Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

EADS C-295M (terceira parte)


(continuação)


Imagem 14


Percurso em Portugal (continuação):

     Os 12 C-295 receberam as matrículas FAP de 16701 a 16712. A correspondência entre as matrículas e os números de série de fabrico, entre parêntesis, é a seguinte: 16701 (S-041), 16702 (S-042), 16703 (S-047), 16704 (S-048), 16705 (S-057), 16706 (S-059), 16707 (S-061), 16708 (S-052), 16709 (S-055), 16710 (S-063), 16711 (S-064) e 16712 (S-065).
     As matrículas 16701 a 16707 correspondem à versão C-295M, e as matrículas restantes à versão C-295MPA Persuader.

Imagem 15: Brasão da Base Aérea nº 4
(BA4), Lajes, Terceira, Açores

     A 12 de Março de 2010, após a desactivação do Destacamento Aéreo dos Açores (DAA) do C-212 AVIOCAR, foi activado o Destacamento Aéreo dos Açores do C-295M (DAA-C295M), situado na Base Aérea nº 4 (BA4), nas Lajes, Ilha Terceira, Açores.
Com uma reacção inferior a 45 minutos, a Esquadra 502 garante o DAA de forma permanente, 24 horas por dia, sete dias da semana, com uma aeronave C-295M e respectiva tripulação onde se destacam as missões de apoio à população, como evacuações médicas, realizadas em conjunto com aeronave EH-101, e busca e salvamento. Os 45 minutos referidos é o tempo que os militares dispõem para aprontar a aeronave para a missão pedida, preparar e planear o voo e colocar a aeronave no ar.




Imagem 16: Brasão do Aeródromo
de Manobra nº 3 (AM3), 
Porto Santo.

     Em 05 de Novembro de 2010, o C-212 Aviocar foi substituído pelo C-295 passando o DAM, situado no Aeródromo de Manobra nº 3 (AM3), Porto Santo, Madeira, a ser constituído também pelo EH-101 MERLIN, 
Com uma reacção inferior a 45 minutos, a Esquadra 502 garante o DAM de forma permanente, 24 horas por dia, sete dias da semana, com uma aeronave C-295M e respectiva tripulação onde se destacam as missões de apoio à população, como evacuações médicas, realizadas em conjunto com aeronave EH-101 e de busca e salvamento. Os 45 minutos referidos é o tempo que os militares dispõem para aprontar a aeronave para a missão pedida, preparar e planear o voo e colocar a aeronave no ar.





Das missões referidas, a frota C-295M operada no DAM contabiliza, até Novembro de 2012, 156 horas de voo em mais de 249 missões de evacuação médica ou transporte de doentes, tendo ajudado 297 vidas.


Imagem 17
Em 19 de Abril de 2011, na Base Aérea N.º 6 no Montijo, foi declarado o início da capacidade operacional do C-295M VIMAR - versão Vigilância Marítima desta nova aeronave da Força Aérea Portuguesa.
O C-295M VIMAR está configurado para missões de Vigilância Marítima, nomeadamente, na monitorização e controlo das Actividades de Pesca, Actividades Ilícitas, Poluição Marítima, e monitorização e controlo do Tráfego Marítimo. As características do C-295 tornam-no numa plataforma de elevado potencial na execução de missões de Vigilância Marítima em território nacional e, mais recentemente, em operações internacionais, na operação conjunta “Hermes Extension 2011” onde já completou 190:45 horas de voo.

A Força Aérea tem ao seu serviço doze aeronaves C-295M, cujas características, consoante as diversas configurações que pode adquirir, garantem uma extensão de aplicabilidade em todas as áreas do Apoio Aéreo: Transporte Aéreo, Busca e Salvamento, Inteligência, Vigilância e Reconhecimento.


     Entre 9 e 15 de Julho de 2012, a convite da Airbus Military, a FAP participou no Farnborough International Airshow 2012, a maior Feira Internacional de Aviação, que decorreu em Farborough, Inglaterra, com uma aeronave C-295M na sua configuração de Vigilância Marítima (VIMAR).

     No dia 25 de Outubro de 2012, aterrou na Base Aérea nº 6 (BA6) o primeiro C-295M com o número de cauda 16704, com a inscrição "Força Aérea Portuguesa" pintada na fuselagem, após uma acção de manutenção programada efectuada na Airbus Military, em Sevilha. Esta aeronave é a primeira a ter aquela inscrição seguindo-se de forma gradual as restantes da frota C-295M. (ver imagem 17)


     
Imagem 18: C-295M com a inscrição "Força Aérea Portuguesa" e com a pintura
comemorativa das 10.000 horas de voo da frota C-295


     Em 5 de Dezembro de 2012, a menos de quatro anos de operações, o EADS C-295M comemorou as 10.000 horas de voo, tendo sido decorada uma aeronave com o símbolo dos Elefantes e alusão às 10.000 horas de voo, com grafismo de Miguel Amaral, autor de vários outros trabalhos em aeronaves da Força Aérea. 

     E se 10.000 horas são motivo para comemoração, dentro delas cabem muitos mais números, como aquele que tão honrosamente representa as mais de 500 vidas salvas, mais de 4.400 missões realizadas, mais de 20.000 passageiros transportados, e quase 1.000 toneladas de carga, sem esquecer também a participação em oito diferentes exercícios: Real Thaw, Sea Border, Lusíada, Zarco, Morsa, Hot Blade, Xavega e Renegade.
A integração na Operação Frontex, de controlo de imigração ilegal e actividades ilícitas nas fronteiras meridionais da União Europeia, na qual a Esquadra 502 operou com um C-295 a partir de sete bases distintas em Espanha, Itália e Grécia, em 2011 e 2012, também não pode ser esquecida. Se dúvidas ainda houvesse, na Operação Frontex, todas as capacidades de vigilância marítima do C-295 ficaram bem patentes, com a monitorização, apenas em 2012, de 11.736 embarcações, 27 das quais viriam a ser alvo de intercepção por forças de superfície devido a indícios de actividades ilegais.
Após estas 10.000 horas de operações aéreas, comprovado é o acerto da decisão da aquisição do C-295, que se transformou num dos programas com maior sucesso da Força Aérea Portuguesa. Não será por isso de estranhar, se dentro de pouco tempo a Esquadra 502 estiver já a comemorar as 20.000 horas de voo, “sobre as asas ínclitas da fama” do C-295

Imagem 19: Imagem alusiva à comemoração das 10.000 horas de voo
dos C-295 na Esquadra 502 "Elefantes"


     Para finalizar, temos como dado adquirido que o C-295 introduziu / introduzirá novos conceitos de apoio logístico e apoio às missões, numa tendência clara para aligeirar processos, seja das operações em si, seja da sua manutenção electromecânica. Também no sempre complexo processo de adaptação das tripulações ao voo e exploração do potencial de uma nova aeronave, passa esta a ser feita através do (inovador) conceito e-learning, que de certo modo dispensa a presença tutorial de um instrutor, sendo por isso vantajosa em termos da gestão dos recursos humanos, sempre complicados de gerir e rentabilizar.
     No final do ano de 2009 estavam já operacionais na Base Aérea nº 6 do Montijo, as aeronaves 16702, 16703, 16704, 16705, 16706 e 16707. No final de Janeiro de 2010 foi também entregue, com número de cauda 16709, o primeiro C-295M VIMAR/RFOT,

Imagem 20


     A Esquadra 502Elefantes, prepara-se assim para liderar novos conceitos e procedimentos com a operação de um meio aéreo que representa, de facto, um enorme salto qualitativo e operacional, de extrema importância para a Força Aérea Portuguesa no Século XXI, mantendo-se como o seu lema «Sobre as asas ínclitas da fama».

No dia 24 de Janeiro de 2015 a Esquadra 502 comemorou os seus 60 anos de história.


Fontes (terceira parte):
Imagens 14, 17 e 20: © Carlos Pedro - Altimagem;
Imagens 15 e 16: Colecção Altimagem;
Imagem 18: Foto de Nuno Freitas, Esquadra 502;
Imagens 17 e 18: Cortesia de  EMFA - Estado Maior da Força Aérea, Esquadra 502.
Texto:
- Cortesia de EMFA - Estado Maior da Força Aérea Portuguesa, Esquadra 502;
- Cortesia de OPERAÇÕES - Arquivo de Imprensa do PÁSSARO DE FERRO;
- Cortesia de  MAIS ALTO - Revista da Força Aérea Portuguesa, número 400, de Novembro/Dezembro de 2012.