Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Douglas C-47 Dakota (segunda parte)

Ver  Douglas C-47 Dakota (primeira parte)

(continuação)


a.      Força Aérea

     Durante alguns anos, o Dakota número 6150, transferido da AM em 1952, foi o único avião deste tipo a operar na Força Aérea Portuguesa (FAP).

     Foi transferido da BA1 para a Base Aérea nº 4 (BA4), Lajes, Açores, provavelmente ainda em 1952. Utilizou então uma faixa amarela ao longo da fuselagem, enquadrando as janelas da cabina de passageiros, que terminava em raio perto das janelas da cabina de pilotagem.
     Foi mais tarde colocado na Esquadrilha Autónoma de Transporte, instalada no Aeródromo-Base N° 1, em Lisboa.
     No dia 11 de Abril de 1959, após a descolagem de Lisboa com destino a Angola, integrado no Exercício Himba, um acidente provocou a sua queda no Rio Tejo, resultando a destruição do avião e a morte de todos os ocupantes.

Imagem 6


A partir de 1958 a FAP adquiriu mais 28 aviões Dakota, provenientes de diversas origens e de vários modelos, numerados de 6151 a 6178, inclusive. De uma forma muito resumida, a história dos Dakota na FAP é a seguinte:

· Dakota 6151, de origem C-53D Skytrooper com o número de construção 11.765. Foi recebido dos Transportes Aéreos Portugueses (TAP) em 30 de Outubro de 1958, onde voou com a matrícula CS-TDC. Colocado na Esquadra de Instrução Complementar de Pilotagem de Aviões Pesados (EICPAP) na BA2, Ota (Imagem 6), foi mais tarde transferido para a BA12, Bissau, Guiné, onde lhe foi adaptado um sistema rudimentar para largada de bombas, tendo realizado algumas missões de bombardeamento nocturno. Terminada a Guerra do Ultramar, foi entregue ao Governo da Guiné-Bissau em 1975;

·  Dakota 6152, de origem C-53D Skytrooper com o número de construção 11.668. Pertenceu aos Transportes Aéreos Portugueses (TAP) e tinha a matrícula civil CS-TDD. Foi recebido em 25 de Novembro de 1958. Colocado no AB1, ficou destruído num acidente em 25 de Novembro de 1959 na Ilha do Fogo, quando se encontrava destacado no Arquipélago de Cabo Verde;

·   Dakota 6153, de origem C-53D Skytrooper com o número de construção 11.675, era o CS-TDE da frota dos TAP, recebido a 12 de Novembro de 1958. Sabe-se que se deslocou a Angola em 1959, integrado no Exercício Himba. Em 1960 estava colocado na EICPAP da BA2 (Imagem 6). Em 15 de Outubro de 1968 sofreu um acidente na Ilha das Flores, Açores, do qual foi recuperado, o que leva a admitir que estivesse, então, colocado na BA4. Foi vendido para os Estados Unidos em Julho de 1976, onde recebeu a matrícula N9984Q;

·  Dakota 6154, um C-47A com o número de construção 10.049, era o CS-TDH da frota dos TAP e foi recebido em 19 de Fevereiro de 1959. Tomou parte no Exercício Himba e, em 1960 fazia parte da frota da EICPAP, da BA2. Colocado na BA9, Luanda, Angola, ficou destruído num brutal acidente ocorrido no Chitado, Angola, em 10 de Novembro de 1961, e no qual faleceram os 18 ocupantes;

·  Dakota 6155, um C-47B com o número de construção 32.675. Foi adquirido pela FAP em 1961 à Israel Aircraft Industries (IAI) e foi colocado na BA12, Bissau. Em 1965 recebeu nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA) a adaptação para transportar 6 bombas de 50 Kg sob as asas e lançar bombas de 15 KG e granadas iluminantes através de tubos colocados na cabina, assim como um visor de bombardeamento. Ficou assim transformado em bombardeiro, executando muitas missões de bombardeamento nocturno na Guiné. Terminada a Guerra do Ultramar, foi entregue ao Governo da Guiné-Bissau;

·  Dakota 6156, do modelo C-47B, com o número de construção 33.093, foi também adquirido em 1961 à IAI. Provisoriamente colocado na Esquadra 81 do AB1, Lisboa, foi mais tarde integrado na BA12. Em 1975 foi entregue ao Governo da Guiné-Bissau;

· Dakota 6157, do modelo C-47A, com o número de construção 19.755. Fazia parte dos excedentes da Força Aérea dos Estados Unidos na Europa (USAFE). Foi recebido em 19 de Maio de 1961. Inicialmente colocado no AB1, foi depois transferido para a BA1, Sintra, onde foi adaptado para missões de fotografia aérea. Depois de ser retirado de serviço foi entregue ao Museu do Ar;

·   Dakota 6158, do mesmo modelo e origem do anterior, com o número de construção 19.818, foi recebido na mesma data. Foi utilizado pela Esquadra 801 do AB8 (Imagem 7), Lourenço Marques, Moçambique. Foi equipado e utilizado em missões de pulverização química. Em 1973, na execução de uma destas missões na região de Cahora Bassa, foi alvejado por armas ligeiras, de que resultou a morte do radio-telegrafista. Desconhece-se o destino deste avião;


Imagem 7: Emblemas da Esquadra 801 (AB8) e EICAP (BA2)

·    Dakota 6159, era outro C-47A que tinha sido operado pela USAFE e igualmente recebido em 19 de Maio de 1961. Tinha o número de construção 20.111. Operou em Moçambique, integrado na Esquadra 801 do AB8. Em 1970 foi preparado para acção psicológica, sendo equipado com um sistema sonoro com 36 altifalantes colocados num painel instalado no lugar da porta de carga. Foi entregue ao Governo de Moçambique em 1975;

· Dakota 6160, do modelo C-47A, com o número de construção 20.587, transformado em VC-47A, para transporte de VIP`s. Da mesma proveniência do anterior, foi recebido na mesma data. Inicialmente colocado na EICPAP, na BA2, foi depois transferido para o AB1, Lisboa, onde executou missões de transporte de VIP`s. Desconhece-se o seu destino;

·  Dakota 6161, um C-47A com o número de construção 10.076, proveniente da USAFE e registado na FAP em 25 de Maio de 1961. Foi igualmente transformado em VC-47A. Executou missões de transporte de VIP`s em Moçambique, integrado na Esquadra 801 do AB8, em Lourenço Marques. Foi entregue ao Governo de Moçambique em 1975;

· Dakota 6162, do modelo C-47A com o número de construção 25.579. Proveniente da USAFE, foi integrado na FAP em 4 de Maio de 1961 e integrado na Esquadra 801 do AB8 (Imagem 7). Sofreu um acidente em 8 de Janeiro de 1974 quando descolava em Vila Cabral, ficando em estado irrecuperável;

· Dakota 6163, do modelo C-47B com o número de construção 26.144 e proveniente da USAFE. Foi recebido em 19 de Maio de 1961. Colocado na BA12, foi entregue ao Governo da Guiné-Bissau em 1975;

· Dakota 6164, do modelo C-47B com o número de construção 26.468  Era proveniente da USAF e foi recebido em 4 de Maio de 1961. Foi colocado em Angola e foi entregue ao Governo angolano em 1975;

· Dakota 6165, do modelo C-47B com o número de construção 26.667. Fornecido pela USAF, foi incluído na FAP em 2 de Junho de 1961. Foi colocado na Esquadra 801 do AB8. Ficou destruído em 10 de Maio de 1968, quando se incendiou dentro do hangar do AB8;

·  Dakota 6166, do modelo C-47A com o número de construção 25.522, recebido da USAF em 1961. Desconhecem-se outros dados;

·        Dakota 6167, do modelo C-47A com o número de construção 13.018. Operou na Divisão de Exploração de Transportes Aéreos (DETA), Moçambique, com a matrícula CR-AFR, sendo entregue à FAP em 31 de Dezembro de 1967. Integrado na Esquadra 801 do AB8, ficou destruído num acidente ocorrido em 11 de Março de 1968 em Mueda;

·        Dakota 6168, outro C-47A com o número de construção 20.173. Fez parte da frota da Divisão de Transportes Aéreos (DTA), Angola, com a matrícula CR-LCC, que o entregou à FAP em data desconhecida. Operou em Angola, integrado na Esquadra 403 do AB4, em Henrique de Carvalho, permanecendo em destacamento na BA9, Luanda. Desconhece-se o seu destino final;


Imagem 8: Emblema da
               Esquadra 403 (AB4)
· Dakota 6169, do modelo DC-3D com o número de construção 42.968. É provável que tenha sido levado para Angola em Julho de 1967, por mercenários que tinham actuado no Zaire. Colocado na Esquadra 403 do AB4, sofreu um acidente em Março de 1973, a norte de Cuito Cuanavale, quando transportava pára-quedistas. O piloto fez uma perfeita aterragem de barriga na savana, não havendo vítimas. Apesar do avião ter sofridos poucos estragos, o local era de difícil acesso, pelo que foi decidido destruí-lo onde estava;

· Dakota 6170, do modelo C-53D com o número de construção 11.698. Pertenceu à DETA, onde tinha a matrícula CR-ABJ. Foi transferido para a FAP nos primeiros meses de 1971, sendo integrado na Esquadra 801 do AB8. Foi entregue ao Governo de Moçambique em 1975;

· Dakota 6171, do modelo C-47B com o número de construção 33.532. Ao serviço da USAF, foi recebido pela FAP em 16 de Junho de 1970. Esteve colocado na Base das Lajes (BA4), Açores, até 1969. Desconhecem-se mais deslocações ao serviço da FAP, sendo provável que tenha permanecido na BA4. É referida a sua participação no filme sobre a II Guerra Mundial “A Bridge Too Far”. Foi vendido em 1976, com a matrícula americana N9983Q;

· Dakota 6172, do modelo C-47A com o número de construção 13.140. Operou nos TAP como CS-TDG e, a partir de 1958 na DETA, com a matrícula CR-AGC. Desconhece-se a data em que foi transferido para a FAP, bem como a sua colocação, sendo plausível que tivesse sido integrado na Esquadra 801 do AB8. Desconhece-se igualmente o seu destino;

· Dakota 6173, do modelo C-53D com o número de construção 11.763. Foi operado pela DETA com a matrícula CR-ABK. Transferido para a FAP em data desconhecida, é também muito provável que tenha pertencido à Esquadra 801 do AB8. Em 1975 passou para os Transportes Aéreos da Guiné-Bissau (TAGB);

·  Dakota 6174, do modelo C-47A com o número de construção 12.760. Pertencente à DETA, tinha a matrícula CR-ABQ. É possível que tenha sido entregue à FAP em 1972. Desconhece-se como e onde a FAP utilizou este avião. Foi vendido ao Zaire em 1977;

· Dakota 6175, do modelo C-47A com o número de construção 19.393. Foi o primeiro avião dos TAP, ostentando, na altura, a matrícula CS-TDA. Em 1958 foi adquirido pela DETA, onde operou com a matrícula CR-AGD. Recebido pela FAP em 1971, foi colocado na Esquadra 801 do AB8. No dia 6 de Maio de 1974 foi atingido por um míssil terra-ar “Strella”, no norte de Moçambique, quando transportava um grupo de adidos militares. Com um motor em chamas e uma asa seriamente danificada, aterrou em Nacatári, uma pequena pista de recurso nos arredores de Mueda. Graças à perícia e sangue frio do piloto não houve vítimas a lamentar. O avião foi abandonado no local da aterragem;

· Dakota 6176, do modelo C-47A com o número de construção 9.948. Voou na DETA com a matrícula CR-AHB. Havendo notícia de que se encontrava em Maputo (ex-Lourenço Marques) em 1975, presume-se que a FAP o tenha operado em Moçambique, integrado na Esquadra 801 do AB8;

· Dakota 6177, do modelo C-47A com o número de construção 18.977. Recebido na FAP em 1972, não há a certeza quanto à sua proveniência ou a sua utilização. Foi vendido ao Zaire em 1977, em conjunto com o 6174;

·        Dakota 6178, do modelo C-47A com o número de construção 12.066. Foi recebido da África do Sul em 1972. Não se conhecem outros elementos. Sabe-se que em 1977 estava estacionado no Aeroporto de Luanda.


Imagem 9



     Poucos foram os Dakota da FAP que não foram colocados no Ultramar. Operaram na Guiné, Angola e Moçambique, onde tiveram uma actuação intensa e meritória. Terminada a Guerra do Ultramar, grande parte destes aviões foram abatidos sem regressarem à Metrópole. Alguns foram entregues aos novos países africanos, que pouco ou nada os aproveitaram. 1976 é referido como o ano da retirada de serviço dos C-47 Dakota da FAP.

     Toda a frota de C-47 se apresentava pintada segundo o padrão da FAP para os aviões de transporte, em alumínio, com o dorso e o estabilizador vertical em branco, com estas cores separadas por um filete azul que se estendia ao longo da fuselagem, sob as janelas. A secção à frente do pára-brisas encontrava-se pintada a preto anti-reflexo.
     A insígnia da Cruz de Cristo, sobre círculo branco contornado por fino traço azul, encontrava-se na face inferior da asa direita, na face superior da asa esquerda e em ambos os lados da fuselagem, a meia distância entre o bordo de fuga das asas e o bordo de ataque dos estabilizadores horizontais. Os rectângulos com as cores nacionais, sem escudo, estavam colocados em ambos os lados do estabilizador vertical, à altura da charneira central do leme de direcção. Os números de matrícula encontravam-se pintados nas asas, alternando com a insígnia e sobre os rectângulos com as cores nacionais, em algarismos pretos. Esta pintura foi mantida sem alterações durante todo o tempo que serviram na FAP.
     Como referido acima, o Douglas C-47A Dakota com o número 6157 foi entregue ao Museu do Ar.




Fontes (segunda parte):
Imagens 6 e 9: FAP / AHFA - Força Aérea Portuguesa / Arquivo Histórico da Força Aérea;
Imagens 7 e 8 e Texto: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.

Sem comentários :

Enviar um comentário