Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Hawker Hurricane (segunda parte)

(continuação)

Ver  Hawker Hurricane (primeira parte)

Imagem 4

Resumo histórico (continuação):

     O último modelo, o Hurricane Mk IV, surgiu em Março de 1943, especialmente concebido para ataque ao solo, com as asas adaptadas aos mais distintos armamentos, incluindo calhas para foguetes. A grande capacidade dos Hurricane e a premente necessidade de os utilizar em combate, levou a que a produção se estendesse a outros fabricantes. A fábrica Canadian Car & Foundry designou os seus aviões por Hurricane Mk X.

      A Rússia recebeu e operou 2.952 Hurricane, dos quais alguns foram utilizados com skis. No Norte de África, os Hurricane Mk IId equipados com dois canhões de 40 mm, concebidos para ataque a carros de combate, foram de tal forma eficientes que ficaram conhecidos pelos “abre-latas”. Actuaram também no Extremo Oriente, onde contribuíram para a recuperação dos territórios ocupados pelos japoneses.

            Construíram-se 12.780 Hawker Hurricane na Grã-Bretanha e 1.451 no Canadá. Serviram nas Forças Aéreas da África do Sul, Austrália, Bélgica, Canadá, Checoslováquia, Egipto, Finlândia, Grã-Bretanha, Índia, Irão, Iraque, Irlanda, Jugoslávia, Nova Zelândia, Polónia, Portugal, Roménia, Turquia e União Soviética.
            Foi também produzido um modelo especial para utilização em porta-aviões, designado por Sea Hurricane. Estes aviões deram um excelente apoio aos comboios de navios mercantes na rota da América do Norte. Transportados em porta-aviões ou catapultados de navios de guerra, enfrentavam com sucesso os bombardeiros alemães quadrimotores de longo raio de acção Focke Wulf Fw-200 Condor.
     A mais espectacular acção deve ter sido a defesa do comboio naval que se dirigia à Ilha de Malta, em que 70 Sea Hurricane enfrentaram mais de 600 aviões italianos e alemães, destruindo 39 e perdendo 7.


Percurso em Portugal:

a.       Aeronáutica Militar
      Os primeiros 6 Hawker Hurricane portugueses, do modelo Mk IIc, eram provenientes das bases britânicas estacionadas na Líbia. Fazendo escala em Gibraltar, aterraram na Base Aérea N° 2 (BA2), Ota, no dia 7 de Agosto de 1943. O transporte destes aviões foi uma operação a que a RAF atribuiu o nome de código “Mildew”.
      A missão imediata destes aviões foi a adaptação dos pilotos portugueses a este avião de caça, ministrada pelos pilotos britãnicos que os transportaram desde a Líbia. Os respectivos números de série da RAF não são conhecidos com exactidão. Sabe-se que a Aeronáutica Militar (AM) lhes atribuiu numeração provisória, usando os três últimos algarismos da matrícula da RAF: 354, 358, 459, 488, 840 e 964, que foi usada até Outubro seguinte. Parece que esta medida foi devida à necessidade de despistar os espiões que, na época, abundavam em Portugal. Com estes seis aviões foi formada a primeira esquadrilha portuguesa de Hurricane com o indicativo de código VX.

      Entre 26 de Agosto de 1943 e Março de 1944 chegaram a Portugal, por via marítima, os restantes 97 Hawker Hurricane, essencialmente dos modelos Mk IIb e Mk IIc.
     Foram distribuídos por cinco esquadrilhas, de forma a que cada esquadrilha ficasse equipada com aviões do mesmo modelo. Como referido acima, a primeira a ser constituída foi a Esquadrilha VX, da BA2, com 21 Hurricane Mk IIc, entre eles os primeiros seis, recebidos em 7 de Agosto de 1943.
As outras esquadrilhas foram as seguintes:

  •       Esquadrilha GL, colocada na BA2, com 18 aviões Mk IIc;
  •       Esquadrilha SU, colocada na BA2, com 21 aviões Mk IIc;
  •       Esquadrilha TY, colocada na BA2, com 15 aviões Mk IIb;
  •       Esquadrilha RV, colocada na BA1, equipada com aviões Mk IIb e os Mk Xb, Mk XIb e Mk XIIb de origem canadiana, convertidos em Mk IIb, num total de 22 aviões.
     As esquadrilhas mantém as colocações até 1 de Maio de 1944, data em que se verificam algumas alterações:
- A Esquadrilha RV é transferida da BA1 para o Aeródromo de Espinho, constituindo-se em Esquadrilha Independente de Aviação de Caça (EIAC). A partir de 1948, em conjunto com a Esquadrilha VX, passa a integrar o Grupo Independente de Aviação de Caça (GIAC), em Espinho;
- É constituída a Esquadrilha MP, sediada na BA1, para fins de instrução operacional de pilotos, absorvendo aviões de todas as outras esquadrilhas;
- As Esquadrilhas GL, SU e TY são transferidos da BA2 para a BA3;
- A Esquadrilha VX passa também a EIAC e é colocada no Aeroporto de Lisboa, oficialmente designado por Campo-Base de Lisboa. Em Agosto de 1946 é transferida para a BA3 e integrada no então recém formado Grupo de Esquadrilhas de Caça daquela Base. No entanto, não fica muito tempo nesta colocação, sendo transferida para Espinho em Janeiro de 1947. Em 1948 integrou com a Esquadrilha RV, o GIAC de Espinho.

      Entre Abril e Setembro de 1947 foram recebidos mais 44 Hawker Hurricane Mk IIc e 1 Hawker Hurricane Mk IIb, fazendo de Portugal um dos dois países que receberam este avião no pós-guerra, juntamente com o Irão. Estes 45 Hurricane foram distribuidos pelas esquadrilhas existentes.
      Entre  1949 e 1952 foram abatidos muitos Hurricane, por estarem a atingir o limite de operacionalidade. Em Julho de 1951, cinco Hurricane da Esquadrilha VX deslocam-se à Grã-Bretanha em visita ao Fighter Command da RAF e para participar num filme sobre a Batalha de Inglaterra.

      Entretanto, é extinto o GIAC de Espinho e as Esquadrilhas RV e VX, sendo os seus aviões distribuídos pelas esquadrilhas estacionadas na BA1 e na BA3.
     No início de 1952, as três esquadrilhas da BA3 dispunham de 53 Hawker Hurricane no seu efectivo. Contudo, em Maio desse ano apenas voavam 12, em Agosto 5 e em Outubro não mais de 2.

     Entre Maio e Outubro foram transferidos alguns para a Esquadrilha MP, na BA1. Admite-se que a actividade dos Hurricane na BA3 tenha terminado em Outubro de 1952.
      A numeração que a AM atribuiu a estes aviões é um verdadeiro quebra-cabeças com vários componentes. Até fins de 1943, os Hurricane existentes ostentaram números de matrícula provisórios ou falsos. Esta medida, provavelmente para iludir espiões, acabou por confundir todos os que pretendem reconstituir a história dos Hurricane em Portugal. A ausência de documentação da época não permite estabelecer a relação entre os números de série e a numeração da AM.

      Afigura-se que a atribuição de numeração definitiva, aplicada em princípios de 1944, teve em consideração as versões das aeronaves, sendo de admitir que os serial number e as datas de recepção também tenham tido alguma influência. De qualquer forma, os Hurricane receberam a numeração da AM de 510 a 651 inclusive. O parecer acima exposto é reforçado com o facto de se saber que os primeiros seis Hurricane que chegaram a Portugal receberam os números de 540 a 545. Os últimos 45, recebidos durante o ano de 1947, foram numerados de 607 a 651.

      Com tão elevada quantidade de Hawker Hurricane, aos quais se juntavam uma centena de Supermarine Spitfire, Portugal dispôs na segunda metade da década de quarenta de um impressionante poderio aéreo, com aviões actualizados, facto que não se tornou a repetir, pelo menos com igual dimensão.
      Infelizmente, os acidentes com os Hurricane ocorriam com alguma frequência, destruindo muitos aviões e vitimando um número significativo de pilotos.
      Quanto à pintura, mantiveram sempre a camuflagem dos caças diurnos da RAF, com as superfícies superiores em verde e cinzento escuros e as inferiores em azul-céu. Ostentavam a Cruz de Cristo sobre círculo branco em ambas as faces das asas.
     Nos lados da fuselagem tinham a Cruz de Cristo, sem círculo branco, ladeada pelas letras da esquadrilha pintadas a branco e ainda o número de matrícula, perto do estabilizador horizontal, também a branco.
     Nos lados do estabilizador vertical encontrava-se um rectângulo com as cores nacionais, sem escudo. Os bordos de ataque das asas, entre os faróis de aterragem e os extremos das asas, estavam pintados a amarelo, numa estreita faixa. Alguns apresentavam também parte dessa faixa a vermelho.
     Parece que o esquema era aplicado aos aviões do modelo Mk IIb, pintando de vermelho a parte do bordo de ataque onde estavam instaladas as metralhadoras.
      A pintura era completada com as cores das esquadrilhas, visíveis no cubo do hélice e numa faixa em torno da fuselagem, perto da cauda. A Esquadrilha GL usava o azul, a RV o amarelo, a SU o branco, a TY o vermelho e a VX o verde. A MP, que também usava a cor verde, apresentava uma espiral branca no cubo do hélice.

     Algumas destas esquadrilhas pintavam os seus distintivos no painel esquerdo do motor. O distintivo da MP era composto por um saloio com um varapau, com a legenda “Antes quebrar que torcer”; a RV por um galo a cantar, com a legenda “Agora canto eu”; a VX por um aviador com asas de libélula, empunhando um canhão de avião, com a legenda “Ou vai ou racha”. Não há notícias dos distintivos das outras esquadrilhas.

Imagem 5: Emblemas das Esquadrilhas RV e VX

   
b.      Força Aérea
     Em maio de 1952 é criada a Força Aérea Portuguesa (FAP) e extinta a AM, bem como a Aviação Naval (AN).
     Quando a FAP recebeu os Hawker Hurricane já poucos restavam. Na numeração de quatro algarismos, coube-lhes o bloco 4200, que nunca chegou a   ser aplicado. Foram reunidos na BA1 para serem utilizados na instrução operacional de alunos-pilotos. Em Fevereiro de 1954 ainda se encontravam operacionais 23 Hurricane.
      Em 4 de Agosto de 1954 o Ministro da Defesa determina que sejam interrompidos todos os trabalhos de recuperação dos Hurricane e Spitfire. No fim desse mês, o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA) ordena o abate de todos os Hurricane.

      Enquanto serviram na FAP, os Hurricane não foram alvo de significativas modificações no seu aspecto. Mantiveram a pintura original e não actualizaram as insígnias para o padrão da FAP.
      As letras das esquadrilhas desapareceram da fuselagem, substituídas por três grandes algarismos brancos da matrícula da AM. Durante algum tempo ainda mantiveram a letra de ordem da esquadrilha, mais tarde retirada. A Cruz de Cristo da fuselagem manteve-se como do anterior, sem círculo branco.
      O último voo de Hurricane foi realizado pelo 615 em 5 de Junho de 1954, na Base Aérea N° 1.

      Tal como aconteceu com muitos outros aviões que ficaram na História da Aviação Militar Portuguesa e Mundial, os Hawker Hurricane foram abatidos sem que algum fosse atribuído ao Museu do Ar.


Fontes (segunda parte):
Fotos: FAP / AHFA - Força Aérea Portuguesa / Arquivo Histórico da Força Aérea;

Plano: Cortesia de Richard Ferriere - 3 vues;
Texto e Imagem A: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.

Sem comentários :

Enviar um comentário