Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Camera – Casa Europeia da Fotografia

Enciclopédia Altimagem de Fotografia


(continuação)

Nota: quando os símbolos se encontram ao centro, dois ou mais dos termos seguintes possuem a mesma simbologia.






CAMERA – «Camera» é o nome de um periódico suíço consagrado à fotografia, que iniciou a sua vida em Lucerna, Suíça, em Junho de 1922. Esta revista foi distribuída em muitos países e em várias línguas, tendo sido uma referência no mundo da fotografia entre as décadas de 1950 e 1970. Vários fotógrafos foram revelados graças à Camera, como Robert Frank, Robert Capa, Henri Cartier-Bresson ou Jeanloup Sieff, entre outros. O historiador de fotografia Romeo Martinez (1911-1990) foi o editor chefe da revista entre 1953 e 1974. A actividade da Camera foi encerrada pelo grupo proprietário, o "Grupo Ringier", em Dezembro de 1981. A revista Camera foi relançada em 17 de Janeiro de 2013 com uma tiragem trimestral bilingue, em francês e inglês, pelo editor Bruno Bonnabry Duval, que confiou o renascimento da prestigiosa revista a  Brigitte Ollier, jornalista do Libération, com o objectivo de oferecer a mais alta qualidade aos entusiastas da fotografia. (imagem 1).


Imagem 1: Capa da revista «Camera», edição de Novembro de 1973.




CAMPO DE VISÃO – (field of view) – Em fotografia, o campo de visão – field of view (FOV) – (ou Ângulo de Visão) é a parte do espaço ambiente que é visível através de uma câmara fotográfica, para uma determinada posição e orientação no espaço. Motivos ou objectos fora do FOV não são registados quando é tirada a fotografia. É mais frequentemente conhecido pelo tamanho angular do cone de visão, designado como ângulo de visão. Para uma objectiva normal o campo de visão pode ser calculado através da  seguinte fórmula: FOV = 2.arco tangente (tamanho do sensor / 2f), onde “f” representa a distância focal (imagem 2). Ver ÂNGULO DE COBERTURA; Ver ÂNGULO DE VISÃO; Ver DISTÂNCIA FOCAL.

Imagem 2: O campo de visão pode ser medido nos sentidos horizontal, vertical ou diagonal.


CANAIS DE MINILAB – (minilab channel– Toda a impressora de minilab possui programas para corrigir desvios de cor e contraste apresentado por cada marca ou tipo de negativo. Este sistema é constituído pelo balanço de cores, e pelos slope under, slope over e slope ultra-over, para ajuste fino de contraste e densidade. Esses canais ainda apresentam a possibilidade de serem calibrados manualmente.


CAPA, ROBERT – (1913-1954) – De seu nome verdadeiro Endre Ernő Friedmann, foi um fotógrafo e foto-jornalista húngaro. Foi um dos mais célebres fotógrafos de guerra, cobrindo os mais importantes conflitos da primeira metade do Século XX: a Guerra Civil Espanhola, a Segunda Guerra Sino-Japonesa, a Segunda Guerra Mundial na Europa (em Londres, na Itália, a Batalha da Normandia em Omaha Beach, e a libertação de Paris), a Guerra árabe-israelita de 1948 e a Primeira Guerra da Indochina.
Em Junho de 1944 participa no desembarque da Normandia, o “Dia D”. Depois da guerra, com David Seymour, Henri Cartier-Bresson e George Rodger, funda a Agência Magnum (constituída oficialmente em 1947). Nos primeiros tempos, ocupa-se na organização da estrutura, partindo em seguida para o "terreno".
Robert Capa fotografou a Guerra Civil Espanhola, onde tirou a sua mais famosa foto ("Morte de um Miliciano"), a Guerra Civil Chinesa e a II Guerra Mundial com lentes normais, o que fez com que ele se tornasse um dos mais importantes fotógrafos europeus do Século XX (imagem 3). Ver AGÊNCIA MAGNUM; Ver CARTIER-BRESSON, HENRY; Ver SEYMOUR, DAVID; Ver RODGER, GEORGE.

Imagem 3: "Morte de um miliciano". Foto de Robert Capa 
(Agência Magnum), em 5 de Setembro de 1936,
no início da Guerra Civil de Espanha.



CAPTURA DIGITAL – (digital capture– É o acto de fotografar, onde o filme é substituído por discos ou pela própria memória do computador. A captura digital pode ser feita através de câmaras ou scanners, tanto para cópias ou ampliações, como também possibilita a digitalização directa de negativo ou diapositivos (slides) convencionais.


CAPTURAS E ENTRADAS DIGITAIS – (capture and digital input– A câmara digital transfere a imagem capturada automaticamente para o computador ou a transmite pela Internet ou por telefonia. O scanner produz a entrada da imagem, digitalizando a foto, papel ou filme, transformando-a em pixels.


 
CARBONATO DE POTÁSSIO – K2CO3 – (potassium carbonate– Pó branco solúvel que absorve a humidade com rapidez. É um componente alcalino de vários reveladores universais para fotografia a preto e branco e fotografia a cores. Deve guardar-se em garrafas fechadas hermeticamente.


CARBONATO DE SÓDIO – Na2CO3 – (sodium carbonate– Também conhecido por soda. Bastante solúvel em água, substitui o carbonato de potássio. Comercialmente apresenta-se sob duas formas: mono-hidratado, em pó, e deca-hidratado, em forma de cristais. Para efeitos de formulação, 3 partes do primeiro equivalem a 8 partes do segundo. Utiliza-se como alcalinizante geral, principalmente na preparação de reveladores e de banhos de viragem para a fotografia a preto e branco e fotografia a cores. Ver AGENTE ACELERADOR.


CARJAT, ÉTIENNE – (1828-1906) – Fotógrafo, jornalista, escritor, caricaturista e poeta francês conhecido pelos seus retratos fotográficos de escritores, artistas e cómicos da sua época. Iniciou o seu trabalho com a abertura do seu estúdio em Paris. Trabalhava com fundos cinzentos, sem adereços, a fim de se concentrar no que era importante: o rosto do modelo. Apesar da qualidade dos seus retratos, entre os quais o do famoso poeta francês Charles Baudelaire, muito superior ao de Nadar, foi considerado como um fotógrafo de segunda classe, eclipsado pela fama alcançada por Nadar. (imagens 4 e 5 ). Ver NADAR.  


Imagem 4: Étienne Carjat
Imagem 5: Retrato de Charles Baudelaire, da autoria
de Étienne Carjat, cópia de carbono, cerca de 1862,
British Library, Londres.




CARL ALEXANDER VON MARTIUS – (1838-1920) – Químico e industrial alemão, pioneiro no fabrico da tintura de anilina. Foi co-fundador, juntamente com Paul Mendelssohn Bartholdy, da empresa Aktien-Gesellschaft für Anilin-Fabrikation (AGFA), uma fábrica alemã de químicos que viria a ser famosa (imagem 6). Ver AGFA–AGFA-Gevaert N.V.; Ver CÂMARAS FOTOGRÁFICAS DA AGFA; Ver BARTHOLDY, PAUL MENDELSSOHN; Ver GEVACOLOR.

Imagem 6: Carl Alexander von Martius



CARL ZEISS – (1816-1888) – Óptico alemão, reconhecido mundialmente pela sua empresa de lentes, objectivas e instrumentos ópticos de grande qualidade que fundou: Zeiss. A empresa foi fundada em 1846 em Jena, na Alemanha. Juntamente com Ernst Abbe (que se associou em 1866) e Otto Schott (que se associou em 1884), construiu a base para a criação e fabrico de óptica moderna. Actualmente, a empresa é dividida em duas partes: a Carls Zeiss AG, localizada em Oberkochen e com filiais importantes em Aalen, Göttingen e Munique, e a Carl Zeiss GmbH, localizada em Jena, ambas na Alemanha. Esta empresa é uma das mais antigas fabricantes de sistemas ópticos existentes no mundo. Actualmente, a empresa Zeiss está empenhada, entre outros, no processo de concepção dos componentes ópticos para o Telescópio Espacial James Webb, definido para substituir o Telescópio Espacial Hubble a partir de 2018 (imagens 7 a 12). Ver ABBE, ERNST; Ver SCHOTT, OTTO.




Imagem 7: Carl Zeiss







Imagem 8: Logotipo da empresa
Carl Zeiss





















Imagem 9: Microscópio Carl Zeiss,
de 1879.







Imagem 10: Objectivas Carl Zeiss Jena números
145077 e 145078, Tessar 1:4,5 F=5,5cm, DRP 142294,
produzidas antes de 1910.

















Imagem 11: Câmara Carl Zeiss Ikon com telémetro e
objectiva Carl Zeiss Biogon f/2, de 35mm, de 2004.



Imagem 12: Objectiva Carl Zeiss Milvus 1.4,
50mm, de 2015.



















CARON, GILLES – (1939-1970) – Fotógrafo e foto-jornalista francês. Foi o fundador da Agência Gamma, juntamente com Raymond Depardon, Hubert Henrotte, Jean Monteux e Hugues Vassal, com a qual realizou diversas reportagens em Israel Vietname, Biafra, Checoslováquia e manifestações de Paris em Maio de 1968, entre outras. Foi para o Cambodja em 1970, onde desapareceu a 5 de Abril com dois dos seus colegas, na estrada Pnom Pen-Saigão, controlada pelos Kmers Vermelhos. Ver AGÊNCIA GAMMA; Ver VASSAL, HUGUES; Ver DEPARDON, RAYMOND.


CARRETEL – (reel– Também conhecido como "espiral", é um cartucho de metal ou plástico com ranhuras em espiral nas quais o rolo do filme é carregado para processamento manual no chamado tanque de revelação de película a cores ou a preto e branco (imagens 13 e 14). Ver TANQUE DE REVELAÇÃO.

Imagem 13: Carretel de aço inoxidável para película de 35 mm.


Imagem 14: Peças constituintes de um tanque de revelação.


CARTÃO CINZA – (gray card– Em fotografia é usado em conjunto com um fotómetro para obter imagens fotográficas consistentes. Um cartão cinza é um objecto plano com uma cor cinza neutra que reflecte as cores do espectro luminoso de modo plano. O cartão cinza comercializado pela Kodak apresenta uma reflectividade de 18%. A reflectividade de 18% é uma média matemática resultante da reflectividade de 3% para o preto e de 90% para o branco.
Um cartão que reflecte uma percentagem conhecida da luz que incide sobre ele. Em geral, tem um lado cinzento que reflecte 18% da luz e um lado branco que reflecte 90% da luz. Padrão utilizado para aferir a leitura de um o fotómetro, exposímetro ou medidor de flash (flash-meter).
O Cartão cinza ou Gray Card, é um material que auxilia na correcta medição do balanço de branco da cena, as câmaras digitais estão programadas para ler cinzas médios. Muitas vezes, quando o balanço de brancos (WB) é colocado no automático não se terá um balanço de brancos considerado ideal. Ao usar um cartão cinza a 18% e fazendo a medição da cena através desse material, conseguimos ter uma leitura correcta de brancos para obter uma fotografia (imagem 15). Ver BALANÇO DE BRANCOS; Ver BALANÇO DE BRANCOS AUTOMÁTICO; Ver TEMPERATURA DE COR; Ver KELVIN; Ver WB.

Imagem 15: Cartões cinza com diversos tamanhos.



CARTÃO DE ARMAZENAMENTO – (storage card– Ver CARTÃO DE MEMÓRIA.


CARTÃO DE MEMÓRIA  (memory card– Sistema de armazenamento utilizado pela maioria das câmaras digitais. Entre os vários modelos podemos citar: ATA PCMCIA, Smartmedia e Compact Flash, entre outros. As primeiras câmaras utilizavam disquetes, porém com o incremento de resolução nas câmaras, houve a necessidade de desenvolver novos meios de armazenamento. Existem em diversos formatos, capacidades e velocidades de gravação de dados (imagem 16).


Imagem 16: Vários tipos de cartões de memória, comparativamente com o tamanho de um fósforo.



CARTÃO PCMCIA – Personal Computer Memory Card International Association”, cartão de memória de espessura e desenho semelhantes ao cartão de crédito. Usado em computadores portáteis e como acessório integrante de alguns sistemas de imagem digital (imagem 17). Ver PC CARD.

Imagem 17: Exemplo de um cartão PCMCIA



CARTIER-BRESSON, HENRI – (1908-2004) – Fotógrafo francês considerado por muitos como o pai do fotojornalismo e da fotografia em movimento. Em 1931, aos 22 anos, Cartier-Bresson viajou por África, onde passou um ano como caçador. Porém, uma doença tropical obrigou-o a regressar a França. Foi neste período, durante uma viagem a Marselha, que ele descobriu verdadeiramente a fotografia, inspirado por uma fotografia do húngaro Martin Munkacsi, publicada na revista Photographies (1931), mostrando três rapazes negros a correr em direção ao mar, no Congo. Quando a paz se restabeleceu, Cartier-Bresson, em 1947, fundou a agência fotográfica Magnum juntamente com Bill Vandivert, Robert Capa, George Rodger e David Seymour "Chim". Começou também o período de desenvolvimento sofisticado de seu trabalho.
Revistas como a Life, Vogue e Harper's Bazaar contrataram-no para viajar pelo mundo e registar imagens únicas. Da Europa aos Estados Unidos, da Índia à China, Bresson dava o seu ponto de vista especialíssimo.
Tornou-se também o primeiro fotógrafo da Europa Ocidental a registar a vida na União Soviética de maneira livre. Fotografou os últimos dias de Gandhi e dos eunucos imperiais chineses, logo após a Revolução Cultural na China.
Na década de 1950, vários livros com os seus trabalhos foram lançados, sendo o mais importante "Images à la Sauvette", publicado em inglês sob o título "The Decisive Moment" (1952). Em 1960, uma mega-exposição com quatrocentos trabalhos deu a volta aos Estados Unidos, numa homenagem ao grande nome da fotografia mundial (imagem 18). Ver AGÊNCIA MAGNUM.


Imagem 18: Henri Cartier-Bresson



CASA DA FOTOGRAFIA DE MOSCOVO – (house of Moscow photography– É um museu estatal de fotografia localizado em Moscovo, possuindo uma ampla colecção de obras mestras de fotógrafos russos. Foi criada em 1996 a partir de um projecto iniciado dois anos antes, por ocasião do primeiro “Mês Internacional da Fotografia”. A sua concepção como instituição cultural é semelhante à Casa Europeia da Fotografia, em Paris, com a qual mantém ampla colaboração. Dispõe de uma biblioteca especializada e desenvolve projectos de investigação e difusão da fotografia. Desde 2003 que recebe o nome de “Centro de Arte Multimédia”. Uma das sua actividades didácticas é a Escola de Fotografia e Multimédia Alexander Rodchenko, fundada em 2006. Ver CASA EUROPEIA DA FOTOGRAFIA; Ver RODCHENKO, ALEXANDER.


CASA-ESTÚDIO CARLOS RELVAS – (house studio Carlos Relvas– Conjunto arquitectónico oitocentista, da autoria do arquitecto Henrique Carlos Afonso, constituído por um imóvel e jardim do qual sobressaem algumas espécies exóticas, um lago e um parque infantil. Hoje é a Casa Museu de Carlos Relvas.
Do acervo aqui existente destacam-se o arquivo fotográfico, mobiliário e instrumentos musicais, para além da biblioteca particular de Carlos Relvas que conta com cerca de quatro mil volumes.
A construção do edifício, que se destinava a funcionar como estúdio e laboratório de fotografia, ocorreu entre 1872 e 1875. Alguns anos mais tarde, em 1887, o imóvel sofreu obras de adaptação a residência o que ocasionou uma grande transformação no seu interior.
Trata-se de um edifício de dois pisos de planta longitudinal formado pela articulação de diversos corpos, com cobertura diferenciada em telhados de duas águas e em pavilhão.
Na fachada principal podemos ver os bustos de Nièpce e de Daguerre, os percursores da fotografia. Em 1981, o edifício foi doado à Câmara Municipal da Golegã que o transformou na Casa-Estúdio Carlos Relvas. Ver RELVAS, CARLOS.



CASA EUROPEIA DA FOTOGRAFIA – (european house of photography– É um centro municipal de exposições de fotografia, fundado em 1996 e situado na Rue de Fourcy, no IV Distrito de Paris, França. Está instalado num edifício do Século XVIII, pertencente ao município de Paris. Dispõe de uma biblioteca, de uma videoteca e de um auditório. A colecção deste centro está dedicada à arte contemporânea, sendo formada por fotografias impressas e digitais e vídeos ou DVD’s de artistas, assim como uma extensa biblioteca especializada, chamada «Biblioteca Romeo Martinez», dispondo de cerca de 24.000 livros de fotografia, técnicos e artísticos, e cerca de 1.400 revistas, sendo uma biblioteca de referência para a investigação fotográfica, tanto na Europa como nos Estados Unidos. Também é a sede da ARCP - «Atelier de Restauration et de Conservation des Photographies», a oficina de restauração e conservação de fotografias da cidade de Paris, criada em 1983 com a finalidade de participar na melhoria dos arquivos fotográficos dos museus municipais (imagem 19).

Imagem 19: Vista geral da Casa Europeia da Fotografia em Paris.

(continua)

Sem comentários :

Enviar um comentário