada;
  15. Março de 1940: Ju-86P V2, idem, protótipo;
  16. 1940: Ju-86P-1, desenvolvimento dos protótipos anteriores. Bombardeiro de alta altitude, com 800 Kg de bombas;
  17. 1940: Ju-86P-2, reconhecimento de alta altitude, equipados com câmaras fotográficas;
  18. Primavera de 1942: Ju-86R-1 e Ju-86R-2, com motores Jumo 207B-3, de 1000 hp;
(Ju-86K - versão militar para exportação.)
(Ju-86Z  -  versão civil para exportação.)

        A história do Ju-86 é a de um avião que nunca se completou. Acabou por ser um avião de transporte civil sem grande imagem e um bombardeiro ineficaz, apesar de, inicialmente, apresentar perspectivas de ser um avião moderno, rápido e eficiente.


Percurso em Portugal:
        Os Junkers Ju-86 operaram na Aeronáutica Militar (A.M.) entre 1938 e 1945. Os dez aparelhos recebidos eram da versão Ju-86 K-7, uma versão militar de exportação. Estavam equipados com motores radiais BMW 132D. Em 25 de Agosto de 1938 foram oficialmente entregues à Base Aérea da Ota, onde constituíram o Grupo de Bombardeamento Diurno. Foram os primeiros aviões de trem retráctil a operar em Portugal.
        A pintura, ao contrário da tradicional camuflagem germânica - verde, cinzento e castanho, separados por linhas quebradas - se apresentavam numa estranha camuflagem em castanho, verde escuro e amarelo torrado, com linhas de separação onduladas. As superfícies inferiores das asas e da fuselagem estavam pintadas em azul claro. Foram registados na A.M. com a numeração 251 a 260.
        Apresentavam a Cruz de Cristo, sobre círculo branco, em ambos os lados das asas; a bandeira nacional, com escudo, nas faces exteriores dos dois estabilizadores verticais e, nos lados da fuselagem, o número de matrícula pintado em algarismos pretos.
É notável a escassez de elementos sobre a vida destes aviões em Portugal.
        Pode concluir-se que se conservaram “fiéis” às características verificadas desde os primeiros voos dos protótipos, o que contribuiu para a sua fraca e quase desconhecida actividade em Portugal e também para a sua curta vida operacional.


Fontes:
Imagem 1: FAP / AHFA - Força Aérea Portuguesa / Arquivo Histórico da Força Aérea;
Imagem 2: Cortesia de Richard Ferriere - 3 vues;
Texto: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.

Sem comentários :

Enviar um comentário