Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Anaglifo – APS-C

Enciclopédia Altimagem de Fotografia



(continuação)

Nota: quando os símbolos se encontram ao centro, dois ou mais dos termos seguintes possuem a mesma simbologia.





ANAGLIFO – (Anaglyph 3D) - (1) - É o resultado da formação de pares estereoscópicos (imagens bidimensionais) a partir de dois positivos de cores diferentes (verde e vermelho). As duas imagens podem ser positivadas numa única folha de papel, de forma a não coincidirem completamente, ou montadas separadamente num visor próprio (Estereoscópio). São observadas através de filtros coloridos complementares da imagem colorida que cada olho tem de observar. Devido a esta filtragem, cada olho observa o motivo a partir de pontos de vista ligeiramente diferentes e que, ao coincidirem, dão um efeito tridimensional à imagem que observamos. 

(2) - As imagens anaglifo ou anaglifos são imagens bidimensionais que podem causar um efeito tridimensional quando vistas com óculos especiais.
Estas imagens baseiam-se no fenómeno da síntese da visão binocular e foi patenteado por Louis Ducos du Hauron em 1891 com o nome deste artigo. As imagens anaglifas são compostas de duas camadas de cores, sobrepostas mas ligeiramente deslocadas relativamente uma à outra para produzir o efeito de profundidade. Normalmente, o objecto principal está no centro, enquanto à volta e no fundo está deslocado lateralmente em direcções opostas. A imagem contém duas imagens filtradas por cores, uma para cada olho.
     Quando visto através de óculos próprios para ver anaglifos, é revelada uma imagem tridimensional. O córtex visual do cérebro interpreta esta percepção como uma cena em profundidade.
     Estas imagens têm despertado interesse devido à apresentação de imagens e vídeos na internet. Jogos de vídeo, películas de filmes e DVD’s também podem ser exibidos com o processo anaglifo. Da mesma forma, para a ciência, design ou artes gráficas, onde a percepção de profundidade é útil, foram desenvolvidas imagens tridimensionais. Um exemplo é fornecido pela NASA, que usa dois veículos orbitais para obter imagens 3D do sol. (imagens 1 e 2). Ver HAURON, LOUIS DUCOS DU.

Imagem 1: Imagem de um anaglifo



Imagem 2: Filtro para a visualização
de anaglifos em forma de óculos.
















ANALISADOR DE CORES  (color analyzer)Instrumento electrónico, manual ou acoplado ao processador, que permite controlar os ajustes correctos para a correcção da densidade (cópias mais claras ou escuras) e a filtragem correcta (correcção de cores), adequadas para ser obter contactos e ampliações adequadas. Com o advento da fotografia digital, estas correcções já podem ser realizadas com programas de imagem, como o Adobe Photoshop. (imagem 3).

Imagem 3: Exemplo de um analisador de cores




ANALISADOR DE PONTO  (point analyzer) - Ver MEDIDORES DE LUMINÂNCIA.





    

ANASTIGMÁTICA  (anastigmat) - Uma objectiva anastigmática é uma objectiva corrigida para a aberração esférica, coma e astigmatismo. Inicialmente, as objectivas incluíam a palavra «Anastigmat» no seu nome, a fim de sinalizar este novo recurso (Doppel-Anastigmat, Voigtländer Anastigmat Skopar, etc). Actualmente, todas as objectivas fotográficas modernas estão perto de serem anastigmáticas. A primeira anastigmática foi projectada por Paul Rudolph para a marca Carl Zeiss, em 1890, sendo designada por "Protar". Foi igualmente o criador do sistema de lentes "Plasmat", em 1918. (imagens 4 e 5 ). Ver ABERRAÇÃO ou ABERRAÇÃO ÓPTICA (Astigmatismo); Ver OBJECTIVA PLASMAT; Ver COOKE TRIPLET; Ver RUDOLPH, PAUL.


Imagem 5: Sistema de lentes Cooke Triplet,
a mais simples anastigmática
Imagem 4: Sistema de lentes Plasmat,
de Paul Rudolph















ANEL ADAPTADOR – (adapter ring) - É um acessório que serve para acoplar filtros e outros acessórios, que podem ser de medidas diferentes, a uma objectiva. (Ex: Para usar um filtro com o diâmetro de 62 mm numa objectiva com diâmetro de 58 mm, usa-se um anel adaptador do tipo 62-58).
Anel roscado estreito que se encaixa na parte da frente da objectiva para permitir a utilização de acessórios de diferentes diâmetros (maiores ou menores). (imagem 6).

Imagem 6: Montagem de um sistema de filtros numa objectiva,
em que "A" é o anel adaptador. 



ANEL DE FOCAGEM (focus ring) - É um anel de ajuste situado à volta do tambor de várias objectivas, que permite ao fotógrafo proceder à focagem manual da objectiva. (imagem 7).


Imagem 7: Exemplo de uma objectiva em corte, em que (2)
é o anel de focagem.



ANEL DE INVERSÃO OU REVERSÃO  (inversion or reversal ring) - Acessório para câmara fotográfica que permite utilizar a objectiva, invertendo a parte anterior e posterior desta. Utiliza-se em fotografias a pequena distância ou para macro para obter imagens de melhor qualidade e com maior aumento.


ANEL DE REVERSÃO  (reversal ring) - Anel utilizado para acoplar duas partes da câmara: por exemplo, acoplar a objectiva à câmara de trás para a frente de modo a aumentar a nitidez da imagem para distâncias de foco muito pequenas. (imagem 8).


Imagem 8: Exemplo da aplicação de um Anel de Reversão



ANÉIS DE EXTENSÃO  (extension rings) - Também conhecidos como Tubos de Extensão. Adaptadores que se encaixam numa SLR, entre o sensor e a objectiva, permitindo a focagem de objectos a curta distância. (imagem 9). Ver TUBOS DE EXTENSÃO.


Imagem 9: Exemplo de anéis e tubos de extensão para objectivas de rosca



ANÉIS DE NEWTON  (newton's rings) - Pequenos e múltiplos anéis multicoloridos que aparecem quando as superfícies transparentes se sobrepõem e o seu contacto não é perfeito. O fenómeno é provocado por interferência e pode originar problemas quando se coloca o negativo ou diapositivo (Slide) entre dois vidros ou plásticos. Observam-se frequentemente nos caixilhos de vidro para diapositivos ou nos porta-negativos de vidro dos ampliadores.
     Levaram este nome em homenagem a Isaac Newton. São um padrão de franjas concêntricas circulares claras e escuras ou franjas concêntricas circulares, nas cores do arco-íris, produzidas por interferência na camada fina de ar entre duas superfícies reflexivas adjacentes.
     Uma aplicação prática deste fenómeno reside no teste de lentes ópticas. Em geral, só conseguiremos observar anéis perfeitamente concêntricos e circulares quando a lente está bem polida, ou seja, quando colocarmos a lente plana em contacto com uma superfície plana padrão, perceberemos as franjas de interferência na camada de ar, indicando se a superfície necessita de ser mais bem polida, a fim de se tornar "opticamente plana". (imagem 10). Ver NEWTON, ISAAC.

Imagem 10: Anéis de Newton vistos em duas lentes plano-convexas, com as suas superfícies
 planas em contacto. Uma das superfícies é ligeiramente convexa, criando assim os anéis.


ANGENIEUX  A lente fotográfica Angenieux retrofocus é um projecto de lente grande-angular que usa uma configuração de telefoto invertido. A popularidade deste design de lente fez o nome "retrofocus" sinónimo deste tipo de lente. O retrofocus Angenieux para câmaras fotográficas foi introduzido em França, em 1950, por Pierre Angenieux. (imagem 11). Actualmente, a empresa «Thales Angenieux», com sede em França, é um fabricante mundialmente reconhecido de lentes de precisão, oferecendo as melhores lentes para a produção de cinema e televisão, bem como produtos específicos para aplicações em vigilância e segurança. Ver ANGENIEUX, PIERRE; Ver SLR; Ver RETROFOCUS; Ver OBJECTIVAS GRANDE ANGULAR.



 
Imagem 11: Constituição básica do sistema de lentes Retrofocus Angenieux


ANGENIEUX, PIERRE – (1907-1998) - Industrial e engenheiro-óptico francês que criou o revolucionário sistema «Retrofocus» em 1950. Este sistema, ao rejeitar o plano principal da imagem (e, portanto, o foco) atrás da última lente da objectiva, permite montar uma objectiva grande angular num sistema SLR. Ver SLRVer ANGENIEUXVer RETROFOCUS; Ver OBJECTIVAS GRANDE ANGULAR.




ANGSTROM – Unidade de medida utilizada para indicar pontos específicos ou comprimentos de onda dentro do espectro electromagnético. Os raios luminosos visíveis variam entre os 3.900Å (luz azul) e os 7.000Å, aproximadamente (luz vermelha). Entre estes dois valores situam-se todas as variedades de cores e saturações. Esta unidade de medida não faz parte do Sistema Internacional de Unidades. O nome da unidade de medida tem origem no nome de Anders Jonas Ångström, físico sueco. Ver SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES; Ver ANGSTROM, ANDERS JONAS.



ANGSTROM, ANDERS JONAS - (1814-1874) - Físico sueco formado pela Universidade de Uppsala, instituição de que foi reitor entre 1870/1871. Ao longo da sua carreira desenvolveu estudos sobre espectroscopia, magnetismo e termo-física. Foi um dos fundadores da ciência da espectroscopia.(imagem 12).
A unidade (Å)-ångström (1 Å = 10¯¹ºm), com a qual são medidos os comprimentos numa escala de comprimentos de onda da luz ou o espaçamento inter-atómico em matéria condensada, recebe seu nome.

Imagem 12: Anders Jonas Angström




ÂNGULO DA CÂMARA – (camera angle) - Relação entre a posição da câmara e a posição do objecto. O mais comum é segurar a câmara horizontalmente ao objecto, mas frequentemente pode-se causar mais impacto ao alterar-se o ângulo da câmara para mudar a perspectiva e linha do objecto com um fundo interessante. Também chamado de Plano, designação que é utilizada em fotografia, vídeo e, principalmente, cinema.
Consoante o ângulo, as posições, ou Escala de Planos da câmara, estes podem ser (ver imagem 13):

  • Aéreo ou Zénite - A partir do topo ou alto do cenário para o objecto ou pessoa retratada, na posição vertical. Em posição zénite a câmara está apontada directamente para baixo. O seu nome vem da palavra zénite, que é o ponto central do céu quando olhamos para ele;
  • Grande inclinação de cima (posição intermédia: - Pode ser, ou não, considerada.);
  • Plongê ou Picado - Do francês "Plongê" - "Mergulhado". É um ângulo oblíquo superior, de cima para baixo, sendo orientado ligeiramente para o chão. Normalmente, o ângulo picado tende a achatar o motivo, representando um motivo dominado, psicologicamente fraco, inferior;
  • Normal ou ângulo neutro - A posição da câmara é ao nível dos olhos ou quando o motivo está a uma altitude média, ao nível dos olhos;
  • Contra-plongê ou Contra-picado - Oposto ao picado. Com um ângulo inferior, ou oblíquo, abaixo do nível dos olhos e um pouco orientado para cima. O ângulo contra picado tende a alongar o motivo, representando um motivo psicologicamente forte, dominante, superior;
  • Grande inclinação de baixo (posição intermédia: - Pode ser, ou não, considerada.);
  • Contra-zenital ou contra-picado perfeito - É uma posição em que a câmara se situa completamente por baixo do motivo, num ângulo perpendicular ao chão. É diametralmente oposto à posição de Zénite.
Imagem 13: Os vários ângulos da câmara fotográfica

À semelhança das perspectivas aplicadas nas câmaras de cinema, podem ainda ser adoptados na fotografia os seguintes ângulos especiais:

  • Oblíquo ou Aberrante - A câmara é inclinada para recolher a imagem e, por conseguinte, esta é exibida, na imagem final, inclinada. Cria desequilíbrio e aumenta o efeito dramático (imagem 14);
  • Subjectivo (POV- Point of View) - A câmara mostra o que a personagem, que geralmente está fora de campo, está a ver (imagem 15);
  • Sobre o ombro (Over the shoulder) - Plano próximo da personagem no qual se pode ver ainda uma parte de outra pessoa (imagem 16).

Imagem 14: Exemplo de ângulo especial designado por Oblíquo ou Aberrante
(do filme "Notorius", de Alfred Hitchock, 1946)


Imagem 15: Exemplo de ângulo especial designado por Subjectivo (POV-Point of View)


Imagem 16: Exemplo de ângulo especial designado por Over the shoulder (Sobre o ombro).
(Clint Eastwood, em Gran Torino, 2008)



ÂNGULO DE COBERTURA (coverage angle) - Diz-se do maior ângulo de uma objectiva para produzir uma imagem de qualidade útil na película (imagem 17). Ver ALCANCE FOCAL; Ver ÂNGULO DE VISÃO; Ver CAMPO DE VISÃO; Ver DISTÂNCIA FOCAL.

Imagem 17: Exemplos que ilustram os ângulos de cobertura (em graus),
os ângulos de visão (campos coloridos) e a distância focal (em milímetros).



ÂNGULO DE INCIDÊNCIA  (incidance angle) - Quando a luz incide numa superfície, forma um ângulo com uma linha imaginária «normal», perpendicular à superfície. Ao ângulo criado entre o raio luminoso e a linha normal dá-se o nome de ângulo de incidência (imagem 18).


Imagem 18: Ilustração do ângulo de incidência



ÂNGULO DE VISÃO    (angle of view) - Amplitude que pode ser registada por determinada objectiva, em função da sua distância focal. Quanto maior for essa distância, menor será o ângulo de visão e maior será o seu poder de aproximação. O ângulo de visão é, geralmente, maior que 60° para objectivas grande-angular, 40-60° para objectivas normais e menos de 40° para tele-objectivas (imagem 17). Ver ALCANCE FOCAL; Ver ÂNGULO DE COBERTURA; Ver CAMPO DE VISÃO;  Ver DISTÂNCIA FOCAL.




  ANIDRA  (anhydrous) - Diz-se de uma substância que não apresenta água na sua estrutura molecular. As substâncias anidras apresentam-se normalmente em forma de pó e podem transformar-se em hidratadas por contacto com a humidade ou com água. Exemplos destas substâncias são os reveladores e fixadores, em pó, para laboratório fotográfico.







ANSI – Siglas em inglês de "American National Standards Institute", Organização não-Governamental norte-americana, sem fins lucrativos, que tem por objectivo facilitar e supervisionar o desenvolvimento de normas para produtos, serviços, processos e sistemas nos Estados Unidos. A ANSI é membro da "International Organization for Standardization" (ISO). Ver ISO.




ANTI-ALIASING  É um método de redução de serrilhamento (também conhecido como aliasing), que é o efeito em forma de serra que se cria ao desenhar uma recta inclinada num computador. Uma vez que a divisão mínima num monitor é de pixels, surge o aparecimento dos "dentes" da serra ao longo da recta desenhada. O anti-aliasing está presente em adaptadores de vídeo modernos e programas gráficos, tais como o Auto-CAD, 3DS Max, Maya e Blender3D, no qual é possível anti-serrilhar (fazer anti-aliasing) numa renderização. (imagens 19 e 20). Ver ALIASING.


Imagem 20: Imagem "anti-aliasing"
ampliada 5x.




Imagem 19: à esquerda, imagem de
"aliasing" simples; à direita, imagem de
"anti-aliasing" da mesma forma.

















ANTI-SHAKE – Nome dado pela empresa Konica Minolta ao seu sistema de redução de vibrações. Este foi o primeiro sistema de estabilização de imagem, deste tipo, a actuar sobre o próprio sensor e não na objectiva. Ver ESTABILIZADOR DE IMAGEM.









ANTI-VÉUS – (anti-veils) - Nome dado a substâncias químicas usadas em reveladores de película ou papel, ou na indústria gráfica, com a finalidade de evitar a formação de véus provocados por resíduos da emulsão ou causados pela sub-exposição ou pelo uso de uma fonte de luz inadequada.





APERTURE – Ver ABERTURA.


APERTURE PRIORITY – Ver PRIORIDADE À ABERTURA.



APEX – Abreviatura do inglês "Additive system of Photographic Exposure" ("Sistema Aditivo de Exposição Fotográfica"), que foi proposto pelo ASA (American Standards Association, actualmente conhecida como American National Standards Institute) em 1960, para regular a velocidade do filme monocromático, o padrão ASA PH2.5-1960, como um meio para simplificar o cálculo da exposição. Ver ASA.



APLANÁTICA – (aplanatic lens) – Objectiva em que se corrigiu a aberração esférica.


APO – (APO lens) – Tipo de objectivas com, pelo menos, um elemento de vidro especial que se destina a reduzir as aberrações cromáticas. (imagens 21 e 22). Ver APOCROMÁTICO.


Imagem 21: Aberração cromática observada na imagem inferior



APOCROMÁTICA  (apochromat) Objectiva em que se corrigiu a aberração cromática nas três cores primárias aditivas. É uma objectiva ou lente fotográfica que possui melhor correcção de aberração cromática e esférica do que as lentes acromáticas, mais comuns. É geralmente constituída por três elementos (lentes), levando as três frequências de luz a coincidirem num único ponto focal.  (imagens 21 e22).


Imagem 22: A lente apocromática, ou lente APO é geralmente constituída
por três elementos, levando as três frequências de luz a um único ponto focal.


APOCROMÁTICO – (apochromatic) - (1) Tipo de vidro de baixa dispersão usado em objectivas do tipo APO.
(2) Em física, diz-se de um sistema óptico no qual se realizou o acromatismo para três radiações do espectro visível e se corrigiu a aberração de esfericidade para duas radiações, tornando assim desprezável o espectro secundário. (imagens 21e 22)Ver APO.





APS – Abreviatura de “Advanced Photo System”. Ver ADVANCED PHOTO SYSTEM; Ver APS-C; Ver CCD.



APS-C – (Advanced Photo System, type C) – É um formato de sensor de imagem (CCD) equivalente, em tamanho, ao APS, um formato clássico de negativos que media 23,4 x 15,6 mm. O APS-C é utilizado em câmaras fotográficas DSRL. Este formato é menor do que o formato de película de 35 mm das câmaras analógicas. A grande maioria das câmaras DSRL possuem basicamente sensores fullframe, com 36 x 24 mm, ou APS-C. Os formatos fullframe são equivalentes às películas de 35 mm, variando um pouco de fabricante para fabricante (imagem 23). Ver ADVANCED PHOTO SYSTEM; Ver APS; Ver CCD.

Imagem 23: Sensor CCD Sony APS-C 1.8, (23.98 x 16.41 mm)


(continua)

Sem comentários :

Enviar um comentário