Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Lockheed Martin F-16 MLU (terceira parte)

(continuação)

Ver  Lockheed Martin F-16 MLU (primeira parte)


Imagem 11



Percurso em Portugal (continuação):

     Em 1996 Portugal efectuou um pedido adicional de 21 F-16A e 4 F-16B (totalizando 25 F-16). Este segundo lote de F-16 em segunda mão destinava-se à substituição directa do A-7P Corsair na função de ataque ao solo e seriam capacitados para ataque diurno e nocturno pela actualização MLU (Mid-Life-Update). A 20 de Novembro de 1997 o Departamento de Defesa dos Estados Unidos anuncia a disponibilidade de 25 F-16A/B Block 15 usados e a custo zero, sendo Portugal responsável pelo seu transporte.
     A carta de intenções é assinada a 30 de Novembro de 1998 e inclui as 25 aeronaves usadas a custo zero, com novos motores F100-PW-220E, transporte, apoio logístico e 20 kits de modernização MLU, pelo valor de 268 milhões de dólares (preços de 1998) pagos em prestações até ao ano de 2004. Os Kits comprados inicialmente eram modelo 2, entretanto foram actualizados ao nível do F-16C/D Block 50/52, equiparando-os aos dos restantes parceiros Europeus da NATO.
     Os aviões actualizados são oficialmente designados F-16AM (monolugar) e F-16BM (bilugar). A este programa foi dado o nome de código «Peace Atlantis II». Destas 25 aeronaves, cinco serão armazenadas para fornecimento de peças. Mais tarde foram adquiridos mais 18 Kits, elevando para 38 as unidades actualizadas ou em fase de actualização, ou seja, a totalidade dos F-16 operacionais.

Imagem 12: Emblema de pano da Base Aérea nº 5

     Estes 25 F-16 foram recebidos pela FAP entre 12 de Maio de 1999 e 15 de Junho de 1999. Receberam os números de matrícula FAP de 15121 a 15146.
     A actualização de todas as aeronaves F-16 foi realizada pelas Oficinas gerais de Material Aeronáutico (OGMA), em Alverca, a uma média de uma aeronave a cada dois meses. Os primeiros pacotes MLU M2 foram feitos na Bélgica e o primeiro F-16 modernizado foi apresentado em 2003.
     A decisão de colocar o segundo lote de F-16 na versão MLU veio evidenciar que os primeiros F-16 também teriam que sofrer a mesma actualização, pois seria desajustado a FAP operar duas frotas distintas, agravado pelo facto de uma delas já se encontrar desactualizada. Esta constatação foi por demais evidente no envolvimento Nacional no conflito da ex-Jugoslávia em 1999 e na participação no exercício Red Flag em 2000, expondo as limitações operacionais do F-16 OCU, em termos de armamento ar-ar e ar-solo e na qualidade dos sensores, os quais impediram os pilotos nacionais de assumirem preponderância ofensiva e um posicionamento táctico de relevo. Foram então canalizados todos os esforços na viabilização da modificação de todos os 40 F-16 OCU para o padrão MLU.

     No ano 2000 Portugal aderiu ao Multi-National Fighter Program (MNFP), acontecimento com a maior relevância para a operacionalidade continuada dos F-16 MLU. Esta adesão apenas foi possível devido à versão do F-16 MLU português ser exactamente igual à dos Países Europeus (EPAF - European Participating Air Forces), do OFP (Operational Flight Program - software operacional do avião) ter a mesma base programática para todos os países, incluindo nos aviões dos Estados Unidos, e de Portugal ter conquistado o estatuto e ser reconhecido como um parceiro “credível”. 14 anos após a adesão, o F-16 dos países do MNFP já sofreu cinco actualizações de OFP.

Imagem 13: Emblema da
Esquadra 301 «Jaguares»



     Em Outubro de 2004  a Esquadra 301- «Jaguares», foi equipada com a aeronave F-16, na sua versão modernizada MLU.
     A partir de 21 de Novembro de 2005 a Esquadra 301 - «Jaguares» deixa definitivamente os Alpha Jet e a Base Aérea Nº 11 (BA11), em Beja, e é transferida para a BA5, a fim de receber os novos F-16 MLU, juntando-se assim à Esquadra 201 - «Falcões».





     Em 22 e 26 de Julho de 2009 tiveram lugar as comemorações do 50º Aniversário da Base Aérea nº 5, em Monte Real, com o Spotter's Day e a abertura da Base ao público (imagens 14 e 15).

Imagem 14: Patch comemorativo dos 50 anos da BA5

Imagem 15: Pintura comemorativa dos 50 anos da Base Aérea nº 5
numa aeronave F-16A Block 15AW OCU



     O último voo de um F-16 OCU para as OGMA, a fim de receber a actualização MLU, foi realizado pelo número 15119 em 19 de Janeiro de 2011.
     De um modo generalizado, as principais modificações da actualização MLU  (Mid-Life-Updatesão as seguintes:
  •         Novo computador de combate / missão (MMC - Modular Mission Computer), substitui os anteriores três componentes, que equipavam as versões antigas, computador de controlo de tiro (XFCC), unidade de controlo da dados apresentado no HUD (Head up display)e a unidade de controlo e gestão do armamento transportado. Deriva do computador do F-22 Raptor e possui uma capacidade de processar 155 milhões de operações por segundo. Existe a possibilidade de acrescentar módulos para aumento da capacidade, ou de substituição de módulos em face da natureza da missão a executar. Permite ainda a utilização de armamento de última geração;
  •         Modernização do radar substituindo o AN/APG66 pelo APG-66(V)2A tornando-o equivalente ao que equipa os aviões do bloco 50. Com uma capacidade 25% superior em rastreio e detenção de alvos em relação ao anterior modelo, possui um alcance de 90 Km, permite monitorizar até dez alvos e disparar contra seis simultâneamente, com contra medidas electrónicas (EECM) melhoradas, capacidade de rastreio e mapeamento terrestre melhoradas e apresentação de dados em monitor a cores;
  •         Substituição do sistema IFF (interrogador amigo-inimigo), pelo AIFF (interrogador amigo-inimigo avançado) com um alcance superior a 150 Km, permitindo a utilização de mísseis ar-ar para além das possibilidades do radar;
  •         DTSDigital Terrain System, sistema que fornece ao piloto dados audíveis, sobre os obstáculos no terreno à sua frente quando voa de noite a baixa altitude, obtendo dados do radar e do altímetro. pode ser ligado ao piloto automático se o sistema de navegação do avião for digital;
  •         Data-Modem, sistema que permite a comunicação entre vários F-16 e entre os F-16 e as estações terrestres ou com tropas no terreno permitindo uma maior integração das forças.

     No dia 14 de Novembro de 2013, cerca de 10 anos após o voo do primeiro avião F-16 MLU (26 de Junho de 2003), foi realizado na BA5 o voo de ensaio ao último avião transformado em Portugal para o padrão F-16 MLU. Terminava, assim, este complexo programa, que só foi possível devido ao esforço de tantos e tão bons profissionais da Força Aérea Portuguesa.

Imagem 16: F-16 com pintura comemorativa dos 20 anos de operações do F-16 em Portugal



Imagem 17: F-16 com a pintura comemorativa dos 20 anos do Fighting Falcon


     No dia 13 de Julho de 2014 tiveram lugar na BA5 as comemorações dos 20 anos do Lockheed Martin F-16 Fighting Falcon em Portugal e na FAP.
     As duas Esquadras de F-16, «Falcões» e «Tigres», mantêm por missão a Luta Aérea Ofensiva e Defensiva e as Operações contra alvos de superfície. Diariamente, as Esquadras 201 e 301 mantêm um elevado estado de prontidão na protecção do espaço aéreo nacional, contribuindo para a manutenção da soberania nacional, utilizando um total de 39 aviões-caça F-16: 33 monolugares e 6 bi-lugares na versão MLU (1 F-16A OCU e 1 F-16 MLU foram destruídos em acidentes; 5 F-16 foram retirados ou armazenados para fornecimento de peças). Destes 39 F-16 operacionais, 12 estão já "reservados" para a Força Aérea Romena. 


Imagem 18: F-16 em pedestal na Base Aérea nº 5, Monte Real.


      Em 2016 a FAP terá ao seu dispor 30 caças F-16 – já incluindo as 3 novas células que virão dos EUA – por forma a concretizar o contemplado na Lei de Programação Militar que prevê 30 caças F-16 a operar pelas duas Esquadras da BA5.



Fontes (terceira parte):
Imagens 11, 16, 17 e 18: Cortesia de  EMFA - Estado Maior da Força Aérea;
Imagens 12 a 14: Colecção Altimagem;
Imagem 15: Cortesia de CAVFA - Centro de Audiovisuais da Força Aérea (Saj Élio Domingos);

Texto:
- Cortesia de MAIS ALTO - Revista da Força Aérea Portuguesa: - Revistas números 350, 393, 402 e 407, de Julho/Agosto de 2004, Setembro/Outubro de 2011, Março/Abril de 2013 e Janeiro/Fevereiro de 2014, respectivamente;
- Cortesia de Operações - Arquivo de Imprensa do Pássaro de Ferro;
- Cortesia de Pássaro de Ferro - Crónicas da Aviação.