Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arménia

Հայաստանի Հանրապետություն
(Hayastani Hanrapetut'yun)
República da Arménia


Brasão de Armas

Bandeira














Localização:
Ásia, Sudoeste Asiático, Europa, Europa de Leste, Cáucaso, Nação transcontinental.


Origem / Formação / Pequeno resumo histórico:
     A região hoje ocupada pela Arménia é povoada desde os tempos pré-históricos e era o suposto local do Jardim do Éden, referido na Bíblia. O país encontra-se localizado no planalto à volta da montanha bíblica de Ararate. Segundo a tradição judaico-cristã, foi o local onde a Arca de Noé encalhou após o Dilúvio
     Arqueólogos continuam a descobrir que o planalto arménio está no meio de locais onde estariam civilizações primitivas e talvez sejam os mesmos locais onde nasceram a agricultura e a civilização. De 6.000 a.C. a 1.000 a.C., ferramentas como lanças, machados e peças de cobre, bronze e ferro eram frequentemente produzidos na Arménia e trocados nas terras vizinhas onde esses metais eram menos abundantes.


Mosteiro de Khor Virap, à sombra do Monte Ararate, onde, supostamente,
a Arca de Noé pousou após o Dilúvio

     A Arménia é a principal herdeira do lendário país Aratta (Ararate), mencionado em inscrições sumérias. Na Idade do Bronze muitos Estados floresceram na área da Grande Arménia (ou "Arménia histórica"), incluindo o Império Hitita (o mais poderoso), o Mitanni  (sudoeste da Grande Arménia) e Hayasa-Azzi (1 500–1 200 a.C.). Na época, o povo de Nairi (séculos XII–IX a.C.) e o reino de Urartu (1000–600 a.C.) sucessivamente estabeleceram suas soberanias no planalto arménio. Cada uma destas tribos e nações participaram da etnogénese do povo arménio. Erevan, a moderna capital da República da Arménia, foi fundada em 782 a.C. pelo rei urartiano Argishti I.

     Em 301, a Arménia tornou-se, oficialmente, o primeiro país cristão do mundo. Havia várias comunidades pagãs antes do cristianismo, mas elas foram convertidas por influências de missionários cristãos. Tirídates III (em arménio: Տրդատ Գ), juntamente com Gregório, o Iluminador (em arménio: Գրիգոր Լուսաւորիչ) foram os primeiros reguladores oficiais do cristianismo do povo, conduzindo a conversão oficial do país dez anos antes de Roma emitir sua tolerância aos cristãos por Galério e 36 anos antes de Constantino I ter sido baptizado.

     Após o período masdeísta (428-636), a Arménia emergiu como Emirado da Arménia, com uma relativa autonomia junto do Império Árabe, reunindo terras arménias previamente tomadas pelo Império Bizantino como dele. A principal terra era regulada pelo príncipe da Arménia, reconhecido pelo califa e pelo Imperador bizantino. Era parte da divisão administrativa Arminiyya, criada pelos árabes, que incluía partes da Geórgia e da Albânia Caucasiana e tinha a capital na cidade arménia de Dvin (ou Tvin, em arménio: Դվին). O Principado ou Emirado da Arménia terminou em 884, quando os arménios conseguiram a independência do já enfraquecido Império Árabe.

     O Reino da Arménia reemergiu sob a dinastia dos Bagratuni (em arménio: Բագրատունյաց Արքայական Տոհմ; traduzido: Bagratunyac Arqayakan Tohm, "Real Dinastina dos Bagratuni"), até 1045.
     Com o advento da Primeira Guerra Mundial, o Império Otomano e o Império Russo ocuparam o Cáucaso durante a "Campanha Persa", o novo governo turco começou a olhar para os arménios com dúvidas e suspeitas. Isso era conveniente com o facto do Império Russo ter em seu exército um contingente de voluntários arménios.
     Em 24 de Abril de 1915, cerca de 600 intelectuais arménios foram presos e exterminados a mando de autoridades otomanas, e, com a Lei Tehcir (29 de Maio de 1915), uma grande parcela da população arménia que vivia na Anatólia começou a ser deportada e privada de seus bens, num processo que levou à morte de cerca de 1 milhão e 500 mil de arménios, ficando conhecido como o “genocídio arménio”.
     A Arménia foi anexada pela Rússia bolchevista e juntamente com Geórgia e Azerbaijão, foi incorporada à URSS como parte da República Federativa Socialista Soviética Transcaucasiana em 4 de Março de 1922.
     Em 1991, a União Soviética se fragmentou. A Arménia declarou a sua independência em 23 de Agosto de 1990Foi a primeira república não-báltica a separar-se da União Soviética.


Cultura:
     O alfabeto arménio foi inventado em 406 por São Mesrob Machtots, e consiste em 38 letras, duas delas adicionadas durante o período ciciliano. 96% da população fala o idioma arménio e cerca de 75,8% fala também o russo.

Religião - A religião predominante na Arménia é o cristianismo, sendo esta crença partilhada por 98,7% da população de acordo com o site. As origens da Igreja Arménia remontam ao Século I d. C., sendo o país e povo cristão mais antigo do mundo.
     De acordo com a tradição, a Igreja Arménia foi fundada por dois dos doze apóstolos de Cristo, São Judas Tadeu e São Bartolomeu, que pregaram o cristianismo na Arménia entre os anos de 40 e 60 d.C. Por causa destes apóstolos fundadores, o nome oficial da Igreja Arménia é Igreja Apostólica Arménia.
     A Arménia foi a primeira nação à adoptar o cristianismo como religião oficial de Estado, em 301. Mais de 93% dos cristãos arménios pertencem à Igreja Apostólica Arménia, uma forma de ortodoxia oriental (não-calcedónia), que é uma igreja muito ritualística e conservadora, muitas vezes comparada às igrejas copta e síria.

Música e arte - A Galeria Nacional de Arte de Yerevan possui mais de 16 mil obras que datam desde a Idade Média. O Museu de Arte Moderna, a Galeria de Imagens Infantis e o Museu Martiros Saryan reúnem notáveis acervos.

Casa da Ópera de Yerevan

     A Orquestra Filarmónica da Arménia apresenta-se na renovada Casa da Ópera de Yerevan. Além disso, várias câmaras estão disponíveis para o aprendizado da música, como a Orquestra de Câmara Nacional da Arménia e a Orquestra Serenade. A música clássica pode ser ouvida em vários pequenos locais, incluindo o Conservatório Estadual de Música de Yerevan e o Hall da Orquestra de Câmara. O jazz é popular, especialmente no Verão, quando performances ao vivo acontecem frequentemente nos cafés e bares da cidade.

     Do outro lado da Opera House, um popular mercado de arte fecha o parque da cidade aos fins de semana. A longa história arménia, como no tempo das Cruzadas no mundo antigo, resultaram em paisagens com muitos sítios arqueológicos a serem explorados. Sítios da Idade Média, Idade do Ferro e do Bronze e até a Idade da Pedra estão a poucas horas do centro da cidade. Porém, a mais espectacular experiência é poder visitar Igrejas e fortalezas no seu estado original, como eram antigamente.

Hospitalidade - hospitalidade arménia é bem conhecida e tem origem nas antigas tradições do povo. Reuniões sociais são sempre acompanhadas de sumptuosos banquetes com muita comida tradicional.
     Os anfitriões podem servir seus convidados com bastante comida e os pratos e copos nunca devem ficar vazios ou incompletos. Após uma porção de comida, é aceitável negar de forma educada, e cortês repetir, ou, simplesmente, deixe um pouco de comida no prato.
     Bebidas alcoólicas como conhaque, vodka e vinho tinto podem acompanhar a comida ou serem servidas nas reuniões. É raro que se vá a uma casa arménia e não ser convidado para um café, massas, alguma comida ou mesmo água.

Culinária - Dada a geografia e a historia do país, a culinária arménia é uma das representantes da culinária mediterrânica e caucasiana, com fortes influências da Europa Oriental e Médio Oriente e, em menor escala, dos Balcãs. A culinária arménia caracteriza-se pelos recheios, purés e coberturas na preparação de um grande número de pratos de carne, peixe e legumes.

Desporto - Na Arménia jogam-se vários tipos de desportos, entre os que se destacam estão a luta livre, levantamento do peso, judo, futebol, xadrez e boxe. O relevo da Arménia é bastante montanhoso, o que facilita a prática de desportos como esqui e o alpinismo.
     Competitivamente, a Arménia tem tido êxito em halterofilia e luta livre. Sem embargo, é uma autêntica potência mundial em xadrez. Na Olimpíada de Xadrez de 2006, celebrada em Turim, a equipa masculina foi campeã e a equipa feminina ficou em sétimo lugar. Levon Aronian é o principal jogador de xadrez da Arménia.


Principais recursos naturais:
Pequenos depósitos de ouro, cobre, molibdénio, zinco e óxido de alumínio.


Datas comemorativas:
Dia Nacional: 28 de Maio (data da constituição da República Democrática da Arménia, em 1918);



Dia da Independência: 21 de Setembro (data do reconhecimento da independência, pela União Soviética, em 1991).


Símbolos Nacionais:
Bandeira Nacional;
Brasão de Armas;
Hino nacional (Mer Hayrenik);
Insígnia da Força Aérea da Arménia.


Insígnia da Força Aérea da Arménia


Lema:
Uma Nação, Uma Cultura.


Imagens de Erevan, capital da Arménia


Capital:
Erevan (Yerevan)


Língua oficial:                                                                              Moeda oficial:
Arménio                                                                                       Dram arménio


Tipo de Governo:
República Parlamentarista


Data de entrada como membro da ONU (Organização das Nações Unidas):
2 de Março de 1992.


Organizações / Relações internacionais:
  • ONU - Organização das Nações Unidas;
  • CE - Conselho da Europa;
  • BAD - Banco asiático de Desenvolvimento;
  • CEI - Comunidade dos Estados Independentes;
  • OMC - Organização Mundial do Comércio;
  • OCEMN - Organização de Cooperação Económica do Mar Negro;
  • MNA - Movimento dos Países Não-Alinhados (observador);
  • OSCE - Organização para a Segurança e Cooperação na Europa;
  • OTSC - Organização do Tratado de Segurança Colectiva;
  • BERD - Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento;
  • APCE - Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa;
  • ICDO - Organização Internacional de Protecção Civil;
  • IPU - União Inter-Parlamentar;
  • IRU - União Internacional de Transportes Rodoviários;
  • INTERPOL - Organização Internacional de Polícia Criminal;
  • MIGA - Agência Multilateral de Garantia de Investimentos;
  • OIM - Organização Internacional para as Migrações;
  • OPCW - Organização para a Proibição de Armas Químicas;
  • PEV - Política Europeia de Vizinhança;
  • WCO - Organização Mundial das Alfândegas;
  • UIC - União Internacional dos Caminhos-de-Ferro;
  • PSIWMD - Iniciativa de Segurança contra a Proliferação de Armas de Destruição Maciça;
  • IRENA - Agência Internacional para as Energias Renováveis;
  • TEDH - Tribunal Europeu dos Direitos Humanos;
  • RAMSAR - Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional;

  • WIPO - Organização Mundial da Propriedade Intelectual.


Património Mundial (UNESCO):
  • Mosteiros de Haghbat e de Sanahin (1996, 2000);
Mosteiro de Haghbat-Nshan (UNESCO)
  • Catedral e Igrejas de Etchmiadzine (2000);
  • Sítio arqueológico de Zvarnotz (2000);
Ruínas da Catedral de Zvarnotz (UNESCO) 

  • Mosteiro de Gherart e Vale Alto de l’Azat (2000).
Mosteiro de Gherart (UNESCO)


Património Cultural e Imaterial da Humanidade (UNESCO):

  • O Duduk e a sua música (2005, 2008) - O duduk arménio - Ծիրանափող - Tsiranapogh, é um instrumento musical de sopro de dupla cana, caracterizado por um timbre quente, macio e levemente nasal. A madeira macia da árvore de alperce é o material ideal para o corpo do instrumento. A cana, chamada ghamish ou yegheg, é uma planta local, que cresce junto do rio Arax. As raízes da música do duduk arménio remontam aos tempos do rei arménio Tigran, o Grande (95-55 a.C.).
Duduk arménio (UNESCO)

  • Khachkars - A arte das cruzes de pedra da Arménia (2010)Khachkars são placas de pedra exteriores esculpidas com cruzes por artesãos da Arménia e comunidades na Diáspora arménia. Eles agem como um ponto focal para a adoração, como pedras memoriais e como relíquias, a fim de facilitar a comunicação entre o secular e o divino. Uma pedra Khachkars chegar a medir 1,5 metros de altura, possuindo uma cruz ornamental esculpida no meio, descansando sobre o símbolo de um sol ou a roda da eternidade, acompanhado por motivos vegetativos-geométricos, esculturas de santos e animais. Khachkars são criados geralmente com pedra local e esculpida com cinzel, canetas afiadas e martelos. Existem mais de 50.000 Khachkars na Arménia. Cada um tem seu próprio padrão, e não há dois iguais. O primeiro e verdadeiro Khachkar apareceu no Século IX, durante a época do renascimento arménio, após a libertação do domínio árabe. O artesanato Khachkar é transmitido através das famílias ou de mestre para aprendiz, ensinando os métodos e padrões tradicionais e incentivando a distinção regional e a improvisação individual.
Cruz de Pedra Arménia (UNESCO)



  • Representação do épico arménio 'Daredevils de Sassoun' (2012) - É um poema épico heróico arménio constituído por quatro partes (ciclos). Daredevils de Sassoun           (Սասնա ծռեր - Sasna tsřerum) (Os Temerários de Sassounnarra a história de quatro gerações de guerreiros de Sassoun e David de Sassoun contra o domínio árabe, entre os Séculos VIII e X. David de Sassoun era um jovem rebelde e auto-suficiente que, pela graça de Deus, defendeu sua terra natal em um duelo desigual contra o mal. O poema cai dentro da tradição de lendas heróicas que dramatizam e dão voz aos sentimentos mais profundos e aspirações de uma nação.O poema épico é contado em uma voz lírica com enunciação rítmica, enquanto cantos separados são cantadas num estilo poético de rimas. É realizado anualmente no primeiro sábado de Outubro (feriado do Dia do épico arménio em algumas aldeias), durante casamentos, aniversários, baptizados e grandes eventos culturais nacionais. É vulgarmente citado como uma das mais importantes obras do folclore arménio, transmitido apenas de boca em boca através das gerações pelos bardos das aldeias.

  • O Lavash: preparação, significado e aparência do pão tradicional, como uma expressão cultural na Arménia (2014) - O Lavash é um pão delgado tradicional da Arménia. Feito por um grupo reduzido de mulheres, a sua preparação exige um trabalho considerável, assim como uma boa capacidade de coordenação, experiência e técnica consideráveis.

Lavash, o tradicional pão Arménio (UNESCO)

Fonte:
Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cortesia de UNESCO - Património Cultural Imaterial da Humanidade